Luana Tolentino: Martinho da Vila, o PT e eu

por Luana Tolentino

Sem sombra de dúvidas, o samba é o meu gênero musical preferido. Na minha coleção de CDs, a elegância de Paulinho da Viola, a poesia de Cartola e o sincretismo de João Nogueira convivem harmoniosamente. Entre as mulheres, Beth Carvalho e Clara Nunes reinam absolutas. Nos dias festivos, Zeca, Arlindo Cruz e Fundo de Quintal são imprescindíveis. A meu ver, Mart’nália e Diogo Nogueira (Jesus!) são o que há de melhor na nova geração de sambistas.

Dentre tantos nomes, não poderia deixar de mencionar Martinho José Ferreira. Difícil escolher uma única canção entre obras-primas do compositor e escritor de Vila Isabel. Fico com “Meu laiá-raiá”, “Disritmia” e “Tom maior”, não necessariamente nessa ordem. Durante a faculdade, os versos de “O pequeno burguês” eram quase um hino – “Livros tão caros, tantas taxas pra pagar, meu dinheiro muito raro, alguém tem que me emprestar”. Apesar de tudo, bons tempos aqueles.

Na semana em que o PT completou 32 anos, lembrei-me muito de Martinho da Vila. Certa vez, em uma entrevista, Martinho falou da importância de filiar-se a uma agremiação política, ainda que para apresentar a carteirinha do partido durante uma abordagem policial. Como intelectual antenado e conhecedor das relações raciais no Brasil, nas entrelinhas, a assertiva de Martinho da Vila apontava para um dos resquícios do nosso passado escravocrata que, como um fantasma, insiste em nos assombrar. Ainda hoje, a população negra é vista por boa parte dos policiais como “inimigos perniciosos” a serem exterminados. Verdadeiros criminosos em potencial. A carteira de trabalho assinada e, como sugeriu Martinho, um documento de identificação de um partido político, são uma espécie de salvo-conduto, um atestado de bons antecedentes.

Embora Martinho não tenha mencionado nenhum partido, minha escolha já havia sido feita. Atravessei a cidade para me filiar ao Partido dos Trabalhadores. À época, estava fascinada pela ideologia de esquerda. Lembro das leituras apaixonadas das obras de Sartre, Marx, Abdias do Nascimento e Marilena Chauí. Havia acabado de ler “O cavaleiro da esperança”, a biografia romanceada de Prestes, escrita por Jorge Amado. As propostas petistas iam ao encontro dos meus sonhos, utopias e ilusões.

Confesso que fiquei um pouco decepcionada quando cheguei ao diretório do PT . Enquanto aguardava para ser atendida, dois funcionários assistiam às gargalhadas um vídeo na internet. A sensação de ser invisível é algo terrível. Pensei: até no PT é assim? O descontentamento inicial foi compensado pela emoção de preencher a ficha cadastral.

Ao chegar em casa, contei a novidade com uma felicidade inconteste. Meu pai, eleitor de Lula desde 1989, ficou todo orgulhoso. Achou o máximo! Minha mãe, como legítima mineira que é, ficou um pouco ressabiada. Não gostou muito da idéia. Disse que não queria me ver envolvida com política. Acho que o fato de ela ter uma filha geniosa e “mal-criada” como eu era o bastante. Militante de partido de esquerda seria demais.

luana tolentinoFaz 10 anos que resolvi seguir o conselho de Martinho da Vila. Até o presente momento não recebi a minha carteirinha. Mas, tudo bem. Tenho muito orgulho da opção que fiz. Escolhi apoiar um partido que teve à sua frente um cara predestinado que, como poucos, conseguiu a proeza de tornar-se um mito ainda em vida. Esse mesmo cara reduziu os índices de pobreza do país, devolveu a auto-estima aos brasileiros e, mesmo com a persistência de muitos problemas, deixou a certeza que podemos avançar muito mais.

Em tempos de festa, corre como um tsunami nas redes sociais a notícia de uma possível aliança entre o PT e o PSD de Gilberto Kassab na corrida pelas eleições municipais de São Paulo. Muita gente promete abandonar o barco caso a união se concretize. Soube que a decisão final será anunciada somente em março. Eu, como uma petista inveterada, torço para que tudo isso não passe de uma simples marolinha.

Luana Tolentino – mulher, negra, canhota, gêmea univitelina

 

 

Fonte: Viomundo

+ sobre o tema

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança...

para lembrar

Descriminalização das drogas afasta Marina de apoiadores

Por: Filippo Cecilio     A candidata do...

MPF devolve à PF inquérito sobre morte do indígena Paulino Guajajara no MA

Ministério diz que o inquérito estava incompleto. PF concluiu...

Violência contra criança e adolescente é inaceitável

O Conselho Municipal da Criança e do Adolescente deliberou...

Série de TV com Jesus negro desperta ira de conservadores nos EUA

Estreou nos Estados Unidos o seriado humorístico americano Black Jesus (Jesus...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...

Fome extrema aumenta, e mundo fracassa em erradicar crise até 2030

Com 281,6 milhões de pessoas sobrevivendo em uma situação de desnutrição aguda, a ONU alerta que o mundo dificilmente atingirá a meta estabelecida no...
-+=