Início África e sua diáspora Entretenimento Heitor Augusto é o primeiro brasileiro a integrar a curadoria do “Blackstar...

Heitor Augusto é o primeiro brasileiro a integrar a curadoria do “Blackstar Film Festival)

Com 15 de anos de experiência em festivais nacionais e internacionais, profissional brasileiro contribuiu na seleção de curtas-metragens do arrojado evento dos Estados Unidos

0
420
Heitor Augusto (Foto: PC Pereira)

Curador e pesquisador de cinema, Heitor Augusto é o primeiro profissional brasileiro a integrar a curadoria do BlackStar Film Festival, que acontece entre os dias 03 a 07 de agosto deste ano em formato híbrido. O evento cinematográfico da Filadélfia, nos Estados Unidos, celebra anualmente narrativas da diáspora africana e comunidades globais não-brancas, por meio de filmes, painéis, debates e festas.  

Para a edição deste ano, Augusto empresta sua experiência em curadoria, pesquisa, crítica e formação para compor o grupo de programadores de curtas-metragens desta 11ª edição do BlackStar Film Festival, que também conta com profissionais dos Estados Unidos, México, Egito, Canadá entre outros para a seleção de títulos espalhado por cerca de 10 programas. 

Entre os destaques brasileiros do formato na programação encontram-se “Meus santos saúdam teus santos”, de Rodrigo Antônio, e “Manhã de domingo”, de Bruno Ribeiro. Já “Sub Eleven Seconds”, de Bafici, “Losing joy”, de Juliana Kasumu, e “Still Waters”, de Aurora Brachman, estão entre as principais atrações internacionais. 

“Contribuir com a construção da curadoria do BlackStar foi uma experiência genuína de partilha e um real intercâmbio de experiências. O trânsito de perspectivas me alegra: um profissional do Sul Global trabalhando para um evento do Norte Global que, por sua vez, está comprometido com narrativas racializadas de todo o mundo. Encerrado o processo de seleção, agora estou animado para conversar com o público da Filadélfia sobre os filmes”, declara Augusto.

Com 15 anos de carreira no cinema, ele integrou o júri de diversos festivais e prêmios, entre os quais se destacam o Teddy Award da 70ª Berlinale (2020), e fez parte do Advisory Board (Conselho Consultivo) do William Greaves Fund – Firelight Media (2021). Augusto foi ainda curador do A Two-Way Conversation: Bridging Black Brazilian and Black American Experimental Films (Highball.TV, 2022) e colaborou com ensaios para catálogos de diversas mostras e revistas acadêmicas internacionais, como a Journal of Cinema and Media Studies, coordenada pela Society for Cinema and Media Studies, nos Estados Unidos. É também membro do Programmers of Colour Collective (POC2), rede internacional de curadores não-brancos que atuam no cinema.

No Brasil, Augusto fez parte do júri da 20ª Mostra de Cinema de Tiradentes (2017), além de ter integrado a comissão de seleção do Festival de Brasília em 2017 e 2018, e da mostra Cinema Brasileiro Anos 2010: Dez olhares em 2021.  

Além disso, assinou a curadoria de Cinema Negro: Capítulos de uma História Fragmentada (FestCurtasBH, 2018), a mais ampla retrospectiva a investigar a presença negra por detrás das câmeras no país. 

Augusto é ainda programador-chefe e cofundador do NICHO 54, instituto que atua no fomento à presença negra no audiovisual brasileiro desde 2019. Além de contribuir no delineamento da atuação da organização, ele é também o curador da mostra de filmes do NICHO Novembro, festival anual do instituto.

Também pelo NICHO 54, assinou duas mostras especiais em 2021: “América Negra: Conversas entre as negritudes latino-americanas”, que promoveu um mochilão curatorial por 35 filmes de 10 países da América Latina, e “Insurreição!”, que prestou tributo às biografias de resistências negras ao longo da história por meio de 13 longas e curtas-metragens nacionais e internacionais.  

As principais vertentes que informam a prática curatorial, crítica e de pesquisa de Augusto são: interlocução entre as diásporas negras a partir da experiência brasileira; formas complexas de espectatorialidade racializada; questionamento do binarismo positivo-negativo na apreciação de obras pretas; criação de comunidade; redesenho da história do cinema; e reconstrução do imaginário ao redor das vidas negras.  

Mais sobre o BlackStar Film Festival

Produzida pela BlackStar Projects, a  11ª edição do BlackStar Film Festival apresenta 76 filmes, incluindo 16 estreias mundiais, que representam 27 países. Entre os destaques da programação deste ano encontra-se o longa-metragem brasileiro “Marte Um”, de Gabriel Martins, que teve premiére mundial em Sundance. O filme acompanha uma família brasileira que lida com um futuro incerto após um líder conservador de extrema direita chegar ao poder. 

Além do aclamado festival de cinema, a BlackStar apresenta uma série de programas da sétima arte e cultura visual durante todo o ano, incluindo a publicação semestral Seen – para a qual Augusto escreveu dois ensaios -, o podcast Many Lumens, o William and Louise Greaves Filmmaker Seminar e o Philadelphia Filmmaker Lab

De acordo com Augusto, “o BlackStar consegue tanto criar uma atmosfera de comunidade e pertencimento para as pessoas não-brancas como propor, por meio da seleção de filmes, um olhar agudo para a inventividade formal. É um orgulho ser um profissional preto contribuindo para um festival tão vívido, fundado por pessoas negras e realizado por pessoas negras e racializadas”.

Para saber mais sobre o BlackStar Film Festival 2022, consulte a página oficial do evento: https://www.blackstarfest.org/ 

Serviço

O quê: Heitor Augusto integra a curadoria do BlackStar Film Festival, nos Estados Unidos

Quando: De 03 a 07 de agosto de 2022

Site oficial do evento: https://www.blackstarfest.org/

SEM COMENTÁRIOS

PortugueseEnglishSpanishGermanFrench