Manaus registra 13 casos de racismo no primeiro semestre, diz Polícia Civil

Além da discriminação racial, são enquadrados na lei os crimes contra os grupos étnicos, LGBTQ+, pessoas com deficiência, além da intolerância religiosa

Do A Crítica 

Imagem Geledés

Manaus registrou entre janeiro e junho deste ano, 13 casos de denúncias pelo crime de racismo, de acordo com um levantamento divulgado nesta quarta (14), pela Delegacia Especializada em Ordem e Política Social (Deops).  Em vigor há três décadas, a Lei 7.716/1989, estabelece punições aos crimes resultantes de preconceito, agressão, intimidação, difamação e exposição de um grupo por conta de sua raça, cor, sexualidade, etnia e religião.

Titular da Deops, a delegada Catarina Torres explica que, além da discriminação racial, podem ser enquadradas na lei de racismo atos que ofendam outros grupos étnicos, LGBTQ+, pessoas com deficiência, além da intolerância religiosa. A pena prevista é de um a três anos de reclusão e multa.

“É bom que traga testemunha porque, às vezes, o acusador diz o que aconteceu e o acusado nega tudo – o que é normal. Trazendo uma testemunha, isso já irá respaldar e, com uma maior tranquilidade, dar materialidade à acusação da vítima. Caso haja provas, podem também ser apresentadas na hora da denúncia. Mas na ausência delas, a testemunha é importante”, explicou Torres.

As infrações podem ser cometidas de diversas formas, seja por comentários, disseminação de imagens estereotipadas e difamatórias, entre outras ações depreciativas.

Crime inafiançável

O crime de racismo é inafiançável e imprescritível, ou seja, a vítima pode fazer a denúncia mesmo anos após ter sofrido a discriminação. Já a injúria racial, segundo a delegada, ocorre quando a ofensa é movida pelo “ódio e antipatia dirigida diretamente à honra da pessoa”. Ou seja, quando ela é tratada de forma pejorativa. Este crime consta no artigo 140 do Código Penal, sendo afiançável. O acusado pode pagar uma multa e responder em liberdade. A pena também é de um a três anos de prisão.

Denúncias 

A Deops fica no prédio da Delegacia-Geral da Polícia Civil, localizada na avenida Pedro Teixeira, no bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste da capital, em frente ao Centro de Convenções Professor Gilberto Mestrinho – Sambódromo de Manaus. A unidade funciona no horário comercial, das 8h às 18h. O contato telefônico é o (92) 3214-2268.

+ sobre o tema

Personalidades protestam contra racismo da H&M

The Weeknd e outros astros responderam à campanha com...

Parcialidade das investigações compromete combate à violência policial

Ser ameaçado, agredido e torturado pela polícia, denunciar à...

Quando a exceção quer ser regra

Menos de 1% dos adolescentes são infratores e poucos...

Instagram e a liberdade de expressão na rede: o caso @teresacristinaoficial

Durante a pandemia do COVID-19 o Instagram virou uma...

para lembrar

O hilário Gabriel Green responde: “perguntas de branco”

Gabriel se considera "uma enciclopédia a base de melanina,...

Cotistas do ProUni têm desempenho superior aos não cotistas, diz Haddad

O ministro da Educação, Fernando Haddad, disse...

Bancos planejam acabar com portas giratórias

Por: Laura Holsback e Mayara Sá   As...

Rede europeia contra racismo alerta para aumento de ataques da extrema-direita em Portugal

A Rede Europeia Contra o Racismo alertou esta quinta-feira...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=