II Seminário Da Mulher-Afro-Latino-Americana e Caribenha

Dia 25 de julho é o Dia da Mulher-Afro-Latino-Americana e Caribenha. Para esta data tão especial, e que precisa ser visibilizada internacionalmente, a CONE, em parceria com as outras Secretarias; Elas por Elas, Vozes e Ações das Mulheres, dentre outras associações organizará, em São Paulo, quatro dias de atividades culturais e debates indispensáveis. De 22 a 25 de julho debates, palestras seguidos de shows, com entrada gratuita, farão parte da programação que acontece aliada à organização do II Seminário da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha, o qual será um espaço de reflexão e oportunidade de consolidar propostas de ação para ampliar a cidadania das mulheres negras em nosso continente.

   O dia 25 de julho, data política importante para promover as lutas das mulheres negras, afro-latinoamericanas e caribenhas, legitima nossa caminhada na direção de impulsionar as transformações nas relações de gênero e raça e valorizar a formulação de políticas públicas integrando a problemática de gênero e raça com vistas a construir novos diálogos.

No que diz respeito aos direitos das mulheres há ainda muito para conquistar a igualdade. E se em pleno século XXI, a mulher ainda é vista com discriminação, sobretudo o olhar sobre a mulher negra, duas vezes mais discriminada precisa ser repensado para alterar as práticas sociais e a ação dos governos. É nesse sentido que organizamos esse evento.
Confira a programação e participe pela consolidação do dia 25 de julho na capital, igualdade é assunto para todas e todos, negras e não negras. Portanto, sejam bem vindos ao segundo II Seminário da MULHER AFRO-LATINO-AMERICANA E CARIBENHA .

SMPP/            Coordenadoria dos Assuntos da População Negra – CONE

PROGRAMAÇÃO


II SEMINÁRIO DA MULHER AFRO-LATINOAMERICANA e CARIBENHA
Dia 22/07/11

Local: auditório da Secretaria Estadual de Justiça – Páteo do Colégio – São Paulo

16h30 : Abertura: Dra Alda Marco Antonio, Vice Prefeita de São Paulo; Dr Uebe Rezek, Secretário Municipal de Participação e Parceria; Deputada Estadual Leci Brandão e Deputada Federal Luiza Erundina; representante da Secretaria de Políticas para a Igualdade Racial – SEPPIR.
Coordenação da mesa: M. Laia – Coordenadora da CONE

17h30 – Conferência:- Ressignificação da identidade etnorracial das afrodescendentes a partir da Diáspora – A Mulher Afro-Latino Americana e Caribenha: Quais prioridades no século XXI?

Sra Vicenta Camusso – Representante da Red de Mujeres Afro-latinoamericanas, caribenhas e da Diáspora.

18h30- O trabalho doméstico na América Latina e o trabalho das mulheres negras: Desafios para um trabalho decente.

Regina Teodoro, Diretora da Contrasc, membro da delegação brasileira à Convenção da OIT sobre Trabalho Doméstico e Patrícia Costa, economista do Dieese, organizadora do Anuário da Mulher Trabalhadora.

20h- O tráfico de mulheres na América Latinaimpacto sobre as mulheres negras e os direitos humanos das mulheres. Dra Claudia Luna, Elas por Elas. Vozes e Ações das Mulheres) e Roseli de Oliveira, profa Dra Fac. Zumbi dos Palmares

20h40- debates

23/7/11

Local: auditório da Secretaria Justiça
9 h – Café

9h30- mesa : Desafios para a ampliação da cidadania das mulheres negras da América Latina e Caribe: Palestrantes: Sra Vicenta Camusso – Representante da Red de Mujeres Afrolatinoamericanas e caribenhas e da Diáspora e Dra Sueli Carneiro – Instituto da Mulher Negra – Geledés

11h45 – Mulheres Negras na Mídia

Dras Rosângela Malachias – NEINB/USP; Nilza Iraci – Presidente do Instituto da Mulher Negra – Geledés; Dra Rosane Borges da Silva – Universidade Estadual de Londrina.

12h45 – debates

13h20 – Almoço

14h A atualização da Agenda de Políticas para Mulheres Negras e canais de participação junto aos governos: Diálogos entre o Movimento de Mulheres Negras e Coordenadorias de Políticas para a População Negra: Maria Aparecida de Laia, CONE e   Maria Isabel Assis, Coord. de Guarulhos; Movimento de Mulheres Negras: Jurema Verneck da ONG Criola e do Conselho Nacional de Saúde; Maria Aparecida Bento (CEERT).

15h20 – debates

16h – Apresentação de Case de sucesso: Adriana BarbosaAfro-Negócios Feira Preta; Eliana FranciscoResponsabilidade Social da FERSOL e Márcia Ferreira – gerente de Incubação da Incubadora Afrobrasileira.

17h – debate

16h30 – Oficina o que querem as Jovens Negras?   Chindalena Barbosa – Associação Frida Khalo; Lia Lopes Almeida – Coletivo Jovens Feministas de São Paulo.

17h30 – Lançamento do livro de poemas “Não vou mais lavar os pratos, de Cristiane Sobral, pela editora Athalaia,de Brasília, com performance poética da autora.

Dia 24/07 – domingo

Local: Atividades Culturais.

Horário: a partir das 14h30

Segunda Feira: Dia da Mulher Negra Afrolatinoamericana e Caribenha

Dia 25/07 – Premiação de Mulheres que se destacaram em favor da cidadania das mulheres negras: Prêmio Luiza Mahin

Local: Câmara Municipal de São Paulo: 19H

+ sobre o tema

Não deixe a sua cor passar em branco – o que esperar para o Censo de 2010

  "Afastada a questão de desigualdade, resta na transformação biológica...

Congresso do CNAB presta homenagem ao autor do Hino à Negritude

Evento acontece no Palácio das Convenções do Anhembi, nos...

UGT/ES participa de Ato contra Racismo Institucional na UFES e lança Nota de Repúdio

“Racistas, racistas, não passarão. A juventude negra vai fazer...

para lembrar

321 anos de imortalidade Zumbi

O Centro Cultural Orùnmilá foi criado em Ribeirão Preto,...

29 músicas que cantam o que é ser negro no Brasil

Não é novidade, mas vale sempre ressaltar: ser negro...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Com discurso de Lula e da ministra Anielle Franco no Fórum de Afrodescendentes na ONU, Geledés aponta que o Brasil está no caminho certo...

“Para Geledés, o Fórum Permanente de Afrodescendentes é extremamente importante, porque pode construir, no sentido mais amplo, compromissos de enfrentamento ao racismo global. Sobre...

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...
-+=