Itamaraty cria comitê pela igualdade de gênero e raça

Comitê foi criado a partir da mobilização de um grupo de mais de 200 mulheres, que há alguns meses entregaram uma carta com reivindicações ao ministro Luiz Alberto Figueiredo Machado. Entre as demandas estavam a criação de um comitê temático e uma sala de amamentação, também instalada nesta semana; “O que eu acho mais histórico é que pela primeira vez as mulheres trocaram experiências entre si e se apoderaram dessa identidade feminina. Antes as mulheres queriam ser vistas como assexuadas, pois estavam em um ambiente eminentemente masculino e admitir certas questões tipicamente femininas poderia levar a um preconceito na carreira”, explica a diplomata e coordenadora do comitê, Sônia Gômes

Como informa o Poder Online, do IG, foi criado nesta semana um comitê para combater a discriminação de gênero e raça no Ministério das Relações Exteriores. O grupo foi criado a partir da mobilização de um grupo de mais de 200 mulheres, que há alguns meses entregaram uma carta com reivindicações ao ministro Luiz Alberto Figueiredo Machado. Entre as demandas estavam a criação de um comitê temático e uma sala de amamentação, também instalada nesta semana.

“O que eu acho mais histórico é que pela primeira vez as mulheres trocaram experiências entre si e se apoderaram dessa identidade feminina. Antes as mulheres queriam ser vistas como assexuadas, pois estavam em um ambiente eminentemente masculino e admitir certas questões tipicamente femininas poderia levar a um preconceito na carreira”, explica a diplomata e coordenadora do comitê, Sônia Gômes.

De acordo com Sônia, mais da metade das diplomatas têm participado da mobilização – inclusive do exterior. Uma das principais resistências, no entanto, ainda é com as profissionais mais antigas. “Existe uma cultura muito disfarçada de que a competência é ficar até tarde no trabalho e de que a maternidade pode se tornar incompatível com certas tarefas. Algumas diplomatas entraram em pânico, dizendo que ia parecer que nós não queríamos trabalhar. Mas a geração mais jovem está dizendo o contrário, que não quer só uma coisa ou outra. Quer poder escolher casar, ter filhos e trabalhar.”

O grupo se reunirá pela primeira vez na próxima quarta-feira e um dos desafios já apontados por Sônia está no mapeamento racial dos funcionários do Itamaraty, que até hoje não foi realizado. Para isso, o grupo trabalhará em parceria com a Secretaria de Políticas para as Mulheres e com a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial.

 

Fonte: Brasil 247

+ sobre o tema

Na mesma cela, 99 homens e 3 mulheres

Confinada com 99 homens num presídio em Pernambuco, Fernanda...

Mulheres negras trabalham mais que os homens em funções não remuneradas em AL, diz IBGE

Um estudo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e...

As guerreiras africanas do Daomé estão nas ruas do Senegal

África não é só famosa por sua rainhas, mas...

para lembrar

spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=