Homem é perseguido por seguranças e acusa supermercado do Rio de racismo

Um cliente de uma rede de supermercados do Rio de Janeiro publicou uma série de vídeos nas redes sociais em que denuncia um caso de racismo cometido pelos seguranças do estabelecimento contra ele.  Na filmagem, Leandro Leal conta que entrou na loja da rede Prezunic e começou a ser perseguido por um dos funcionários.

por Rafael D’Oliveira no BHAZ

“Fui no supermercado para comprar algumas coisas e percebi que estava sendo perseguido por um segurança branco. Para não ter dúvidas, eu comecei a circular pelos corredores e tive a certeza que o problema era comigo. Eu driblei ele em alguns momentos, parei em alguns lugares e, inclusive, tirei fotos de sua ação. Ao todo, ele ficou 24 minutos me seguindo, passando por mim, me olhando e conversando pelo rádio”, conta Leandro.

Ainda de acordo com o consumidor, em um dos momentos ele questionou o segurança sobre a atitude e acionou o chefe do setor. “Perguntei o motivo por eu ser perseguido e ele disse que estava fazendo o trabalho dele. Foi quando eu chamei o gerente da segurança, que se identificou como Luiz. Para meu espanto, eu descobri que o posto do segurança que me perseguia era na porta do estabelecimento. Então ele, realmente, ficou andando atrás de mim”, conta.

Leandro diz ainda que a discussão piorou quando o chefe da segurança chegou ao local. “Para minha ingrata surpresa o Luiz era negro, assim como eu. Eu expliquei o que estava sentindo e disse ao Luiz que, provavelmente, ele já havia passado pelo mesmo que eu, pois são coisas que acontecem todos os dias. Foi quando ele me disse que o fato era uma prática comum com negros, pobres e pessoas mal vestidas”, descreve Leandro.

O consumidor conta que gravou o vídeo para alertar as pessoas que frequentam o supermercado. “Por acaso, eu estou mal vestido, sou pobre e negro. E pessoas assim, lá, se tornam diretamente suspeitos. Para eles, isso abre uma prerrogativa para ser perseguido pelo segurança branco do Prezunic. Portanto, eles precisam refletir sobre o que aconteceu e entender que não deve ocorrer mais”, afirma Leandro.


clique na imagem para ver o video

O BHAZ entrou em contato com a rede de supermercado que, em nota, lamentou o ocorrido. “A rede Prezunic lamenta que o cliente tenha se sentido assim e registra o episódio como uma oportunidade de reforçar com todos os colaboradores que as relações com os clientes são e devem continuar sendo baseadas no respeito, na dignidade e na igualdade, não sendo toleradas discriminações de nenhum tipo”, afirma a Prezunic.

Além disso, a rede disse que irá tomar as medidas cabíveis quanto aos funcionários envolvidos no episódio. “A empresa possui uma política de Diversidade e Inclusão e treinamentos constantes sobre este tema. A rede reforça que trabalha para que todos os colaboradores sejam respeitados em sua individualidade e para que isso se reflita no trato com os clientes. Todas as medidas cabíveis serão tomadas para esclarecer o ocorrido e evitar que este tipo de situação possa ocorrer em nossas lojas”, diz a empresa.

+ sobre o tema

Nath Finanças entra para lista dos 100 afrodescendentes mais influentes do mundo

A empresária e influencer Nathalia Rodrigues de Oliveira, a...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do...

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga...

Concurso unificado: saiba o que o candidato pode e não pode levar

A 20 dias da realização do Concurso Público Nacional...

para lembrar

Ator é vítima de racismo durante espetáculo:’Isso não pode ficar impune’

Uma espectadora interrompeu a peça e deu uma banana No...

Grupo antirracismo critica apoio do Liverpool a Suárez

Um grupo que realiza campanhas contra o racismo no...

Minas registra um novo caso de racismo a cada 22 horas e 16 minutos

Expressivo, número de crimes raciais levados aos tribunais está...

Austrália propõe mudar lei, mas aborígenes querem mudança real

Por: Liz Lacerda Alison Golding tinha 10 anos...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=