Além da morte física a jurídica diz Hamilton Borges

Enviado por / FontePor João Eça, do  A Tarde

A decisão da Justiça de absolver os nove policiais militares que participaram de uma operação com saldo de 12 mortes, no bairro Cabula, causou a indignação de Hamilton Borges, fundador da Campanha ‘Reaja ou será morta, reaja ou será morto!’, que luta por direitos humanos e contra o racismo.

“As famílias estão sofrendo mais uma morte dos entes queridos. Além da morte física,  agora é a morte jurídica. Como se as vidas dessas pessoas não valessem nada”, afirma.

Para Hamilton Borges, a decisão judicial não respeitou as fases legais do processo. O promotor do caso, Davi Gallo, informou que vai recorrer da decisão da Justiça.

O advogado Dinoermeson Tiago Nascimento, que defende os nove policiais militares, afirmou que teve acesso à decisão de 15 páginas da juíza Marivalda Almeida Moutinho, pois representa uma das partes. Conforme Dinoermeson, a magistrada aceitou a tese de que houve legítima defesa dos policiais, embasada nas provas periciais. “Quem saiu ganhando foi a sociedade. A decisão mostra que o judiciário está sensível com a situação dos policiais”, diz o advogado.

Não ouviu envolvidos

De acordo com Dinoermeson Tiago, a juíza não achou necessário ouvir testemunhas e outros envolvidos no caso porque todos já haviam prestado depoimento durante o inquérito da Polícia Civil, com o acompanhamento do Ministério Público. “No inquérito, mais de 80 testemunhas foram ouvidas”.

A juíza Marivalda Almeida substitui o magistrado responsável pelo processo do caso, Vilebaldo José de Freitas Pereira, da 2ª Vara do Júri, que está de férias. Vilebaldo Freitas havia aceitado denúncia do Ministério Público contra os policiais por homicídio qualificado.

Polícia não comenta a decisão

Segundo a assessoria de comunicação do Tribunal de Justiça, a magistrada disse que se baseou nas provas que existiam nos autos para absolver os acusados.

A Secretaria de Comunicação (Secom) do governo da Bahia informa que mantém a mesma posição passada em coletiva de imprensa, no dia 3 de julho. Na ocasião,  o secretário de Segurança Pública, Maurício Barbosa, afirmou que os policiais agiram em legítima defesa.

As assessorias de comunicação da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) e da Polícia Civil informaram que não comentam decisão judicial.

+ sobre o tema

Como a mídia trata a questão do racismo

Fonte: Radio CBN - Como a mídia trata a questão...

Unesp debate racismo contra alunos africanos em Araraquara, SP

Em abril, grupo de estudantes foi hostilizado com...

Aldo Rebelo e Luiza Bairros discutem igualdade racial em megaeventos esportivos

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, recebeu na...

Nonno Paolo: Francisco Ferreira vai responder pelo crime de racismo

Menino negro etíope de 6 anos foi expulso de...

para lembrar

Marcos morreu

Meu sonho era escrever um diário de como o...

Renato Freitas Júnior, advogado negro, é preso pela GM e denuncia injúria racial

Advogados que acompanham o caso identificam crimes de injúria...
spot_imgspot_img

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...

Não há extrema direita moderada

O que faz de nós brasileiros é a implacável capacidade de banalizar barbaridades. O esporte nacional neste país é justificar com voz mansa e...

Ronilso Pacheco: Ninguém está seguro no Rio de Janeiro se é negro

A fala do governador Cláudio Castro (PL) em defesa de policiais que apontaram uma arma para três jovens filhos de diplomatas em Ipanema, região...
-+=