Índios da Raposa dizem ter sido ameaçados pela PF e por Exército

Fonte: Folha de São Paulo –

Ambos negam e dizem que cumpriam mandados de busca e apreensão na área

 

Índios de três comunidades da terra indígena Raposa/ Serra do Sol, em Roraima, afirmam que foram ameaçados e tiveram casas e equipamentos de garimpo destruídos com explosivos utilizados pela Polícia Federal e pelo Exército na semana passada, durante a Operação Escudo Dourado.

Segundo o Exército, dez pessoas foram presas na ação, entre elas cinco índios, e dez garimpos foram localizados.

A operação, deflagrada no dia 12, tinha como objetivo combater o garimpo ilegal na fronteira do Brasil com a Guiana.

O índio macuxi Lauro Barbosa afirmou que quem tentava se aproximar e proteger os equipamentos, que auxiliam na extração de ouro e diamante, foi ameaçado pelos agentes da PF e do Exército, que, segundo disse, apontaram armas de fogo. Ninguém se feriu.

A situação da Raposa/Serra do Sol esteve menos tensa desde junho, quando o último não índio foi retirado da área, em cumprimento à decisão do STF. Policiais permanecem na região para evitar conflitos.

Nos últimos meses, os índios, agora sem as plantações de arroz, enfrentaram uma estiagem que prejudicou suas lavouras.
De acordo com a Secretaria do Índio de Roraima, esse é um dos motivos para o aumento dos garimpos na região -atividade econômica secundária das etnias “há gerações”, segundo os índios.

O garimpo em terras indígenas é considerado ilegal.

Para o secretário estadual do Índio, Jonas Marcolino, a prática na Raposa/Serra do Sol é uma “questão de sobrevivência”, sem a qual os índios podem “morrer de fome”.

De acordo com o líder indígena Abel Barbosa, ligado à Sodiur (Sociedade dos Índios Unidos do Norte de Roraima), que era favorável à presença dos produtores de arroz, cerca de cem famílias foram prejudicadas pela operação porque dependiam dos garimpos.

Outro lado

Em nota, o Exército e a PF de Roraima negaram abusos e disseram que cumpriam mandados de busca e apreensão. Falaram que apenas as máquinas que não podiam ser transportadas foram destruídas no local. Para o Exército, as acusações dos índios “carecem de fundamento”, já que “não houve qualquer tipo de reação” dos garimpeiros durante a ação. A PF diz que as afirmações dos índios são “caluniosas”.
A Funai (Fundação Nacional do Índio) não se pronunciou até o fechamento desta edição.

Matéria original

+ sobre o tema

Lewandowski apresentará normas para uso de câmeras corporais por policiais

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Ricardo...

Defensoria Pública de SP recorre ao STF contra flexibilização nas câmeras corporais na PM

A Defensoria Pública do estado de São Paulo entrou...

Imposto de renda: como apoiar projetos sociais na sua declaração

Pouca gente sabe, mas parte do seu imposto de renda devido...

para lembrar

Lula reverencia a vida e a obra de Vinicius de Moraes

Por: Irlam Rocha Lima Cerimônia marca a reintegração, post-mortem,...

Dilma chama oposição a duelo e polariza modelo de Estado

Em um de seus últimos momentos como ministra, Dilma...

Ciclistas atropelam promotora que interrompeu ciclovias

Ontem, quinta-feira (19), a promotora de Justiça, Habitação e...

Aprovado projeto que torna pública ação penal em razão de injúria racial ou discriminatória

Írohín - Jornal Online - Projeto aprovado pela Comissão de...

Brasil investe pouco em prevenção de desastres

Separada por duas ruas da margem do rio dos Sinos, a casa onde mora Ana Carolina Dutra da Silva, em São Leopoldo (RS), tem...

Ações para a cidadania

Testemunhamos casos de guerras, violências, feminicídios e racismo diariamente. Em quase todos eles, inúmeras vozes nas redes sociais prontamente assumem posicionamentos com verdades absolutas...

Entidades de segurança pública e direitos humanos dizem que novo edital precariza programa de câmeras da PM em SP

Entidades da sociedade civil ligadas à segurança pública manifestaram preocupação com o novo edital para contratação de 12 mil câmeras corporais para a Polícia...
-+=