Livres da queixa de racismo, agressores de Vagner Love são liberados

Atacante foi agredido dentro de uma agência bancária no dia 1º

Foto: Alexandre Durão / Globoesporte.com

Reviravolta no caso Vagner Love. Os três torcedores que estavam presos por agredirem o atacante do Palmeiras em uma agência bancária no dia 1º de dezembro, foram soltos na tarde desta sexta-feira. Nélio Ferreira e Silva, Maxsuel Santana Pereira e Deivison Correia Carvalho haviam sido detidos por crime de segregação racial , que previa reclusão de um a três anos.

Eles foram soltos porque o juiz que analisou o caso não aceitou a queixa de racismo. Eles foram indiciados por agressão, pagaram fiança e responderão o processo em liberdade.

Informado pela reportagem do GLOBOESPORTE.COM da liberação dos agressores, o advogado do Palmeiras, André Sica, diz que o clube continuará trabalhando em conjunto com o Ministério Público para que o trio seja punido. Vale lembrar que, para casos de agressão, a pena é revertida para serviços comunitários ou pagamento de cestas básicas.

– O Palmeiras agora não pode tomar mais nenhuma atitude, o caso está em uma instância superior. Vamos fazer o que for possível para que a justiça seja feita – disse.

O promotor do Ministério Público, Paulo Castilho, disse que agora o caso será resolvido no Jecrim – Juizado Especial Criminal.

– A minha posição é que os três sejam afastados por dois anos dos estádios de futebol. No dia em que o Palmeiras for jogar, eles precisarão se apresentar na delegacia. Com isso, eles ficariam longe de novas confusões. Vou propor isso ao promotor que pegar o caso e ver o que vai acontecer – afirmou.

Relembre o caso

No dia 1º de dezembro, o atacante, pouco antes do treino que aconteceria à tarde, foi a uma agência bancária localizada na avenida Antártica, na Zona Oeste da Capital. Um ambulante, que preferiu não se identificar, disse que, na saída do local, o camisa 9 do Verdão foi abordado pelos três torcedores, que questionaram seu desempenho em campo: “E aí, negão? Vai fazer gol ou não?”. Ainda de acordo com a testemunha, o jogador teria, então, chamado os torcedores para a briga e trocado socos e pontapés com eles.

Temendo ser novo alvo dos fanáticos, o goleiro Marcos, que estava na agência bancária, ficou do lado de dentro e chamou seguranças do clube, que apartaram a confusão. Segundo um vigilante da agência, os três entraram em um carro preto e ameaçaram o jogador de morte: ‘Vamos voltar e te pegar na bala’.

Love, que chegou a ter a roupa rasgada, os descreveu a policiais, que conseguiram localizá-los na rua Barão do Bananal, próximo ao local do incidente. Eles foram levados para o 23º DP de Perdizes e transferidos para a Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decrad), no Centro de São Paulo, onde são tratadas questões que envolvem torcidas organizadas.

Fonte: Globo Esporte

+ sobre o tema

A marcha contra o Genocídio do Povo Negro incomoda os inimigos

A marcha contra o Genocídio do Povo Negro incomoda...

Escola dos EUA ameaça expulsar menina com cabelo crespo e armado

Segundo família, escola de Orlando deu prazo de 1...

Mario Balotelli é advertido a não deixar campo em caso de racismo

Presidente da Associação Italian de Árbitros diz que atacante...

para lembrar

Time de vôlei faz ato contra homofobia em jogo

Uma manifestação de apoio e carinho bonita de...

Gilberto Gil fala de primeiro encontro com racismo e medo de morrer

Gilberto Gil está prestes a completar 80 anos. Se...

“Não está faltando cadeias. Está faltando é tronco em praça pública!” Por Douglas Belchior

  Por Douglas Belchior Meu irmão Marcelo Pereira “Dilá” compartilhou uma...

Boeing demite 65 funcionários por conduta racista, discriminatória e odiosa

A Boeing demitiu 65 funcionários e advertiu outros 53...
spot_imgspot_img

Prisão de torcedores deveria servir de exemplo para o futebol brasileiro

A condenação de três torcedores racistas na Espanha demonstra que, apesar da demora, estamos avançando em termos de uma sociedade que quer viver livre...

Futuro da gestão escolar

A educação pública precisa de muitos parceiros para funcionar. É dever do Estado e da família, com colaboração da sociedade, promover a educação de todas as...

Educação para além dos muros da escola

Você pode fornecer escolas de qualidade para os mais pobres e, mesmo assim, talvez não veja a mudança na realidade do país que se...
-+=