Mandela celebra 94 anos com centenas de atos por toda a África do Sul

Ex-presidente sul-africano passará o aniversário com familiares em sua residência. Centenas de atos estão previstos para comemoração

O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela completa 94 anos nesta quarta-feira, um evento para o qual estão previstos centenas de atos solidários por todo o país e que desde 2010 é celebrado no mundo todo como o Dia Internacional de Mandela.

O ex-líder sul-africano passará seu aniversário acompanhado de sua família na intimidade de sua residência em Qunu, localidade onde viveu durante sua infância e à qual se transferiu em maio após uma breve internação em Johanesburgo para submeter-se a uma laparoscopia devido a uma dor abdominal. Sob vigilância médica desde 2011, Mandela “goza de boa saúde”, assegurou em maio passado o atual presidente da África do Sul, Jacob Zuma.

Embora o carismático ex-mandatário complete 94 anos na intimidade, o mundo celebra o Dia Internacional de Mandela, uma iniciativa da ONU para estimular todos os cidadãos a dedicarem 67 minutos a causas sociais, um minuto por cada ano que o líder sul-africano dedicou a lutar pela igualdade racial e o fim do apartheid.

Na África do Sul, o Centro da Memória de Nelson Mandela contou pelo menos 80 eventos organizados por ocasião do aniversário, indo desde a recuperação de escolas e a construção de casas até uma expedição ao Kilimanjaro, o monte mais alto da África.

A jornada começou com uma canção de aniversário a Madiba – nome do clã de Mandela em língua xhosa – entoada por 20 milhões de pessoas em diversas localidades do país. Estudantes em suas escolas e empregados em seus ambientes de trabalho se somaram a esta iniciativa para desejar-lhe um dia feliz.

Mandela se tornou o primeiro presidente negro da África do Sul após vencer as primeiras eleições multirraciais do país, em 1994, ano em que chegou ao fim o regime segregacionista do apartheid, imposto pela minoria branca sul-africana.

Sua mensagem de reconciliação e convivência entre as diferentes raças, que possibilitou a transição rumo a uma África do Sul democrática, lhe valeu o Nobel da Paz em 1993, prêmio que recebeu junto ao então presidente, Frederik Willem de Klerk.

 

 

Fonte: iG

+ sobre o tema

Lopito Feijóo fala sobre literatura africana na casa de cultura do Campo Limpo dia 22/09

O escritor Lopito Feijóo encontra-se no estado brasileiro de...

Livro reúne ideias dos principais pensadores africanos do século 20

Para o professor José Rivar Macedo, organizador da obra,...

Hoje É Dia De África

O Dia da África comemora-se anualmente a 25 de...

Tribos de Wakanda e suas inspirações na cultura Africana

O filme solo do rei de Wakanda, T’Challa, chegou aos...

para lembrar

Aos 75 anos, Nei Lopes lança ‘Dicionário de História da África’

Sambista, compositor e escritor prepara outros cinco livros e...

Fotos em preto e branco? Não. Incríveis desenhos de uma jovem artista nigeriana

Quando um lápis consegue o mesmo que uma câmera. Estas...

Etíopes vencem provas masculina e feminina da Maratona do Rio

A atleta etíope Znash Banerirga, de 21 anos, fez a...

Museu Whitney recorre a acervo para contar história do ativismo nos EUA

Instituição em Nova York exibe obras sobre protestos raciais,...
spot_imgspot_img

Um Silva do Brasil e das Áfricas: Alberto da Costa e Silva

Durante muito tempo o continente africano foi visto como um vasto território sem história, aquela com H maiúsculo. Ninguém menos do que Hegel afirmou, ainda no...

Artista afro-cubana recria arte Renascentista com negros como figuras principais

Consideremos as famosas pinturas “A Criação de Adão” de Michelangelo, “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli ou “A Última Ceia” de Leonardo da Vinci. Quando...

Com verba cortada, universidades federais não pagarão neste mês bolsas e auxílio que sustenta alunos pobres

Diferentes universidades federais têm anunciado nos últimos dias que, após os cortes realizados pelo governo federal na última sexta-feira, não terão dinheiro para pagar...
-+=