Política e Prisões: uma entrevista com Angela Davis

A ENTREVISTA COMO MÉTODO: DIÁLOGO COM ANGELA DAVIS

Nos últimos anos, Eduardo Mendieta tem desenvolvido interessante projeto, que agora pode ser percebido com maior claridade. Trata-se de uma proposta de resgatar a dignidade filosófica do diálogo por meio de entrevistas com importantes intelectuais. Esse método, que a muitos pode parecer trivial ou superficial, proporciona um contato mais intimista com o interlocutor que, por sua vez, revela-nos detalhes autobiográficos ou nuances que publicações teóricas apagam por meio de parcimoniosas revisões editoriais.

Após realizar e coletar entrevistas por vários anos com Jürgen Habermas, Richard Rorty, Enrique Dussel, Angela Davis, Cornell West e outros expoentes do pensamento crítico, Mendieta tem lançado várias publicações nas quais essas entrevistas vêm a público.

A revista Impulso tem sido um espaço privilegiado para a publicação de tais trabalhos, registrados em suas páginas antes mesmo de aparecerem em importantes publicações nos Estados Unidos, Alemanha, Espanha e outros países

Na presente conversa com Angela Davis surgem dados sobre sua militância na busca da libertação de presos políticos e em seu envolvimento nos movimentos pelas liberdades civis dos negros nos Estados Unidos. A entrevista também revela que Davis estudou filosofia com Herbert Marcuse, Theodor Adorno e Jürgen Habermas em Frankfurt e que se preocupa atualmente com o sistema prisional nos Estados Unidos, o qual, em sua opinião, é uma perpetuação do sistema escravagista e deve ser abolido. Além disso, ela estabelece um diálogo com importantes nomes na história do movimento e cultura negra nos Estados Unidos durante o século XX, como W.E.B. DuBois, George Jackson, Markus Garvey, Zora Neale Hurston, Martin Luther King, Malcom X, Alice Walker e Toni Morrison.

Nos limites dessa breve introdução não podemos apresentar todos esses personagens ou indicar o importante papel deles mais além da história estadunidense. Mas é possível pelo menos afirmar que essa entrevista é leitura fundamental para quem quer conhecer Angela Davis, ter uma visão crítica da situação atual nos Estados Unidos, entender as relações raciais naquele país e considerar o possível impacto dessas experiências em países como o Brasil.

AMÓS NASCIMENTO

 

+ sobre o tema

Aos 95 anos, o líder negro Abdias Nascimento tem trajetória contada em biografia

“Eu sempre fui um negro desaforado”, admite o intelectual,...

Bumba-meu-boi do Maranhão: Conselho Consultivo avalia registro como patrimônio cultural

Festa tradicional reúne várias manifestações culturais e se transforma...

para lembrar

Naomi Campbell: “A Primeira-Dama da Moda”

Que somos fã da top model não é nenhuma novidade, mas...

Semana de 22: clubes negros mostraram um Brasil além de A Negra, de Tarsila

O mês de fevereiro de 1922 foi bastante agitado...

O protagonista invisível

possibilidade de atualização. Com isso, o autor reforça também...

Alcione e Naomi Campbell estão juntas (e DESLUMBRANTES) na edição de 41 anos da Vogue Brasil

Pois bem, agora vamos à explicação: Nesta segunda-feira, 25, a...
spot_imgspot_img

Ícone da percussão, Naná Vasconcelos ganha mostra no Itaú Cultural

O Itaú Cultural, localizado na avenida Paulista, em São Paulo, abre nesta quarta-feira (17) a Ocupação Naná Vasconcelos, em homenagem ao músico pernambucano falecido em 2016. A mostra é...

Oito em cada dez quilombolas vivem com saneamento básico precário

De cada dez quilombolas no país, praticamente oito vivem em lares com saneamento básico precário ou ausente. São 1,048 milhão de pessoas que moram...

O atleta negro brasileiro que enfrentou o nazismo nas Olimpíadas de 1936

A poucos dias da abertura dos Jogos Olímpicos de Paris, em uma Europa cada vez mais temerosa com a agenda política de forças alinhadas...
-+=