Homens, vocês não são donos de mulheres e filhos

Um marido desempregado entrou em desespero e matou sua mulher e seus filhos na Barra da Tijuca, RJ. Outro pai matou os filhos de 3 e 4 anos e deixou uma carta alegando que o “componente infidelidade” foi a motivação do crime. Um ex-marido matou a filha de 7 anos e feriu a ex-mulher porque, segundo familiares, não aceitou o fim do relacionamento. Outro é suspeito de matar filha de 5 anos na Tijuca e a notícia diz que ele teria tido um surto por estar desempregado.

Por Dany Santos, do HuffPost Brasil

Todas essas notícias têm algo em comum: esses homens decidiram quem viveria, quem morreria e quem sofreria ou não por conta das mortes. Os três agiram como se fossem deuses soberanos que decidem sobre a vida alheia, sobretudo de suas mulheres e filhos. Homens sufocam, jogam do prédio, esfaqueiam e atiram em seus filhos e suas mulheres porque sentem-se donos deles. Mães e filhos são tratados como meros objetos comprados e mantidos financeiramente por eles e acham que podem, a qualquer momento, descartar as pecinhas do seu jogo.

Analisando as notícias, o homem é posto num local seguro que o torna vítima: “desempregado entra em desespero” e “ele teve um surto” são exemplos categóricos da naturalização de crimes contra mulheres e seus filhos. Homens que cometem crimes para punir mulheres são descriminalizados pela sociedade por conta do seu “desespero”, da sua “loucura” e das suas “paixões”. Por outro lado, a mulher – vítima – aparece no papel de vilã: “infiel”, “rompeu o relacionamento”, “brigava com ele”.

Homens que cometem essas barbaridades não são dignos, bons pais de família, deprimidos ou preocupados com o futuro da família. Eles são apenas assassinos misóginos, objetificadores e machistas cuja dignidade é tão frágil quanto a vida. É importante entender que romantizar esses crimes é validar o machismo legitimar a violência contra mulheres.

É preciso criar meninos que se tornem homens que saibam que esposas e filhos não são seus objetos, que eles não são donos dos seus corpos e de sua vida. É urgente que eles saibam, desde cedo, que podem expressar seus sentimentos de outras formas, que é permitido chorar, que pedir ajuda é essencial e que precisam aprender a lidar com os “nãos” da vida.

Precisamos criar meninos que saibam perder e errar sem precisar agir com brutalidade. Precisamos desconstruir essa criação de meninos que se baseia em banalizar o bater, o lutar, as agressões. Brutalidade não é “coisa de menino”. É coisa de agressor. Que aprendam os meninos de hoje para que não se tornem os futuros agressores e assassinos.

+ sobre o tema

Sessão que discutiu violência contra as mulheres negras, foi extremamente proveitosa

Através do requerimento apresentado pela vereadora professora Carmelita, a...

Desigualdade de gênero e raça

Duas das mais comuns e injustas desigualdades estão relacionadas...

Michelle Bachelet chefiará a ONU-Mulheres, nova entidade das Nações Unidas (Unifem)

(Unifem) O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, nomeou a...

para lembrar

Por que a autora feminista Chimamanda Ngozi Adichie está sendo chamada de transfóbica

Chimamanda Ngozi Adichie foi alvo de comentários nas redes...

ONU pede proteção para as mulheres durante confinamento por coronavírus

'A violência não se limita ao campo de batalha',...

Saidiya Hartman: “A história da escravidão moldou a vida de todos nós”

O pensamento de Saidiya Hartman extrapola o mundo acadêmico....

Ela é negra do Brasil

Nilma Lino Gomes assume a Unilab como a primeira...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=