Leis? Por quê? Linchar é mais divertido

Por: Leonardo Sakamoto 

 

 

Um homem de 47 anos foi espancado até a morte em Olinda (PE), na noite de sexta (3), por moradores que o confundiram com um suspeito de estupro. De acordo com a Polícia Civil, a vítima dormia em um terreno baldio quando foi linchado. Ele chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu.

Já tratei do tema neste blog, mas vou voltar a falar sobre o assunto toda a vez que uma turba idiota resolver fazer justiça com suas próprias mãos linchando alguém, ignorando o pacto que os membros da sociedade fizeram entre si para poderem conviver minimamente em harmonia. Abrimos mão de resolver as coisas por nós mesmos para impedir que nos devoremos. O sistema não é perfeito, longe disso, mas – no curto prazo, enquanto não temos consciência para podermos nos autogerir – a melhor saída é fazê-lo funcionar.

A vítima não teve direito à defesa ou à recurso. Foi julgado e executado pela estupidez humana (se com o devido processo legal, inocentes amargam anos de cadeia devido a erros, imagine sem ele?). O Brasil não tem pena de morte. Oficialmente, é claro. Porque muitos governos e suas polícias fingem que não sabem disso. E, não raro, turbas tratam de agir.

Em 2010, um outro homem foi espancado até a morte e teve a casa incendiada e o bar destruído após ser acusado de ter sido o responsável pela morte de uma adolescente em Marília (SP). A investigação, contudo, mostrava que a jovem poderia ter morrido por outro motivo. A turba idiota não quis saber e rolou, ladeira abaixo, uma bola de neve de rumores, fofocas e maldizeres, decidindo que ele era culpado. Ao final, questionado pela barbárie, um dos participantes da loucura declarou: “Se a gente fez, ele deve. Alguma coisa ele deve”.

E quando a massa decide ou é levada a crer sobre algo, mudar a posição é difícil – mais difícil que formá-la. Se a decisão é simples e plausível, melhor ainda. Por que imaginar que a vida real é complexa se as novelas nos ensinam a simplificar?

(“Levada a crer” porque nós, jornalistas, temos uma parcela grande de responsabilidade nisso. Sob a justificativa de estarmos prestando um serviço de informação à sociedade, muitas vezes incitamos a massa contra um suspeito ou um flagrante culpado de algo – principalmente quando somos sugados pelo círculo vicioso da busca pela audiência. Há jornalistas bons nesse negócio de destruir reputações e dar matéria-prima para incendiar a massa, mesmo sem querer. Afinal de contas, quantas vezes temos paciência e competência para checar informações antes de distribuí-las, seja nos veículos tradicionais, nos alternativos, nas redes sociais? Ou pensar nas consequências de nossos atos?)

Adoraria discordar de Oscar Wilde. Mas, nesse caso, ele cai como uma luva: “Há três tipos de déspotas. Aquele que tiraniza o corpo, aquele que tiraniza a alma e o que tiraniza, ao mesmo tempo, o corpo e a alma. O primeiro é chamado de príncipe, o segundo de papa e o terceiro de povo”.

De vez em quando, não sei de quem tenho mais medo. Da polícia, dos bandidos ou de nós mesmos.

O que me lembra o genial Monty Python, em “A Busca do Cálice Sagrado”:

 

Fonte: Blog do Sakamoto

+ sobre o tema

Cerca de 90 concursos devem oferecer mais de 75 mil vagas em 2013

Sete ministérios já têm aval para fazer seleções para...

Maioria dos americanos aceita monitoramento das comunicações

A maioria dos cidadãos americanos acredita que o programa...

Dez informações sobre a saúde e a medicina em Cuba

  Por Marco Weissheimer O jornalista Marco Weissheimer, do...

Campanha de vacinação contra a paralisia infantil começa no sábado

A Secretaria municipal de Saúde e Defesa Civil começa...

para lembrar

Falta respeito e dignidade, por Siro Darlan

Visitamos os “educandários” do Estado situados na Ilha do...

‘Casa Rosa’ vai acolher mulheres com câncer de mama em Santarém, PA

Ideia visa garantir um local a quem não tem...

O passo-a-passo da derrocada dos direitos

Por: Thiago Ansel UM. Imagine voltar para casa e dar...
spot_imgspot_img

‘Geração ansiosa’: transtornos mentais em crianças que vivem grudadas no celular aumentam no mundo todo

Veja o vídeo da matéria Crianças e adolescentes do mundo todo estão em perigo. É o que diz o livro “A geração ansiosa”, do psicólogo...

Unicef lança campanha para reforçar o combate à violência sexual contra crianças e adolescentes

No último sábado (18) foi celebrado o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Em um esforço...

Curso introdutório de roteiro para documentário abre inscrição

Geledés Instituto da Mulher Negra está promovendo formações totalmente online para jovens negres em todo o Brasil. Com um total de 6 formações independentes...
-+=