MAB organiza exposição internacional de arpilleras no Memorial da América Latina

A partir de setembro, o Salão de Atos Tiradentes apresenta peças internacionais de bordado criadas a partir de técnica originada na resistência à ditadura chilena. A exposição trará as arpilleras produzidas pelas mulheres atingidas por barragens organizadas no MAB

Do MAB Nacional

Entre 25 de setembro e 25 de outubro, o Salão de Atos do Memorial da América Latina, localizado ao lado do metrô Barra Funda, abrigará a exposição internacional “Arpilleras: bordando a resistência”, que reúne 37 peças de bordado construídas por mulheres de seis países da América Latina e Europa, com o objetivo de problematizar e transgredir o papel feminino na sociedade. Dessas arpilleras, 25 foram produzidas coletivamente pelas mulheres do Movimento dos Atigidos por Barragens (MAB).

As obras foram elaboradas por meio de uma técnica de bordado, conhecida como arpillera, popularizada mundialmente a partir da oposição realizada ao regime militar chileno (1973 – 1990). Na ocasião, mulheres das periferias de Santiago se utilizavam das roupas de parentes desaparecidos para denunciar as violações de direitos humanos cometidas pelo governo do general Augusto Pinochet.

Arpilleras Expo 5

No Brasil, a técnica foi resgatada pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) em oficinas realizadas com mais de 900 mulheres atingidas por projetos hidrelétricos nas cinco regiões do Brasil desde 2013. O resultado poderá ser visto nas linhas de 25 bordados da exposição.

Durante a programação, também estão previstas oficinas de bordados, com o objetivo de problematizar as violações de direitos humanos que envolvem o universo feminino, além de palestras e exibição de filmes.

Mostras

A exposição é dividida em duas mostras: Arpilleras Dialogantes traz 12 peças da coleção internacional Conflict Textiles, que reúne histórias de pobreza, repressão policial, desaparecimentos políticos, encarceramento, imigração, minas terrestres ou lutas indígenas.

detalhe 42

Atingidas por Barragens: Costurando os Direitos Humanos reúne 25 bordados sobre violações de direitos humanos confeccionados por atingidas por barragens das cinco regiões do Brasil, por meio de oficinas realizadas pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Lançamento

No dia 25 de setembro, as 19 horas, será realizado o lançamento da exposição no Salão de Atos Tiradentes com a presença da curadora da mostra Conflict Textiles, a chilena Roberta Basic, e bordadeiras do Movimento dos Atingidos por Barragens, seguido de coquetel e atividade cultural.

Serviço:

O que: Exposição “Arpilleras: bordando a resistência”

Quando: de 25 de setembro a 25 de outubro

Onde: Memorial da América Latina

 

+ sobre o tema

MEC é autorizado a abrir concurso para 1.439 vagas

Oportunidades são para Colégio Pedro II, Cefet, escolas técnicas,...

Vozes d´África – Jaime Sodré

Jaime Sodré A África clama por um novo olhar. Mulheres...

Minissérie contará a vida de dom Pedro Casaldaliga

  A vida de dom Pedro Casaldáliga, 84...

Getúlio Vargas, Lula e os direitos trabalhistas

Ex-presidente alerta que projeto de terceirização faria país retroceder...

para lembrar

Imprensa Negra: A Trajetória Visivel

Os Cadernos do CEAP fazem parte do projeto Camélia...

11 maneiras de cuidar da saúde mental em tempos de notícias difíceis

Você não está sozinho quando se sente atingido por...

Em SP, imigrantes se mobilizam por políticas públicas e respeito

Em francês, o jovem que pede para não ser...

Outubro Rosa: Super-heroínas ensinam autoexame para prevenir câncer de mama

Para lembrar que nenhuma mulher está imune ao câncer...
spot_imgspot_img

Evento do G20 debate intolerância às religiões de matriz africana

Apesar de o livre exercício de cultos religiosos e a liberdade de crença estarem garantidos pela Constituição brasileira, há um aumento relevante de ameaças...

Raça e gênero são abordados em documentos da Conferência de Bonn

A participação de Geledés - Instituto da Mulher Negra na Conferência de Bonn de 2024 (SB 60), que se encerrou na última quinta-feira 13,...

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...
-+=