Imagem de skinhead agredindo morador de rua provoca indignação na web

Em foto, homem aparece enforcando um mendigo em Belo Horizonte

Internautas ficaram indignados nesta sexta-feira depois que uma foto polêmica foi postada no Facebook por um jovem de 25 anos. Nela, o homem, que se identifica como skinhead na própria rede social, aparece enforcando um morador de rua em plena Savassi, Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Na legenda da imagem ele colocou os seguintes dizeres: Quer fumar kraquinho? (Sic.) Em meio a praça pública cheio de criança? Acho que não.

Em seguida, o jovem colocou outro comentário onde critica o governo e a sociedade. “Já me acostumei…Falsos democratas, sociedade libertina, policiais corruptos, direitos humanos e por ai vai… O velho pão e circo para o povo humanista”, afirmou. A imagem ficou pouco tempo no ar e depois foi retirada pelo próprio autor. Porém, a foto foi colocada em outros perfis. Vários internautas mostraram a sua indignação com o fato. “Choro quando vejo esse tipo de coisa não de tristeza, mas de revolta por saber que essa não será a última pessoa a ser agredida por crime de ódio em nossa sociedade. Este tipo de coisa acontece pelo simples fato do poder público não tomar medidas severas com quem faz esse tipo de coisa”, comentou Hemerson Luiz De Morais Dias Choro. Já Diego Henrique Penafort, ficou revoltado com a omissão das pessoas que assistiram a cena. “Como disse o nobre amigo acima, todos os presentes quiseram apenas assistir. Interferir tomar atitude, fazer a diferença ninguém fez”, disse.

Em seguida Penafort, criticou a repercussão que tomou o fato. “Se o cara não tivesse feito nada e a foto fosse do suposto mendigo fumando crack em praça publica , vocês seus hipócritas estariam aqui reclamando dele ou do governo”, reclamou.

No perfil do skinhead, que foi retirado do ar por volta das 20h desta sexta-feira, o jovem ainda deixa um recado para a imprensa. “Não tenho nada a dizer a vocês da mídia, aonde claro, sempre vão distorcer tudo. Não me procurem mais, não terão a entrevista para vender suas mentiras com seus jornaizinhos baratos cheio de sangue”, indagou.

Em março deste ano, um outro ato de preconceito e com citações nazistas causou polêmica em Belo Horizonte. Alunos de direito da UFMG pintaram uma estudante com tinta preta durante um trote. A garota aparece em imagens acorrentada e puxada por um veterano. Ela ostenta uma placa com os dizeres “caloura Chica (Sic) da Silva”, em referência à famosa escrava que viveu em Diamantina no século 18, liberta após se envolver com um contratador de diamantes. Em outra foto, um calouro está amarrado a uma pilastra enquanto outros três estudantes fazem uma saudação nazista. Um deles pintou um bigode semelhante ao do ditador alemão Adolf Hitler.

A UFMG abriu sindicância para apurar o caso e os responsáveis podem ser punidos pelo ato

 

Fonte: Correio Braziliense 

+ sobre o tema

para lembrar

Procuradora aceita denúncia de partido contra Bolsonaro e direção da Hebraica do Rio

Procuradora aceita denúncia de partido contra Bolsonaro e direção...

Seminário Respostas ao Racismo

 Respostas ao Racismo Produção acadêmica e compromisso político em tempos...

Policial que descobriu ser negro aos 47 anos e sofre comentários racistas de seus colegas

Um sargento da polícia de Hastings (Michigan) pede meio...

Livres da queixa de racismo, agressores de Vagner Love são liberados

Atacante foi agredido dentro de uma agência bancária no...
spot_imgspot_img

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...

‘Moro num país racista’, diz empresário que encerrou contrato de R$ 1 mi por ser chamado de ‘negão’

Nem o ambiente formal de uma reunião de negócios foi capaz de inibir uma fala ofensiva, de acordo com Juliano Pereira dos Santos, diretor...

Coordenador do SOS Racismo de Geledés questiona decisões judiciais sobre racismo e injúria racial

Recentes casos de racismo que ocorreram de maneira individual e coletiva reacenderam os debates sobre a diferença entre a injúria racial e o crime...
-+=