“Luz Negra” recupera história negra esquecida

 

O musical “Luz Negra”, escrito e dirigido por Paulo Faria com seu grupo Pessoal do Faroeste, que tem Mel Lisboa no elenco, é exemplo de teatro resistente em uma das regiões mais temidas de São Paulo: a cracolândia, no bairro da Luz.

Por Miguel Arcanjo Prado Do Blog do Arcanjo

Ali é o lugar onde eles investem em um teatro musical brasileiro para contar parte de nossa história que foi esquecida: a criação, na década de 1930, do primeiro partido negro brasileiro, a Frente Negra Brasileira, que foi posto na ilegalidade por Getúlio Vargas durante o Estado Novo.

O texto apresenta a efervescência política, artística e intelectual de uma charmosa São Paulo dos anos 1930, com os primeiros negros com real possibilidade de mobilização artística e política em prol de sua etnia, em um Brasil ainda de ares escravocratas.

Para trazer poesia, a história é ambientada em uma rádio, na qual artistas e intelectuais negros trabalham. Nomes reais como Abdias do Nascimento (1914-2011), que criou o Teatro Experimental do Negro, viram personagens do musical, com letras também assinadas por Faria e música de Melvin Santhana, Thais Dias, William Simplício e elenco.

m os principais papéis: Raphael Garcia, Flávio Rodrigues e Thais Dias — esta última, atriz potente e de forte presença, domina o espetáculo como a primeira negra formada na Faculdade de Direito do largo de São Francisco. Todos cantam bem, cativando o público, sob direção musical de Felipe Roseno e Michi Ruzitschka.

No embate com a personagem de Thais Dias e fazendo o contraponto étnico, Mel Lisboa apresenta atuação envolvente e bem humorada, como uma ambiciosa atriz que tenta subir na carreira e acaba presenciando um crime lendário.

O elenco surge em cena misturado aos músicos, o que dá ritmo à encenação. Complementam o time de artistas Clency Santana, Cloddoaldo Dias, David Guimarães, Leona Jhovs, Melvin Santhana e William Simplício.

O espetáculo ainda faz conversar a movimentação política dos negros com a criação do mercado de cinema na região da Luz, que mais tarde se transformaria na Boca do Lixo. “Luz Negra”, assim, encerra a trilogia sobre a Luz feita pelo Pessoal do Faroeste — e que teve também as peças “Cine Camaleão”, em 2011, e “Homem Não Entra”, em 2013 — jogando holofote para uma história negra esquecida, mas merecida de ser lembrada à altura de sua importância.

“Luz Negra” * * * *
Avaliação:
Muito bom
Quando: Segunda e terça, 21h. 75 min. Até 26/4/2016
Onde: Sede Luz do Faroeste – Rua do Triunfo, 305, Luz, São Paulo – tel. 11 3362-8883
Quanto: pague quanto puder
Classificação etária: 14 anos

luz-negra-bob-sousa

+ sobre o tema

Coletivo Luiza Bairros: conheça grupo que atua no combate ao racismo institucional na UFBA

A principal estratégia utilizada é na exigência do cumprimento...

Após reivindicação do movimento negro, sítio arqueológico no centro do Rio será preservado

Diferente das ossadas humanas descobertas durante escavações próximas à...

Agenda única de eventos em novembro celebra a consciência negra na UFMG

Iniciativa, que une comunidade e gestão, integra formação, informação...

para lembrar

AKOBEN na Procuradoria Geral da Republica

O Akoben, movimento criado pela classe artística negra que grita...

Negros representam 51% da classe média no Brasil

Dos 36 milhões de brasileiros que ingressaram na classe...

Brasil passou mais de um século sem políticas públicas para o negro, diz professor

Brasília – Em palestra realizada na segunda-feira(19) na...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=