Grupos reagem à absolvição de PMs envolvidos na morte de 12 pessoas no Cabula

Enquanto as entidades repudiam a sentença, os advogados de defesa comemoram a decisão judicial e classificam os policiais como heróis

Por Priscila Natividade, do Correio 24 Horas 

Entidades ligadas aos direitos humanos reagiram à decisão da juíza Marivalda Almeida Moutinho, que absolveu nove policiais militares envolvidos em uma operação, realizada em 6 de fevereiro, que deixou 12 mortos na Vila Moisés, no Cabula. Assim como o Ministério Público Estadual (MPE), representantes de grupos criticaram, especialmente, a rapidez com a qual a decisão foi tomada.Os PMs foram denunciados à Justiça pelo MPE por homicídio qualificado (indícios de execução) e tentativa de homicídio contra outras seis pessoas. O diretor executivo da Anistia Internacional, Átila Roque, classificou a decisão como parcial.

“Indignação com a recorrente parcialidade da justiça no Brasil, onde as vítimas de homicídios cometidos pela polícia são sempre tratadas antes de qualquer investigação e a absolvição dos policiais é sempre rápida. Cabula é a cara do Brasil”, escreveu, ontem, em uma rede social.Também pelas redes sociais, o presidente da ONG Reaja ou Será Morto(a), Hamilton Borges, compartilhou a mesma indignação e afirmou que continuará acompanhando o caso. “Não vamos parar. Vamos seguir lutando”, declarou.Já o vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil na Bahia (OAB), Eduardo Rodrigues, disse que vai aguardar a publicação da sentença e espera que o MP recorra da decisão favorável aos PMs, que alegaram legítima defesa. “A OAB aguarda que a sentença seja publicada para termos uma ideia real disso”, resumiu.Enquanto as entidades repudiavam a sentença, os advogados de defesa que representam os acusados e também advogam em outros processos envolvendo policiais – como o Caso Geovane, denunciado pelo CORREIO – comemoraram a decisão judicial e ainda classificaram os policiais como heróis.“Desde o início, quando conversamos com nossos clientes, tínhamos certeza da inocência deles. Quem tem que comemorar a decisão da juíza é a sociedade baiana, porque os policiais que estavam lá no Cabula arriscaram suas vidas no exercício da sua profissão”, afirmou o advogado Dinoemerson Nascimento.

Ainda segundo ele, a “decisão mostra que o Judiciário baiano está sensível à atividade do policial militar”. Para o advogado Mateus Medeiros, a sentença não foi rápida, já que o prazo dado pela Justiça para o parecer do caso era de 81 dias e a magistrada levou mais de 60 para concluí-lo. “É uma juíza séria e imparcial. Inclusive, já condenou outros clientes meus”, salientou Medeiros.

O MP tem cinco dias para tentar recorrer da decisão, que ainda deve ser encaminhada e analisada para o Tribunal de Justiça, que pode convalidar ou não a sentença da juíza.

+ sobre o tema

‘Macaquitos de Brasil’: Libertadores abriga racismo desde primeiras edições

Diante do Palmeiras, o Boca Juniors define hoje (5) uma vaga...

Médico que acorrentou trabalhador negro é indiciado por racismo

O médico Márcio Antônio Souza Júnior, conhecido como Dr....

TJ considera Lei das Cotas constitucional

Fonte: Extra -     O Órgão Especial...

para lembrar

Mulher é presa após ato racista em supermercado na Zona Sul do Rio

Uma mulher de 58 anos foi presa na noite...

Turistas podem ser escravocratas por um dia em fazenda “sem racismo”

PAISAGEM BUCÓLICA, campos verdejantes, clima agradável. A combinação seria...

Por que nenhum ator negro brasileiro jamais fará boicote à Globo. Por Marcos Sacramento

Desde a estreia da primeira telenovela da TV Globo,...

Vidas negras ainda não importam

Na sua essência mais absoluta, o racismo é o...
spot_imgspot_img

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...
-+=