Judith Butler é agredida ao embarcar no aeroporto de Congonhas

Agressora também proferiu insultos racistas contra a atriz e MC Danieli Lima, que interviu ao testemunhar a violência

no Carta Capital

A filósofa Judith Butler, 61 anos, foi agredida ao embarcar no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, na manhã desta sexta-feira 10. Segundo relatos de testemunhas, a escritora estava na área de check-in quando foi perseguida por uma mulher que segurava um cartaz com a foto desfigurada de Butler e gritava repetidos xingamentos, além de empurrá-la com o cartaz feito de madeira e cartolina.

A mesma agressora também proferiu insultos racistas à atriz/MC Danieli Lima, 30 anos, que tentou intervir ao perceber a violência contra a filósofa. “Vi a Judith Butler passando e uma senhora atrás com uma placa na mão chamando de pedófila, nojenta, que não era bem vinda no Brasil. Ela estava muito exaltada, uma agressividade muito grande, xingava em inglês e português e empurrava ela com o cartaz”, explicou ela, que estava embarcando para o Rio de Janeiro. “Eu fui atrás e falei que ela não poderia fazer isso, que ela precisava respeitar as pessoas”, conta ela, cujo nome artístico é Dani Nega.

Em seguida, a mulher virou-se para Danieli, abriu os braços e começou a gritar:

“Quem é você? Você é feia, feia, olha o seu cabelo, olha a sua cor, vai pentear o cabelo, você é feia!”, relatou a testemunha, que registrou boletim de ocorrência na delegacia no próprio aeroporto por racismo.

Segundo ela, a agressão durou cerca de 10 minutos e ocorreu por volta das 9h40. “Ela estava muito exaltada, foi uma das coisas mais desumanas que eu já vi. Falei que racismo era crime, ela tentou ir embora, mas o delegado a conduziu para a delegacia”, afirma Danieli, que escreveu também sobre o caso nas redes sociais.

Reprodução Facebook

O episódio foi confirmado pela Infraero, que afirmou que houve registros de gritos em Congonhas e que a segurança “agiu para garantir o embarque da escritora”.

+ sobre o tema

Os estados do Nordeste não são os mais racistas

Capa do jornal Folha de S. Paulo desta segunda-feira...

Passa na CDH projeto que tipifica o crime de racismo na internet

A veiculação de informações que induzam ou incitem a...

Sobrinha de George Floyd é baleada enquanto dormia em casa nos EUA

A sobrinha de George Floyd, homem negro morto pela polícia...

para lembrar

Professora trancava o banheiro porque “quem usava era uma negrada porca”

Uma professora que ensina jovens e adultos durante a...

Combate ao retrocesso nas cotas

"...Quando a universidade pública abriu as portas e ampliou...

Pinheirinho: violência policial é atestada; dois mil abusos

Relatório parcial divulgado neste final de semana pelo Conselho...
spot_imgspot_img

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...
-+=