Jovem caxiense consegue estágio na NASA: ‘Existe espaço pra meninas negras’

Astrônoma da UFRJ conseguiu bolsa de pesquisa e pretende incentivar outros estudantes

Por Igor Silva, Do O Dia

Carolyne Oliveira - mulher negra, de cabelo crespo, vestindo casaco marrom - pousando ao lado de um prédio
Carolyne Oliveira é moradora de Duque de Caxias e faz estágio na NASA – Arquivo pessoal

Duque de Caxias – A maior agência de pesquisas aeroespacial do planeta virou local de estudo para uma jovem de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Desde o início do ano, Carolyne Oliveira, de 27 anos, vem frequentando a NASA’s Goddard Space Flight Center (Centro de Voos Espaciais Goddard, em tradução livre), em Greenbelt, Maryland, nos Estados Unidos, para aprimorar a própria pesquisa de mestrado.

A jovem, moradora do bairro da Vila Meriti, é aluna da UFRJ e tem como objeto de estudo a astrofísica extragalática. Em linhas gerais, Carolyne estuda uma semelhança entre as diferentes galáxias do universo.

“Eu sou aluna de mestrado no Observatório do Valongo (UFRJ) e a minha pesquisa é focada em astrofísica extragaláctica. Eu uso dados provenientes de vários telescópios junto com muita física e computação para entender como as galáxias evoluem pelo universo. Na colaboração na NASA, com a pesquisadora Dra. Antara Basu-zych, eu analiso como as propriedades físicas e a aparência dessas galáxias estão conectadas entre si e como a presença ou não de outras galáxias ao seu redor pode determinar o porquê dessas galáxias serem similares a galáxias distantes”, detalhou a estudante.

Formada em Astronomia pela própria UFRJ, Carolyne conseguiu uma bolsa de pesquisa pelo Programa Geral de Cooperação Internacional (PGCI) financiada pela CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), que é um programa para incentivar o intercâmbio de estudantes brasileiros no exterior. A astrônoma volta para Caxias no fim deste mês já com planos para retornar aos EUA. É lá que a astrônoma pretende fazer o doutorado.

Carolayne de Oliveira, ao lado de uma estrutura indicando o centro de pesquisa da NASA. A estrutura possui o simbolo da NASA  e a frase "Goddard Space Flight Center"
Carolayne de Oliveira é moradora de Duque de Caxias e faz estágio na NASA (Foto: Arquivo Pessoal)

 

“A minha orientadora no Brasil, Dra. Karin Menendez Delmestre, conseguiu essa bolsa pra mim e uma outra estudante (Camila de Sá Freitas) para passar 4 meses na NASA’s Goddard Space Flight Center. O próximo passo é o doutorado, que eu espero que seja aqui nos EUA”, afirmou.

“Conhecimento é um bem”

Apesar de estar realizando um sonho, Carolyne confessou que nunca pensou que um dia estaria estudando na NASA. Ela passou por dificuldades para concluir a graduação, mas não desistiu dos estudos em astronomia. A jovem pretende agora ser um exemplo para outras meninas da periferia.

“Quando eu comecei a graduação em astronomia não imaginava que um dia estaria nos EUA colaborando com pesquisadores da NASA. Acho que só segui os conselhos da minha mãe que conhecimento é o único bem que ela poderia deixar pra mim e ninguém pode tirar de mim. Foi muito trabalhoso para mim e para a minha família, em especial a minha mãe, para que eu conseguisse terminar a faculdade. É importante mostrar para outras meninas negras que existe espaço para elas em qualquer ambiente de trabalho”, finalizou Carolyne.

 

+ sobre o tema

Secretária adjunta transexual de Porto Alegre se casa

Cerimônia aconteceu no Dia Nacional da Visibilidade Trans e...

A carta da Princesa por Sueli Carneiro

A televisão, em 30 de abril, divulgou o conteúdo...

Conheça a vereadora que desbancou políticos tradicionais e bateu recorde de votação em BH

Pela primeira vez na história de Belo Horizonte, uma...

Mulheres trabalham menos tempo em casa

Com mercado de trabalho feminino aquecido e renda em...

para lembrar

Narrativas não expressam diversidade brasileira, dizem escritoras

Mais de 70% dos livros publicados no Brasil entre...

Robinho, feminismo é para todo mundo!

Feminismo. Faz uns doze anos que ouvi essa palavra...

Vítimas: inversão e banalização

A questão das vítimas é das mais delicadas. Nunca...

Margaridas marcham por igualdade e democracia

Um dos movimentos sociais mais bonitos e emocionantes deste...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=