Lula chora, mas volta com a língua afiada

por Rogério Santos

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) retornou ontem, em São Bernardo, às atividades políticas. Em seu primeiro ato público oficial após ser diagnosticado livre de um câncer na laringe, Lula roubou a cena. Ele esteve na inauguração do CEU (Centro Educacional Unificado) Regina Rocco Casa, nome dado em homenagem à mãe de sua mulher e ex-primeira-dama do Brasil, Marisa Letícia. Lula chorou, mas manteve linha crítica aos adversários e exaltou os companheiros de partido.

A participação de Lula no evento atraiu multidão de populares que se aglomeraram no local desde às 8h para ver o ex-presidente, que por recomendações médicas se manteve isolado do público.

Lula discursou por cerca de cinco minutos, exaltando o prefeito Luiz Marinho (PT), a presidente Dilma Rousseff e o pré-candidato à prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad. A última aparição pública do petista na cidade foi em outubro, quando esteve com crianças durante feira literária realizada na cidade. Na ocasião, ele declarou pela primeira vez apoio à pré-candidatura do ex-ministro da Educação ao Paço da Capital.

“Se eu tivesse juízo, não falava, porque a minha voz ainda não está boa. Espero que em 15 ou 20 dias estarei apto a me dirigir aos companheiros País afora”, projetou o ex-presidente, que enalteceu a figura de seu afilhado político, Luiz Marinho. “Estamos diante do homem que mais fez por São Bernardo e em menos tempo”, discorreu, em clara comparação com as getões anteriores do PSB e PSDB na cidade.

Sobre Dilma, disse que teve “razão” ao pedir votos a ela em 2010. “Da mesma forma que um metalúrgico mostrou que não precisa de uma pilha de diploma para cuidar de pobre, a Dilma vai mostrar que uma mulher não é inferior para cuidar do País”, declarou.

Lula se emocionou e chegou a derramar algumas lágrimas quando o deputado federal Vicente Paulo da Silva (PT), o Vicentinho, relembrou sua trajetória, vindo de Pernambuco para ser metalúrgico em São Bernardo. “O companheiro enfrentou inclusive o preconceito da elite na eleição (presidencial de 2002, a qual venceu).”

CANSAÇO

Visivelmente cansado e abatido, Lula interrompeu o discurso três vezes devido a crises de tosse. Tomou água e, após três tentativas de retomar a fala, desistiu.

Diagnosticado com câncer em outubro, ele iniciou imediatamente sessões de quimioterapia, tratamento que terminou no fim de março, quando exames demonstraram a ausência do tumor – também fez radioterapia. A partir daí, o ex-presidente, já afastado das atividades em seu instituto em São Paulo – tem feito sessões de fonoaudiologia e vai fazer também fisioterapia para recuperar massa muscular.

Fonte: Diário do Grande ABC

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

“Vergonha passageira” não deve afetar sucesso fora dos campos, diz brasilianista Peter Hakim

por Alessandra Corrêa A dramática derrota por 7 x 1 sofrida...

Ódio à inteligência: sobre o anti-intelectualismo

Os preconceitos não são inúteis. Eles tem uma função...

A oposição no divã

Por: Lúcia Avelar As legendas de centro-direita terão de...

Predominantes na classe C, negros movimentaram R$ 760 bilhões em 2012

De cada 100 pessoas que entraram na classe C...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=