Hoje na História, 1972: É absolvida militante negra Angela Davis

Enviado por / FonteDo Diário Liberdade

Angela Yvonne Davis, militante negra, antiga professora de filosofia na Universidade da Califórnia e auto-proclamada comunista é absolvida em 4 de junho de 1972 das acusações de conspiração, assassinato e sequestro por um júri de San Jose, Califórnia, constituído somente por jurados brancos.

Davis, nascida em Birmingham, no dia 26 de janeiro de 1944, alcançou notoriedade mundial nos anos 1970 como integrante do Partido Comunista dos Estados Unidos, dos Panteras Negras, por sua militância pelos direitos das mulheres e contra a discriminação social e racial nos EUA e por ser personagem de um dos mais polêmicos e famosos julgamentos criminais da recente história norte-americana.

Em outubro de 1970, Davis foi presa em Nova York pela acusação de envolvimento em um tiroteio em 7 de agosto numa sala do tribunal de San Raphael, Califórnia. Ela foi acusada de ter fornecido armas a Jonathan Jackson, homem que invadiu a sala do tribunal e tentou libertar réus que estavam sendo julgados para transformá-los em reféns, na esperança de poder trocá-los por seu irmão George, um militante radical negro preso na prisão de San Quentin.

No tiroteio que se seguiu, já com a participação da polícia, Jackson foi morto, assim como o juiz da Corte Superior Harold Haley e mais dois réus.

Davis, líder da causa dos prisioneiros negros e amiga de George Jackson, foi indiciada pelo crime, mas permaneceu escondida. Uma das supostas criminosas mais procuradas pelo FBI foi capturada somente dois meses mais tarde.

O julgamento começou em março de 1972 e atraiu atenção internacional em virtude da debilidade das acusações contra Davis e pela evidente natureza política do processo. Em junho de 1972, ela foi absolvida de todas as acusações.

Depois de prestar contas com a justiça, Davis retornou à cátedra e a seus escritos. Em 1980, foi candidata a vice-presidente pelo Partido Comunista. Em 1991, tornou-se professora na disciplina de História da Consciência na Universidade da Califórnia, em Santa Cruz.

Quatro anos depois, foi eleita reitora da universidade em meio à controvérsias, já que seus adversários a acusavam de ser comunista e de ter um passado de militância nos movimentos negros.

Entre os livros publicados encontram-se Angela Davis: An Autobiography e Women, Race, and Class (Mulher, Raça e Classe). Embora não seja mais membro do Partido Comunista, Davis segue sendo uma ativista política de esquerda, manifestando-se, particularmente, em palestras e debates contra a pena de morte.

Foto em destaque: Reprodução/ Wikipédia 

+ sobre o tema

Colonialismo e racismo: a invenção do selvagem no Ocidente

Da esquerda para a direita bustos de um ingles...

Denzel Washington vai dirigir e atuar em adaptação da Broadway estrelada por Viola Davis

Roteirista duas vezes indicado ao Oscar, Tony Kushner (Munique, Lincoln)...

Milton Nascimento confirma datas e locais da turnê do Clube da Esquina

Primeira apresentação será em Juiz de Fora (MG) e...

Programa Nação traz cinema negro e Joel Zito

Por Douglas Belchior Na próxima sexta feira teremos mais um Programa Nação,...

para lembrar

Criada no bairro, Juliana Alves se diz em casa como rainha da Tijuca

Juliana Alves volta à Unidos da Tijuca após dez...

Mandela é internado para exames de rotina

O ex-presidente da África do Sul e Prêmio Nobel...

Músicas de Michael Jackson são banidas de diversas rádios ao redor do mundo

Essa movimentação começou após a estreia do documentário Leaving...
spot_imgspot_img

Spcine marca presença no Festival de Cinema de Cannes 2024 com ações especiais

A Spcine participa Marché du Film, evento de mercado do Festival de Cinema de Cannes  2024 e um dos mais renomados e influentes da...

Mostra Competitiva Adélia Sampaio recebe inscrições de filmes de mulheres negras até 16 de junho

A 6ª edição da Mostra Competitiva de Cinema Negro Adélia Sampaio está com inscrições abertas para filmes dirigidos por mulheres negras de todo o...

14 de maio e a Revolta dos Malês

Quem passa pelo Campo da Pólvora, em Salvador, nem imagina que aquela praça, onde ironicamente hoje se encontra o Fórum Ruy Barbosa, foi palco...
-+=