Grávida é processada por matar feto após ser baleada no ventre no Alabama

Um grande júri do Estado conservador culpa Marshae Jones pela morte do bebê que gestava por ter sido ela quem iniciou a discussão

Por ANTONIA LABORDE, do El País 

Imagem de Marshae Jones divulgada pela polícia do condado de Jefferson. AP

Em sete meses, a vítima se tornou a culpada. Marshae Jones, de 27 anos, estava grávida de cinco meses quando em dezembro passado participou em uma discussão que terminou com ela sendo baleada no ventre, o que não acabou com sua vida, mas sim com a do feto que gestava. Inicialmente, a polícia de Pleasant Grove, Alabama, determinou que a mulher que puxou o gatilho, Ebony Jemison, de 23 anos, tinha cometido homicídio involuntário. No entanto, um grande júri de Jefferson acusou Jones nesta quarta-feira de assassinato, argumentando que foi ela quem iniciou a discussão, informa o portal AL.com, um veículo de comunicação local do Alabama. “A investigação mostrou que a única vítima verdadeira foi o bebê que estava por nascer”, disse o tenente da polícia Danny Reid, encarregado da investigação.

Os tiros aconteceram em plena luz do dia em 4 de dezembro. Jones e Jemison discutiam fora de uma loja dos populares bazares Dollar General a respeito do pai do bebê que não chegou a nascer, de acordo com a polícia. Os policiais chegaram ao lugar depois de terem recebido uma informação sobre alguns tiros, mas quando chegaram, a vítima não estava mais lá. Eles a encontraram em um estabelecimento comercial nas proximidades e a levaram a um hospital para que fosse atendida. Ela sobreviveu ao tiro no ventre, mas o feto não teve a mesma sorte. Quando a polícia recebeu o mandado de prisão contra a agressora, Reid esclareceu que “a participação e a culpa da mãe seriam apresentadas perante um grande júri”. “Quando uma mulher grávida de cinco meses começa uma briga e ataca outra pessoa, acho que ela tem alguma responsabilidade por qualquer lesão ao feto”, disse o tenente depois do acontecimento.

O grande júri do condado de Jefferson se recusou a acusar a agressora depois de a investigação policial ter determinado que Jones começou a briga e que Jemison lhe deu um tiro em defesa própria. De acordo com relatórios aos que o AL.com teve acesso, Jones foi presa na quinta-feira com fiança de 50.000 dólares (cerca de 191.000 reais). A decisão foi severamente criticada por organizações a favor do aborto, que vêm testemunhando há meses como os direitos das mulheres estão sendo ameaçados no conservador Estado do sul. Ilyse Hogue, presidenta da NARAL, uma organização política dedicada à defesa dos direitos reprodutivos, se mostrou incrédula. “Dizem que porque ‘ela começou’, a atiradora ficou em liberdade. Assim é o ano de 2019 para uma mulher grávida de cor sem recursos em um Estado vermelho [cor do Partido Republicano]. Isso está acontecendo agora”, postou em sua conta no Twitter.

Continue lendo aqui 

+ sobre o tema

Exploração sexual de crianças e adolescentes só tem 20% dos casos denunciados

Denúncias de exploração sexual de crianças e adolescentes representam...

Terceirização tem ‘cara’: é preta e feminina

O trabalho precário afeta de modo desproporcional a população...

Internet impulsionou surgimento de um novo feminismo

Redes sociais ajudaram a divulgar campanhas que chegaram às...

Arquitetura dos direitos reprodutivos e ameaças ao aborto legal e seguro

Iniciamos esta reflexão homenageando a menina de 10 anos,...

para lembrar

Por que parar na questão de gênero? Vamos trocar a Constituição pela bíblia

Por conta da pressão da Frente Parlamentar Evangélica junto...

Governo sueco ‘responde’ a Trump com uma foto de mulheres do gabinete

Vice-primeira-ministra assina uma proposta ambiental rodeada por sete colaboradoras...

Homens que cuidam

João está deprimido. Fez uma consulta com um psiquiatra...
spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=