Karina Buhr: “A PM mata as pessoas, principalmente preto e pobre”

Declaração foi dada em show que a cantora fez em evento da Anistia Internacional

Por Igor Carvalho  Do: Spresso sp 

A cantora Karina Buhr foi uma das atrações do evento que marcou o lançamento da campanha “Escreva por direitos”, da Anistia Internacional. Em sua apresentação, a artista não poupou críticas a Polícia Militar.

“A PM mata as pessoas, principalmente preto e pobre”, gritou a cantora entre uma música e outra. “No Brasil, se é preto e pobre, a polícia mata sem dó”, continuou.

Flora Matos também se apresentou no evento, que foi realizado no Centro Cultural Rio Verde, na Vila Madalena, zona oeste de São Paulo. “Quem aí é a favor da desmilitarização?”, perguntou a rapper, antes de sua apresentação, sendo aplaudida.

Com o intuito de mobilizar pessoas ao redor de todo o mundo, a Anistia Internacional está, mais uma vez, lançando a Maratona de Cartas: Escreva por direitos, a maior campanha anual por direitos humanos do mundo.

+ sobre o tema

Deputados pedem que Alckmin se abra a debate democrático sobre cotas

Audiência na Assembleia Legislativa tem críticas por projeto...

Racismo: ato-debate na USP 10/9 18h

Racismo, globalização e violência - o caso de espancamento...

Ministro israelense condena a violência contra imigrantes africanos

Por Jônatha Bittencourt   O Ministério das Relações...

para lembrar

É imperdoável que o racismo sofrido por Sabrina ainda aconteça em 2019

Cameraman de A Fazenda foi demitido depois da denúncia...

Já amanheci e caí em prantos, de cara. Sobrevoar uma comunidade atirando contra ela?

Já amanheci e caí em prantos, de cara. Coisa...

Gullit: ‘ O racismo aumentou no futebol europeu’

Por Pedro Venancio Ex-jogador da seleção holandesa, Ruud Gullit...

Filho de ex-lutador é vítima de preconceito racial

Em pleno século XXI, um país que se diz...
spot_imgspot_img

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...

Registros de casos de racismo aumentam 50% entre 2022 e 2023 no estado de SP

Números obtidos via Lei de Acesso à Informação pela TV Globo, mostram que o número de ocorrências registradas por racismo e injúria racial tiveram alta...

Justiça reconhece atribuições familiares das mulheres

Saiu da Justiça de São Paulo uma tão inédita quanto bem-vinda decisão de reconhecimento de atribuições familiares das mulheres, sempre exigidas, nunca valorizadas. Um...
-+=