Líbia: mulheres criticam CNT por defesa de lei islâmica

As declarações do chefe do Conselho Nacional de Transição (CNT) Mustafá Abdul Jalil sobre a adoção da lei islâmica como base da legislação na Líbia preocupa, principalmente, as mulheres que temem por seus direitos.

Domingo, Abdul Jalil afirmou que a sharia será a principal fonte da legislação na nova Líbia, em discurso feito durante a cerimônia de proclamação da “libertação” do país.

“Como país islâmico, nós adotaremos a sharia como lei essencial. Toda lei que violar a sharia será legalmente nula e sem efeito”, disse, citando como exemplo a lei de divórcio e casamento.

No regime de Muammar Kadafi, a lei não proibia a poligamia, mas determinava pré-condições, como o consentimento da primeira mulher. O marido também precisava provar perante a justiça que tinha capacidade financeira para sustentar uma família múltipla.

“É chocante e insultante constatar que depois do sacrifício de milhares de líbios pela liberdade, a prioridade dos novos líderes é permitir que os homens casem em segredo”, lamentou Rim, uma feminista de 40 anos, “solteira e orgulhosa disto”. “Nós não vencemos Golias para viver na Inquisição”, denunciou.

Azza Maghur, advogada e militante dos direitos Humanos, acredita que “este não é o momento para fazer tais declarações”, e afirmou que prefere saber “sobre outros assuntos mais importantes, como o período de transição”.

“Não queremos perder o que conquistamos durante a era socialista dos anos de 1970. São assuntos que devem ser dialogados. A mulher tem direito de voz”, disse. Ela considera que Abdul Jalil “expressou seu ponto de vista como pessoa e não como Estado. Ele não tem o poder de anular as leis”.

Abdelrahman al-Chater, um dos fundadores do Partido da Solidariedade Nacional (centro-direita), afirmou que é “precoce falar na forma de Estado”. “Este é um assunto que precisa ser discutido pelas diferentes correntes políticas e pelo povo líbio”, disse.

“Estas declarações provocam uma sensação de dor e amargura nas mulheres líbias, que sacrificaram suas vidas para combater os homens do antigo regime”, afirmou al-Chater. “A anulação da lei do casamento, fará com que as mulheres percam o direito de ficar com a casa e os filhos em caso de divórcio. É uma catástrofe para as mulheres”, acrescentou.

A França e a União Europeia fizeram um apelo nesta segunda-feira pelo respeito aos direitos Humanos na Líbia, após as declarações de Abdul Jalil. Antes, o chefe do CNT tentou acalmar a comunidade internacional.

“Eu quero que a comunidade internacional fique assegurada do fato de que na condição de líbios somos muçulmanos, mas muçulmanos moderados”, declarou durante uma coletiva de imprensa. “Eu citei (domingo) como exemplo a lei do casamento e do divórcio, eu apenas quis dar um exemplo (de leis que vão contra a sharia), pois a lei (atual) autoriza a poligamia apenas com certas condições. A sharia, que se baseia em um verso do Alcorão, autoriza a poligamia” sem pré-condições, disse.

No domingo, outro exemplo de lei foi dado por Abdul Jalil, que anunciou a abertura de bancos islâmicos, proibidos pela sharia de cobrar juros.

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Feio não é ser mãe solteira. Feio é ser pai quando convém

Outro dia conversava com uma amiga sobre como é...

Laura Capriglione: é essa gente sem educação que quer assumir o poder?

‘Em pleno Dia Internacional da Mulher, os ricos resolveram...

Kiusam Oliveira fala sobre o livro “O mar que banha a Ilha de Goré”

Obra teve inspiração durante a participação do Festival Mundial...

Juízas de MT debatem Lei Maria da Penha em Londres

As magistradas mato-grossenses Amini Haddad Campos e Adriana Sant'Anna...

para lembrar

Camila Pitanga fala de machismo, amor e família

Capa da Marie Claire de junho, a atriz fala...

O castigo do “corpo gay”

Seria natural que a “Comunidade Gay” fosse um paraíso...

Nhá Chica é uma santa negra que nasceu escrava? – Fátima Oliveira

Nhá Chica, a santinha de Baependi, eu sempre soube...

Enegrecendo as redes: O ativismo de mulheres negras no espaço virtual

O presente artigo aborda os contornos que o feminismo...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=