Imagem de skinhead agredindo morador de rua provoca indignação na web

Em foto, homem aparece enforcando um mendigo em Belo Horizonte

Internautas ficaram indignados nesta sexta-feira depois que uma foto polêmica foi postada no Facebook por um jovem de 25 anos. Nela, o homem, que se identifica como skinhead na própria rede social, aparece enforcando um morador de rua em plena Savassi, Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Na legenda da imagem ele colocou os seguintes dizeres: Quer fumar kraquinho? (Sic.) Em meio a praça pública cheio de criança? Acho que não.

Em seguida, o jovem colocou outro comentário onde critica o governo e a sociedade. “Já me acostumei…Falsos democratas, sociedade libertina, policiais corruptos, direitos humanos e por ai vai… O velho pão e circo para o povo humanista”, afirmou. A imagem ficou pouco tempo no ar e depois foi retirada pelo próprio autor. Porém, a foto foi colocada em outros perfis. Vários internautas mostraram a sua indignação com o fato. “Choro quando vejo esse tipo de coisa não de tristeza, mas de revolta por saber que essa não será a última pessoa a ser agredida por crime de ódio em nossa sociedade. Este tipo de coisa acontece pelo simples fato do poder público não tomar medidas severas com quem faz esse tipo de coisa”, comentou Hemerson Luiz De Morais Dias Choro. Já Diego Henrique Penafort, ficou revoltado com a omissão das pessoas que assistiram a cena. “Como disse o nobre amigo acima, todos os presentes quiseram apenas assistir. Interferir tomar atitude, fazer a diferença ninguém fez”, disse.

Em seguida Penafort, criticou a repercussão que tomou o fato. “Se o cara não tivesse feito nada e a foto fosse do suposto mendigo fumando crack em praça publica , vocês seus hipócritas estariam aqui reclamando dele ou do governo”, reclamou.

No perfil do skinhead, que foi retirado do ar por volta das 20h desta sexta-feira, o jovem ainda deixa um recado para a imprensa. “Não tenho nada a dizer a vocês da mídia, aonde claro, sempre vão distorcer tudo. Não me procurem mais, não terão a entrevista para vender suas mentiras com seus jornaizinhos baratos cheio de sangue”, indagou.

Em março deste ano, um outro ato de preconceito e com citações nazistas causou polêmica em Belo Horizonte. Alunos de direito da UFMG pintaram uma estudante com tinta preta durante um trote. A garota aparece em imagens acorrentada e puxada por um veterano. Ela ostenta uma placa com os dizeres “caloura Chica (Sic) da Silva”, em referência à famosa escrava que viveu em Diamantina no século 18, liberta após se envolver com um contratador de diamantes. Em outra foto, um calouro está amarrado a uma pilastra enquanto outros três estudantes fazem uma saudação nazista. Um deles pintou um bigode semelhante ao do ditador alemão Adolf Hitler.

A UFMG abriu sindicância para apurar o caso e os responsáveis podem ser punidos pelo ato

 

Fonte: Correio Braziliense 

+ sobre o tema

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como...

para lembrar

Série de fotos histórica escancara o racismo nos EUA da década de 1950

Se o ano de 1956 pode hoje parecer distante...

Presidente de clube é condenado por racismo

-Fonte: Jornal de Uberaba - Presidente de um clube...

Ator global vai à polícia após filha ser alvo de racismo

Do Pragmatismo PoliticoAtor Bruno Gagliasso prestou queixa na Delegacia...

Racismo e opressão no governo italiano

Por Marina Fuser*   Novos escândalos colocam o primeiro-ministro italiano de...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=