Lei quer dar mais tempo para os pais ficarem com o recém-nascido

Um projeto no Congresso Nacional pode ampliar o tempo que pais e mães ficam afastados do trabalho após ter um filho, sem desconto no salário. O benefício valeria para ambos e também para casos de adoção. Hoje, apenas a mãe tem direito à licença-maternidade por um prazo de 120 dias.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC 110/11) é de autoria da senadora Marta Suplicy (PT-SP) e espera um relator para passar na primeira comissão (a CCJ, de Constituição, Justiça e Cidadania) do Senado.

De acordo com a senadora, a principal mudança é a transformação da licença gestante em licença natalidade, ampliando sua duração de 120 para 180 dias. Além disso, a concessão valeria para o pai ou para a mãe do bebê.

– Com a licença natalidade, esse período afastado do trabalho passa a ser direito da criança e não da gestante, como antes, podendo valer para o pai ou para a mãe. A decisão fica a critério da família.

Em casos de fatalidades, como quando a mãe do bebê morre no parto ou depois do parto, segundo a senadora, com a licença valendo para ambos os pais, fica garantido que a criança terá quem cuide dela no início. Em muitos casos, segundo ela, a mãe morre e o pai não pode cuidar pois não há previsão legal.

Licença-paternidade

A PEC também amplia a licença-paternidade, que hoje é de cinco dias. Se a modificação no texto for aprovada, a licença paternidade passaria a ser de 15 dias. Para a senadora, esse período é essencial para que o pai possa ajudar a mãe da criança.

– Para a mulher, que amamenta, é fundamental ter uma licença. Mas se ela tem outros filhos, cozinha, cuida da casa, ela fica muito cansada e é adequado que o pai possa ficar com ela nos primeiros 15 dias para ajudá-la.

O texto garante que a condição da licença paternidade seja dada “independentemente da natureza do casamento ou da união civil”, e também independentemente do estado civil do adotante.

A senadora reforça que garantir que o benefício seja dado a qualquer um dos pais é uma forma de estender o direito a todos os tipos de casais. Segundo o projeto, casais do mesmo sexo hoje já podem alcançar a paternidade e maternidade diante de fecundação artificial, por exemplo, e a Constituição precisa ser “ampla o bastante para abranger essa alternativa”.

Adoção

A ampliação do prazo da licença-maternidade para 180 dias e da licença-paternidade de 15 dias também valeria para casos de adoção ou concessão de guarda para fins de adoção, de acordo com o projeto da senadora.

A especialista em psicologia infantil da UnB (Universidade de Brasília), Angela Branco, diz que toda proposta que amplia o tempo de interação entre filhos e pais, principalmente quando recém-nascidos, é bem-vinda.

– Não há como negar que é importante uma possibilidade de interação maior entre os pais e a criança. É bom no presente e no futuro para a família.

Em casos de adoção, segundo a psicóloga, os benefícios são maiores ainda, já que auxilia na adaptação.

– A criança que foi adotada vai passar por todo um processo de adaptação à nova realidade, nova casa, nova família. Se os pais têm a disponibilidade desses 15 dias com ela isso facilita o processo, independentemente da idade da criança.

Fonte: R7

+ sobre o tema

“Se a solução não passar pelas mulheres. Não poderá se chamar solução”

A tendência feminista tradicional é dizer que Sororidade é...

Vontade de nada, mudanças na vida e cada pecado uma árvore

A vontade de nada voltou assombrar meu cotidiano, um...

Sobre tombamento – Por Stephanie Ribeiro

Fui numa festa da batekoo me deparei com pessoas...

Vilma Reis em visita à sede do Geledés

A socióloga e defensora dos direitos humanos, Vilma Reis,...

para lembrar

Maria vai com as outras #8: Feminismo Negro

A socióloga Márcia Lima encerra a terceira temporada numa...

“Negras cabeças”: exposição de baiana exalta mulheres de etnias africanas

Se hoje é comum vermos personalidades como Maju Coutinho,...

Entrevista com um g0y, um homem com particularidades

Há um pouco mais de um mês tomei conhecimento...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=