Luiz Carlos Azenha: STF derrota a tese da guerra civil

por Luiz Carlos Azenha

Eu defendo as cotas raciais. Acredito que devam ser resultado de ações afirmativas adotadas no âmbito de cada instituição como, aliás, tem sido o caso no Brasil.

Respeito todos aqueles que argumentam contra as cotas, mas algumas das “teses” defendidas por eles são claramente risíveis.

Uma delas é de que a implantação de cotas raciais no Brasil causaria uma guerra civil. Considerando o número de universidades que já adotaram as cotas, a essa altura a guerra civil já deveria ter estourado.

A ideia da explosão de uma guerra civil entre brancos e negros, por causa das cotas raciais, resulta da visão distorcida que alguns poucos intelectuais têm da convivência entre os “de baixo”. Desconhecem os laços de solidariedade social e presumem, de forma um tanto elitista, que os brancos pobres não são capazes de reconhecer as injustiças históricas cometidas contra os negros.

É uma tese que desconhece, por conveniência, alguns fatos históricos, como o engajamento de centenas de milhares de brancos na luta pelos direitos civis nos Estados Unidos. Lá, sim, houve uma guerra — e não foi de negros contra brancos, mas de uma coalizão de negros e brancos contra o racismo oficial, institucional.

No Brasil, o argumento falacioso da guerra civil foi brandido, por exemplo, pelo todo-poderoso da TV Globo, Ali Kamel, numa discussão interna com o repórter Rodrigo Vianna. Talvez, aproveitando a decisão histórica do STF que considera as cotas constitucionais, seja o caso do Rodrigo contar de novo o caso. Rodrigo, àquela altura, questionava a postura unilateral da Globo na cobertura do assunto.

A emissora fez campanha aberta e declarada contra as cotas, usando para isso o Jornal Nacional. Podemos dizer, sem medo de errar, que a emissora acabou mobilizando e aglutinando em torno de si os que se opunham às cotas, garantindo a eles visibilidade com o objetivo de convencer a opinião pública das teses gestadas no Jardim Botânico. Neste esforço se engajou o DEM, autor da ADIN que está em julgamento no STF. Sim, sim, é mais uma demonstração da sintonia entre a emissora e o partido de Demóstenes Torres. No que mais atuaram juntos? Nos bastidores do mensalão, por exemplo — como aliás, notou Marco Aurélio Mello?

A questão, portanto, vai muito além da implantação ou não das cotas raciais no Brasil, mas do uso de um bem público — o espectro eletromagnético — por uma empresa privada para promover suas teses junto à sociedade brasileira, de forma distorcida e unilateral.

 Leia também

Rodrigo Vianna: Brasil vira a página do ‘racismo cordial’

Fonte: Viomundo

+ sobre o tema

Austrália propõe mudar lei, mas aborígenes querem mudança real

Por: Liz Lacerda Alison Golding tinha 10 anos...

O abismo entre Brancos e Negros

A desigualdade entre negros e brancos em um gráfico Em...

para lembrar

Rodo cotidiano: eu, um motorista, o preconceito e 2 fuzis

Poderia ser apenas mais uma história para ilustrar o...

Por que é tão difícil investigar abusos de policiais?

Entre as maiores dificuldades envolvidas no processo estão corporativismo...

Torcedores de clube israelita são detidos por racismo

A Polícia deteve seis torcedores do Beitar Jerusalem, de...
spot_imgspot_img

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...
-+=