Governo Serra: Sob ameaça de greve Serra atende policiais e ignora professores

Projeto enviado à Assembleia reduz diferença entre salários pagos a quem atua em grandes centros e pequenas cidades
Decisão é divulgada pela Secretaria da Segurança Pública no mesmo dia em que delegados anunciam paralisação para o dia 19

O governo Serra (PSDB) anunciou ontem o envio à Assembleia Legislativa de um projeto de lei que prevê diminuir a diferença entre os salários pagos aos policiais civis e militares que trabalham nas pequenas cidades e àqueles que atuam nos grandes centros.
O anúncio foi feito no mesmo dia em que um grupo de 200 delegados anunciou uma greve para o próximo dia 19 -a categoria tem 3.300 profissionais. Entre as reivindicações está o ALE (Adicional por Local de Exercício), exatamente o benefício que foi alvo de mudança no projeto anunciado ontem.
Pela proposta, que precisa ser votada pelos deputados estaduais, em vez dos atuais três níveis para o pagamento do benefício, serão apenas dois: cidades com mais ou menos de 500 mil habitantes. Hoje, a menor gratificação é paga a quem trabalha em cidades com menos de 200 mil moradores -há três faixas: até 200 mil, de 200.001 a 500 mil e acima desse patamar.
De acordo com o governo, essa mudança deve provocar aumentos salariais de até 23,82%, principalmente para quem trabalha em cidades menores, e atingir 52.516 policiais -o Estado tem 127 mil policiais civis e militares. O menor salário, recebido pelos soldados de 2ª classe em começo de carreira, iria de R$ 1.613 para R$ 1.985.
Ontem, na Assembleia, as entidades de delegados criticaram a proposta. Elas reivindicam o fim dos três níveis e a incorporação imediata do ALE pelo teto, que hoje é de R$ 1.575, pago a um delegado que trabalha nas maiores cidades. A proposta do governo, além de criar dois níveis para o benefício, prevê sua incorporação total aos salários em cinco anos.
As entidades de delegados também exigem uma reestruturação da carreira, que inclua o reconhecimento da profissão como carreira jurídica, o que possibilitaria equiparar o salário ao de um promotor -hoje, de cerca de R$ 18 mil. Um delegado em início de carreira recebe R$ 5.810 (para cidades com mais de 500 mil habitantes).

Secretaria diz que não negocia pleitos dos professores

Segundo o governo, reajuste de 34,3% pedido por grevistas “desorganiza as finanças do Estado”

A Secretaria Estadual da Educação classificou ontem como “inegociável” a pauta de reivindicações dos professores da rede paulista. A categoria está em greve desde anteontem.
A declaração foi dada pelo titular da pasta, Paulo Renato Souza, via assessoria de imprensa. Em nota, o governo José Serra (PSDB) diz que a concessão do reajuste de 34,3%, demanda dos docentes, “desorganiza as finanças do Estado”.
Os sindicatos defendem como necessário o reajuste, que representa apenas parte das perdas salariais desde 1998.
Os salários hoje variam de R$ 1.834 a R$ 3.181 (40 horas semanais). O teto agora pode atingir R$ 6.270 -desde que o docente, ao final da carreira, seja aprovado em quatro seleções.
O governo afirma que 1% da rede estadual foi afetada por conta da paralisação; já o sindicato afirma que há a adesão de professores em cerca de 55% das escolas.
De dez escolas consultadas pela reportagem, em pelo menos três a paralisação era parcial. Nas outras, as aulas estavam normalizadas. Uma nova assembleia da categoria está marcada para sexta-feira, no Masp.

Fonte: Folha de São Paulo
Fonte: Folha de São Paulo

+ sobre o tema

Após 3 meses, Anvisa decide que uso de máscaras volta a ser obrigatório em aeroportos e aviões no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu nesta...

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Em pleno carnaval, Garis paralisam Rio de Janeiro – por Douglas Belchior

  De Douglas Belchior Haiti? África do Sul? Não. É Rio de...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

para lembrar

Lula afirma que quem quiser vencê-lo deverá acordar cedo e pôr “pé no barro”

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva transformou o...

Até quando a sabotagem conservadora poderá resistir?

por Saul Leblon A Folha quer ser...

Rápido como uma bala

Rápido como uma bala. Sob o título "É um...

Sociedade brasileira é ‘racista’, afirma futuro presidente negro do TST

Primeiro negro eleito para presidir o Tribunal Superior do...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=