Lulu e Tubby: perpetuadores do machismo

Ambos Lulu e Tubby surgem como modo de perpetuação do machismo. E a opressão não se acaba com uma opressão reversa. Por Coletivo Feminista Yabá.

Recentemente, surgiu um aplicativo denominado “Lulu”, no qual as mulheres, numa falsa situação de “vingança”, motivadas pelo histórico de opressão e submissão por elas vivido – em que se inclui, por exemplo, a Ditadura da Beleza – tiveram a oportunidade de atribuir qualidades ou defeitos, bem como dar notas, aos homens, diante de sua imagem exposta no referido aplicativo.

Este gerou polêmica no universo das mulheres e nós sentimos a necessidade de nos posicionarmos, tendo em vista que a objetificação do corpo é um assunto que nos provoca intimamente, já que é comum à realidade feminina a opressão da sua sexualidade, a pressão em relação a padrões de beleza estereotipados, além de uma “conduta moral” imposta como correta às mulheres, numa sociedade machista e patriarcal.

Há aqueles que defendem o Lulu e que argumentam que este se torna uma reparação histórica de toda a opressão sofrida pelas mulheres e que, por meio do aplicativo, elas teoricamente se empoderariam e tornariam, de certo modo, as opressões iguais. A fala em si já ilustra o conceito do aplicativo, defendido por alguns: é uma tentativa de reparação histórica via opressão reversa, e que, muito pior, pode se voltar de uma forma muito pior contra nós, mulheres.

E foi o que, de fato, aconteceu. Pouco tempo depois da criação do aplicativo, foi elaborado um projeto “reverso” e que será lançado em breve: o Tubby, que funciona do mesmo modo que o outro, porém, agora, os alvos são as mulheres. Este vem de forma duplamente violenta, humilhante e extremamente machista. É usado a desculpa de ser uma “revanche” contra as mulheres, que apesar de ter sofrido essa opressão durante toda a história, merecem sofrer um pouco mais.

Nós acreditamos que ambos Lulu e Tubby surgem como modo de perpetuação do machismo e, principalmente, de ilustrar que a opressão NÃO se acaba com uma opressão reversa. Ela deve ser eliminada, em quaisquer sentido, para que não haja subjugação de gênero. Nós, do Coletivo Feminista Yabá, repudiamos tais aplicativos, que perpetuam o machismo, a relação de gêneros como uma relação de opressão e desigualdade, além de reafirmar a heterossexualidade como regra. Uma sociedade será igual e justa quando não houver distinção de tratamento por gênero, e muito menos sua dominação.

* O Coletivo Feminista Yabá é um espaço de auto-organização das mulheres do Curso de Direito da PUC/SP.

Fonte: Carta Maior

+ sobre o tema

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem...

Candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no Enem

O ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou que todos...

Liberdade para Ensinar e Aprender: Pesquisa Nacional Analisa Violências Sofridas por Educadores/as no Brasil

O Observatório Nacional da Violência contra Educadoras/es (ONVE), sediado...

para lembrar

Reivindicações do movimento negro beneficiam outros segmentos na educação

Política é revolucionária por reivindicar equidade num sistema alimentado...

O politicamente correto, o racismo e o Monteiro Lobato

Em novembro de 2010 escrevi um post Caçada de...

“Estudantes devem ser tratados como pessoas. Estamos fazendo isso?”

Tratar como pessoa é reconhecer, é valorizar. É entender...

Educação física, arte, sociologia e filosofia ficam no Ensino Médio

A Câmara dos Deputados decidiu incluir na reforma do...
spot_imgspot_img

FGV e Fundação Itaú oferecem bolsas de mestrado em comunicação digital e cultura de dados

A FGV-ECMI (Escola de Comunicação, Mídia e Informação da Fundação Getúlio Vargas) vai oferecer 30 bolsas integrais para o mestrado em comunicação digital e...

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas cívico-militares na rede estadual e municipal de ensino foi aprovada na noite desta terça-feira (21) na...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem sido objeto de debate em diversos contextos nacionais e internacionais, mobilizando famílias, a sociedade e...
-+=