John Galliano foi considerado culpado mas não vai para a prisão

John Galliano, de 50 anos, foi despedido do posto de diretor criativo do grupo Dior na consequência de dois escândalos – um deles filmado e divulgado pelo jornal britânico The Sun -, em que fez comentários racistas e ofensivos. O estilista, que não compareceu esta quinta-feira à audiência no Tribunal Correcional de Paris temendo ser perseguido pelos média, diz que não se lembra das situações.

Acusado de proferir “insultos públicos com base na origem, a afiliação religiosa, raça ou etnia”, poderia ter sido condenado a uma de pena de até seis meses de prisão e a pagar uma multa de 22.500 euros, mas foi apenas condenado a uma multa suspensa de 4000 euros pelo incidente ocorrido a 24 de fevereiro e a outra de 2000 euros, com suspensão condicional, pelo segundo incidente.

Na audiência de 22 de junho, no mesmo tribunal, Galliano pediu desculpa pelo seu comportamento e atribuiu a causa à sobrecarga de trabalho e ao seu “triplo vício” em álcool, soporíferos e anti-depressivos. O seu advogado garante que está a receber tratamento para as suas dependências.

Um dos processos foi aberto por uma mulher que afirmou ter sido insultada por Galliano a 8 de outubro de 2010 no bar parisiense La Perle. O estilista tê-la-ia chamado de “fucking ugly jewish bitch” (“porca judia”). O outro diz respeito a um episódio que ocorreu no mesmo bar, a 24 de fevereiro, em que ofendeu pessoas sentadas numa mesa próxima da sua depois de afirmar amar Hitler.

Na defesa, o estilista negou que estas fossem as suas reais “convicções” e deu, como exemplo, a sua roupa: “Podem ver que abraço cada raça, credo e sexualidade. Eu esforço-me para transmitir diversidade nas minhas criações.” A procuradora, Anne de Fontette, pediu uma multa mínima de 10 mil euros mas admitiu que Galliano “não é um teórico do racismo antijudaico”, mas reflete o “racismo e o anti-semitismo quotidiano, o dos estacionamentos e dos supermercados, lamentável e espantoso”, escreve a AP.

Segundo escreve Christian Fraser, correspondente da BBC em Paris, o maior castigo foram os danos causados à sua carreira e reputação, fazendo com que os juízes considerem que este homem “precisa de ajuda e não de castigo.” Galliano pagou um euro simbólico a cada uma das suas vítimas e a cinco grupos anti-racismo, bem como os custos legais do processo.

Fonte: RTP

+ sobre o tema

Onde estavam os negros na Paulista?

O racismo da classe média que fala grosso contra...

Homem é condenado pelo crime de racismo contra negros, judeus e nordestinos

no TV Justiça Homem é condenado pelo crime de racismo contra...

A presunção de inocência e o “negro de alma branca”

O famigerado princípio constitucional da presunção de inocência, previsto...

para lembrar

Projeto Geração XXI- Memória Institucional

O Geração XXI foi a primeira ação afirmativa em...

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto...

“A mãe dos senhores vai visitar os senhores lá no IML”

Por Douglas Belchior "A frase autoexplicativa foi dita por...
spot_imgspot_img

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...
-+=