Jovens que agrediram doméstica no Rio vão pagar indenização de R$ 500 mil

A 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio condenou os cinco jovens de classe média alta que agrediram a empregada doméstica Sirlei Dias de Carvalho Pinto, em um ponto de ônibus, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, em junho de 2007. Eles vão ter que indenizá-la em R$ 500 mil por danos morais e materiais decorrentes da agressão.

A doméstica foi atacada e roubada por Fellipe de Macedo Nery Neto, Rodrigo dos Santos Bassalo da Silva, Rubens Pereira Arruda Bruno, Julio Junqueira Ferreira e Leonardo Pereira de Andrade, enquanto esperava o ônibus. Em juízo, os agressores disseram que confundiram a doméstica com uma prostituta. A indenização soma R$ 500 mil e cada réu vai pagar R$ 100 mil para a vítima.

Depois de agredi-la com chutes, os jovens fugiram levando a bolsa da vítima, com telefone celular, documentos, carteira e R$ 47. Ela conseguiu entrar correndo no prédio em que trabalhava. Um motorista de táxi que testemunhou o crime anotou a placa do carro dos agressores e avisou ao segurança do edifício onde ela havia entrado.

Sirlei havia saído cedo da casa da patroa para ir ao médico. Segundo Sirlei, o gol preto com cinco ocupantes parou a cerca de 100 metros do ponto. Ela disse que achou que os rapazes fossem entrar no prédio em frente, mas eles vieram na direção dela, arrancaram a bolsa e começaram a sessão de espancamento. Por meio da placa do carro, todos foram presos e acabaram confessando o crime.

Fonte: Diário de Pernambuco

+ sobre o tema

Câmara pretende ouvir Janot sobre equiparação de homofobia a racismo

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara...

Francisco Marcelo: hildegard e o apartheid

Morador da Vila do João, na Maré, o geógrafo...

‘Não é todo mundo assim’, diz paralítico ajudado por atendente

Alvelino José é de Uberlândia e disse que acredita...

Gordofobia, racismo, preconceito: Há cura para as doenças sociais?

Especialistas acreditam que só com punição será possível coibir...

para lembrar

Uma charge racista e os haitianos em São Paulo

Como professora (também) de Ensino Médio e Pré-Vestibular, volta...

Empregadores domésticos rejeitam morador de favela

A doméstica Versiani Azevedo afirma que uma boa referência...

A minha empregada era quase da família

“Que horas ela volta'', de Anna Muylaert, é um...
spot_imgspot_img

Empregos domésticos: serviços “essenciais” ou necessidades “coloniais”?

O prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho (PSDB), anunciou hoje, (07/05/2020), que as empregadas domésticas estariam dentro dos serviços essenciais no período de Lockdown –...

Uma reflexão sobre empregadas domésticas na pandemia

A medida mais eficaz contra o Covid-19 é ficar em casa, o que parece simples para alguns, mas, para outros, não. Profissionais como atendentes...

“Ser faxieneira é um orgulho”, diz Bethyna Nascimento que sofreu preconceito nas redes

A Rainha de Bateria da Escola de Samba Chegou o que Faltava, Bethyna Nascimento Casagrande, compareceu na tarde desta quinta-feira (14) à Câmara Municipal...
-+=