EUA temem admitir força do Brasil, diz jornal britânico

The Guardian criticou postura de Obama durante visita de Dilma

 

 

Apesar das boas novas noticiadas pela mídia brasileira sobre a visita da presidente, Dilma Rousseff, aos EUA, em relação a outros parceiros internacionais o Brasil não recebeu o tratamento adequado à sua importância geopolítica durante a ocasião, afirmou o principal jornal britânico, The Guardian, nesta quarta-feira (11).

O artigo ressalta que Dilma á a segunda pessoa mais importante do hemisfério ocidental e que o presidente americano, Barack Obama, gastou muito mais tempo caçando ovos de páscoa no jardim da Casa Branca do que no encontro com a líder brasileira.

Ao comparar a visita da Dilma à Washington, capital americana, com a de outros líderes de nações de estatura política e econômica parecida, de fato, a presidente brasileira não recebeu nem metade da pompa que Rússia, China e Índia normalmente recebem.

O texto diz ainda que o Brasil é de longe o país dos BRICS (grupo formado por Brasil, Índia, Rússia, China e África do Sul) menos respeitado pelos EUA. O mais curioso é que dentre estes países, o Brasil é aquele que mais se assemelha culturalmente aos americanos e desfruta de valores como democracia e livre-mercado, que não são totalmente partilhados pelos outros os membros dos BRICS.

Para o The Guardian, Obama, assim como outros americanos, teme que ascendência da nação tupiniquim possa ofuscar e competir com o poder dos EUA na região. Uma das primeiras lições que as crianças americanas aprendem na escola sobre política externa é a famosa Doutrina Monroe que determinou que a América (continente inteiro incluindo América central, sul e Caribe) seria dos norte-americanos o que afastou influências externas da região, e permitiu que eles dominassem solitariamente o território por mais de 200 anos.

Atualmente, com o crescimento econômico e a importância política e cultural do Brasil, os americanos estão assistindo a falência da Doutrina Monroe e a ascensão de um competidor na região à altura. A política externa dos EUA está tentando fechar os olhos para o destaque do Brasil no mundo, mas um artigo crítico como este e escrito por um jornal inglês mostra que os tupiniquins chegarão mesmo que seja pela porta dos fundos. Aí vale a máxima do professor Zagallo.

 

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Metade das crianças violentadas foi agredida mais de uma vez

O Brasil registrou 58,3 mil casos de estupro de crianças e...

SP enquadrou 31 mil negros como traficantes em situações similares às de brancos usuários

Para a polícia de São Paulo, a diferença entre um traficante e...

STF retoma julgamento sobre descriminalização do porte de drogas

O Supremo Tribunal Federal (STF) retoma nesta quinta-feira (20)...

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

para lembrar

Moradores de Higienópolis e do Pacaembu reclamam de “invasão’

Por: LETICIA DE CASTRO Albergues fechados e ações policiais na...

Marina Silva e o legado que virou moda

Por Sérgio Vieira   Se alguém achou que...

Mulheres negras presidem pela primeira vez Comissões de Direitos Humanos em três Estados no Brasil

A deputada estadual Leninha (PT-MG), Renata Souza (PSOL-RJ) e...

Candidaturas negras aumentam e expõem desigualdade entre cargos e partidos

A participação de negros aumentou nas eleições 2020 em...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos e, se aprovado, representaria uma ameaça para a vida principalmente das mulheres mais pobres do...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu a obra Mulheres Sonhadoras, Mulheres Cientistas, composta por dois livros, das escolas e bibliotecas do município. Escritos por...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e constranger o governo, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, facilitou a aprovação de...
-+=