Jeniffer Nascimento revela que já foi confundida com assaltante por ser negra: “Achou que roubei sua bolsa”

A atriz Jeniffer Nascimento é dona de um vozeirão e tem encantado o Brasil nas audições de “Popstar”, comandado por Tais Araújo. Filha de nordestinos, um cearense eletrotécnico aposentado e uma baiana dona de casa, ela iniciou a vida artistica muito cedo e hoje, aos 25 anos, ela conta que ralou muito para estar onde se encontra hoje.

Por Kelly Araújo, no TV Foco

Jeniffer Nascimento foi a primeira a cantar no PopStar deste domingo (Foto: Isabella Pinheiro/Gshow)

“Eu sempre soube aonde eu ia chegar, mas, para mim, tudo isso era uma realidade muito distante. Corri atrás e consegui bolsas para estudar canto e teatro. Se não fosse isso, eu não teria condição de ter a formação que eu tenho hoje. Fico muito chateada quando alguém comenta: ‘nossa, é muito injusto ela estar ali (no programa)’. Eu falo: ‘não, você não sabe o que eu passei para chegar aqui’”, disse.

“Apesar do produtor de elenco falar que tinha 99% de chance de eu fazer a personagem, uma outra atriz havia sido escalada para o papel, só que ela morava fora do país. Ou seja, nada foi fácil na minha vida, sempre teve uma emoçãozinha”, falou sobre seu papel em Malhação.

Jeniffer Nascimento foi a primeira a cantar no PopStar deste domingo (Foto: Isabella Pinheiro/Gshow)

Jeniffer disse que já foi confundida com uma assaltante por causa de seu cabelo Black Power. “Comecei a entender que o preconceito existia quando assumi o cabelo black power, logo depois de ‘Malhação’. Aos poucos, e com a ajuda do meu namorado, fui aprendendo a lidar com algumas situações e não deixar me abater. Uma vez, estava num ponto de táxi à noite com o meu namorado, quando eu levantava para entrar no táxi, o motorista acelerava, achando que eu ia assaltar. Comecei a sofrer muito. Teve uma vez de eu ir ao banco e apresentar o RG de cabelo liso e a atendente achar que eu tinha roubado aquele documento. E de eu esbarrar numa mulher no aeroporto e de ela achar que eu tinha roubado a bolsa dela. Eu chorava muito”, contou.

JENIFFER LIDERA O RANKING

Na tarde deste domingo, 16 de setembro,  Globo estreou a segunda temporada do SuperStar. A atração que reúne um time composto por 14 celebridades que irão soltar a voz diante de um time de jurados é comandada dessa vez por Taís Araújo, que ficou com a vaga de Fernanda Lima.

Carol Trentini, Eri Johnson, Fafy Siqueira, Fernando Caruso,  Jeniffer Nascimento, João Côrtes, Jonathan Azevedo, Klara Castanho, Lua Blanco, Malu Rodrigues, Mouhamed Harfouch, Renata Capucci, Samantha Schmütz e Sergio Guizé soltaram a voz no programa de estreia e surpreenderam.

Jeniffer Nascimento acabou levando a melhor e fechou o dia em primeiro lugar com 20,93 pontos depois de cantar Love On Top, canção conhecida na voz de Beyoncé. Em segundo lugar ficou Samantha, que interpretou Love On The Brain, de Rihanna, e cravou 20,85. Na terceira colocação, Jonathan Azevedo.

Nas últimas posições, ficou Mouhamed Harfouch (20,53), Lua Blanco e Klara Castanho (empatadas com 20,52), Fernando Caruso (20,45) e João Côrtes, que foi o pior da edição, com 20,44. Nas redes sociais, muitos internautas reclamaram da colocação em que ficou o eterno “ruivo da operadora”.

+ sobre o tema

PM de SP: Segurança para brancos

Por Douglas Belchior Como eu leio esse cartaz sobre as “dicas...

Mulheres negras são o principal alvo de discurso de ódio na internet

Estudo de universidade inglesa conclui que maior parte dos...

para lembrar

Lewandowski vota a favor de cotas raciais nas universidades

Por: Adriana Caitano Relator do caso considera reserva de...

Ufes diz que não há “justificativa legal” para afastar professor acusado de racismo

Atualmente, o professor está ministrando as disciplinas optativas de...

Racismo no Brasil é comprovado por César Menotti e Altas Horas

O cantor sertanejo César Menotti, ao declarar no programa...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=