Guiné-Bissau quer força de Estabilização

Em Bruxelas, o chefe do executivo guineense, Carlos Gomes Júnior, confirmava que o presidente da Guiné-Bissau já solicitou o envio de uma força de estabilização à comunidade internacional.

Em declarações aos jornalistas, à saída de uma audiência com o presidente da Comissão Europeia (CE), José Manuel Durão Barroso, o primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior explicou que a presença desta força em solo guineense visa criar condições adequadas para a construção de forças republicanas na GuinéBissau.

O pedido de intervenção de uma força internacional tem gerado alguma polémica no seio das forças armadas que apesar de não se oporem abertamente afirmam dar o seu aval se a decisão for aprovada pelo Parlamento e demais órgãos do Estado.

Comissão Europeia defende força de estabilização na Guiné-Bissau

Por seu lado, o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, defendeu a presença de uma força de estabilização na Guiné-Bissau.

Na opinião do responsável da União Europeia, essa força, que considerou importante para o restabelecimento da confiança internacional na Guiné-Bissau, deve ser formada por parceiros africanos.

Moçambique disponível para acções de paz

A República de Moçambique manifestou-se disponível para participar em qualquer missão, incluindo numa força de estabilização na Guiné-Bissau, na recente reunião da Assembleia Geral das Nações Unidas.

O ministro moçambicano dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, afirmou no discurso proferido no passado dia 27 em Nova Iorque, que o seu governo irá responder afirmativamente a qualquer pedido nesse sentido.

Moçambique está aberto e disponível, segundo Oldemiro Balói, para participar em qualquer missão que possa contribuir para os esforços de paz na Guiné-Bissau.

Para levarem a cabo a reforma das forças armadas guineenses, uma exigência dos parceiros internacionais para continuarem a dar apoio à Guiné-Bissau, os governantes guineenses necessitam de apoio de uma força internacional que garanta a segurança.

A fragilidade do poder político guineenses relativamente ao militar é evidente e continua a prejudicar e a adiar o desenvolvimento do país.

Relativamente à situação do seu país, o ministro moçambicano referiu o impacto da crise financeira internacional no crescimento económico de Moçambique, no discurso proferido segunda-feira na sede das Nações Unidas.

Balói apelou ainda a mais ajuda para os países pobres afectados pelas alterações climáticas depois de sublinhar que o governo moçambicano continua a dar prioridade à luta contra a pobreza.

Fonte: O Pais

+ sobre o tema

“Papáveis” africanos disputam para suceder Bento XVI

Bento XVI apresentará sua renúncia oficial ao Pontificado...

Descolonização continua a ter «sentido negativo» para muitos portugueses

Quase quatro décadas depois, a palavra descolonização continua...

Europa caminha para o estado de mal-estar social

Tese é do sociólogo Boaventura Sousa Santos; ele...

Conflitos africanos são alimentados pelo Ocidente

O presidente do Zimbabwe, Robert Mugabe, acusou os...

para lembrar

Festival da Mulher Afro Latino Americana e Caribenha 2010

LATINIDADES - FESTIVAL DA MULHER AFRO LATINO AMERICANA E...

Kinpa vita: Cimarrona Angola

Por Jesùs Chucho Garcia. Con su fuerza espiritual,...

Vencedora de Prêmio Casa a favor de políticas contra o racismo

A cubana Zuleica Romay, Prêmio Extraordinário de Estudos sobre...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=