Jornais partem para uma nova guerra contra o Facebook

Ao anunciar  que deixará de publicar matérias jornalísticas na rede social Facebook, a Folha de S.Paulo confirmou uma tendência que já contagiou mais da metade dos 72 jornais, revistas e sites noticiosos do mundo inteiro que apostaram no projeto Instant News, lançado, em maio de 2015, pela maior rede social da internet .

Por Carlos Castilho, do Observatório da Imprensa

BRENDAN SMIALOWSKI/AFP/Getty Images

Tudo indica que é o fim de uma aliança que desde o começo foi carregada de desconfianças e dúvidas porque na verdade sempre foi um casamento de interesses. A imprensa tradicional procurava ampliar seu público leitor e com ele as receitas de publicidade, enquanto o Facebook buscava incorporar qualidade ao seu serviço, na tentativa de superar sua imagem como rede de fofocas e fotos de animais de estimação.

Mas os quase três anos de existência do Instant News, a área do Facebook dedicada à publicação de matérias jornalísticas, acabaram num impasse, tudo por conta do fenômeno fake news. Da mesma forma que houve uma aliança de interesses, o que está acontecendo agora é um divórcio de interesses. O Facebook está empenhado em desfazer-se da imagem de rede responsável pela proliferação de notícias falsas e de cumplicidade com os estrategistas russos , enquanto os jornais perceberam que a audiência não cresceu como previam e menos ainda as receitas publicitárias.

Assim, volta à cena informativa a velha guerra surda, às vezes nem tanto, entre jornais e as redes sociais, onde os primeiros reclamam que Facebook e Google publicam matérias jornalísticas sem pagar direitos autorais, enquanto as redes alegam que são plataformas de tecnologia, que não produzem conteúdos noticiosos e só reproduzem o que a própria imprensa já publicou na internet.

Indicadores verticais: número de empresas jornalísticas vinculadas ao Instant News. Indicadores horizontais: percentuais de textos publicados no Instant News em janeiro de 2018. Quadro publicado pela revista Columbia Journalism Review.

É um confronto entre interesses comerciais divergentes onde cada lado procura levar vantagem. Imprensa e redes usam o que chamam de interesses do público de acordo com as suas conveniências. Os jornais lutam pela sobrevivência econômica e política de um modelo de negócios que está severamente ameaçado pelas transformações provocadas pelas novas tecnologias de informação e comunicação (TICs). Já as redes sociais sabem que passado o impacto da descoberta de uma nova forma de relacionamento interpessoal via internet, haverá uma inevitável segmentação por interesses individuais, o que pode ser mortal para uma rede como Facebook, que se orgulha de ter mais de dois bilhões de usuários no mundo inteiro.

O que se delineia como uma fuga em massa dos jornais e revistas, ocorre semanas depois do Facebook anunciar uma reprogramação de seus algoritmos (robôs eletrônicos selecionadores de postagens) para beneficiar publicações locais e hiperlocais, bem como aumentar os espaços dedicados às mensagens de conteúdo familiar e interpessoal. É uma manobra editorial para tentar reduzir o volume de mensagens que podem ser associadas à desinformação, notícias falsas e operações de marketing visando objetivos políticos. O rótulo de “rede das fake news” é visto por Mark Zuckerberg, o criador e principal executivo, do Facebook como uma ameaça à confiança do público no meganegócio que ele criou em fevereiro de 2004.

O jogo de desculpas

É difícil prever os desdobramentos da guerra entre redes e jornais, porque os argumentos apresentados pelos dois lados tem mais a ver com interesses comerciais e políticos imediatos do que com perspectivas futuras. A crise do modelo de negócios dos jornais deve continuar até, e se, eles encontrarem alternativas para criar receitas. A alegação de que são vítimas de pirataria editorial pode impressionar alguns, mas tende a perder consistência à médio e longo prazo, na medida em que as leis e regulamentos sobre direitos autorais devem ser alterados para contemplar a liberdade de circulação de dados e informações, hoje um pré-requisito para políticas de inovação industrial e tecnológica.

Por seu lado, a afirmação das redes de que são plataformas tecnológicas que não produzem conteúdos, soa como uma bela mas esfarrapada desculpa. Inúmeros trabalhos acadêmicos, como a badalada teoria ator-rede, do francês Bruno Latour, mostram que não se pode falar de tecnologia sem relacioná-la com o indivíduo. Assim a técnica não é algo divorciado da realidade jornalística, onde novos aplicativos condicionam e são condicionados pela produção de notícias. É altamente problemático escorar-se na tecnologia para evitar o complicadíssimo tema das notícias falsas e da desinformação.

A nova reviravolta na conflituosa relação entre imprensa e redes sociais vai obrigar os usuários do Facebook a mudar novamente de hábitos, já que as estatísticas indicavam um crescimento constante no acesso a textos jornalísticos publicados online. Nos Estados Unidos, 48% dos usuários da internet já acessavam notícias pelas redes. Aqui no Brasil não há estatísticas precisas, mas é muito provável que a tendência também seja de alta, pelo menos até agora.

Diante desta avalancha diária de notícias, sem que possamos confiar plenamente em sua credibilidade, integridade e isenção, deve crescer a tendência das pessoas a buscar referências familiares, locais e em círculos de amigos. A informação em massa, o grande apanágio de imprensa no final da era industrial (século XX) nos levou a um paradoxo. Temos informação demais, mas nos faltam instrumentos confiáveis para avaliá-la, porque a sobrevivência dos grandes impérios jornalísticos levou-os a priorizar interesses financeiros e políticos em prejuízo do interesse público.

Neste ponto o Facebook pode ter alguma razão ao priorizar a informação local na sua polêmica reprogramação de algoritmos, mas talvez tenha perdido de vista que seu modelo de negócios está baseado numa versão digital da comunicação em massa. O dilema de Zuckerberg é, neste ponto, igual do dos jornais: como ganhar dinheiro com noticiário local ou segmentado por interesses, na internet.

**

Carlos Castilho é jornalista e pesquisador acadêmico. Publica um blog na plataforma Medium.

+ sobre o tema

Dênis de Moraes: Megagrupos estrangeiros avançam na mídia

Por que a concentração monopólica da mídia é...

As novas doenças provocadas pelo uso da internet

É oficial. Conheça oito novas doenças que surgiram -...

Duas faces da barbárie cotidiana – Por Sylvia Debossan Moretzsohn

"Para mim não há diferença entre os justiceiros...

O que vai acontecer com os sites independentes num governo Temer? Por Paulo Nogueira

O que vai acontecer com os sites independentes num...

para lembrar

“A Internet chegou para provar que somos um dos países mais racistas do mundo”

Nascido em uma comunidade pobre de Salvador, Paulo Rogério...

Alma Preta organiza debate sobre democratização da mídia no país

Atividade marca o lançamento da campanha de assinaturas e...

Não existe comunicação mais forte que a negra, feminista e periférica

Em período eleitoral e de fakenews, coletivos de comunicação...
spot_imgspot_img

Portal Geledés recebe prêmio como imprensa negra brasileira

O que faz uma organização ser reconhecida como um canal de comunicação de destaque? Esta questão tem ocupado o pensamento da equipe do Portal...

Seletividade política apagou existência de afro-gaúchos e indígenas no RS

O dia 20 de setembro é a data mais importante do calendário cívico sul-rio-grandense. Ela faz alusão ao início da guerra civil que assolou...

Mvúka: Futuros Diversos através das vivências Negras

A ideia de uma realidade diversa de futuro para o povo negro brasileiro, se constrói a partir da interpretação crítica do passado e das...
-+=