Marcha do Empoderamento Crespo leva autoestima a mulheres do Nordeste de Amaralina

Para Naira Gomes, mais do que uma questão econômica, assumir o crespo é uma forma de se sentir bem com o próprio corpo

Por Gil Santos Do Correio24Horas

Cuidar dos cabelos nunca foi tão fácil e tão barato, ao menos, é o que pensa a antropóloga Naira Gomes, 29 anos. Até os 16, ela desembolsava mais de R$ 100 todo mês em cremes alisantes. Hoje, são R$ 25 e criatividade.  “Descobri que poderia substituir uma prateleira cheia de cremes por apenas um, que misturo com açúcar para deixar meu cabelo mais sedoso. Descobri isso com o tempo, experimentando”, diz.

Gomes foi uma das palestrantes da Marcha do Empoderamento Crespo, realizada na Associação de Moradores do Nordeste de Amaralina, na tarde de ontem. Para ela, mais do que uma questão econômica, assumir o crespo é uma forma de se sentir bem com o próprio corpo.

A estudante de Psicologia Veluma Oliveira, 21, tem péssimas lembranças da infância. O uso do ferro no cabelo deixava o couro cabeludo machucado, a chapinha quebrava os fios e os elásticos apertavam demais. Mas, as feridas eram mais profundas.

“Na escola, recebia apelidos como ‘nega maluca’ ou ‘cabelo duro’ e isso doía. As princesas nos livros tinham o cabelo liso e as professoras só achavam lindo os cabelos lisos. Foram muitos anos de sofrimento”, contou emocionada, enquanto segurava uma das tranças do dread. Ela saiu da Liberdade para participar do evento.

Adultos e crianças lotaram o espaço para assistir às palestras, aprender a fazer turbantes e pinturas afros. Teve também contação de história. Emilly Almeida, 10, exibia seu black power com todo orgulho. “Minha irmã que fez. Eu uso desde os 7 e acho lindo”, contou.

RTEmagicC_MarchaCrespo1.jpg

A coordenadora do evento, Hilmara Bitencourt, 22, garante que essa é mais que uma tendência, é uma questão de identidade: “Trata-se de autoestima. De olhar no espelho e se reconhecer, sem precisar forçar o seu cabelo a ser o que não é”. A atração musical ficou por conta do grupo Quabales.

A Marcha realiza atividades em bairros e escolas. Interessados entram em contato pelo e-mail [email protected]. O lema é: “Cabelo crespo não é moda, é nossa luta, resistência e história!”.

+ sobre o tema

Tua amizade não compra o meu silêncio.

Eu conheci o silenciamento bem cedo. Desde minha infância...

Mulheres negras

  Ainda é gesto tímido escalar atrizes negras como protagonistas,...

A inadequação linguística de Carolina Maria de Jesus

Uma professora famosa de Literaturas de uma universidade famosa...

para lembrar

Por que marcham as negras

Mulheres pretas de todo o país vão a Brasília...

Ativista do Borel faz chamado para a “Marcha das Mulheres Negras”

Mônica Francisco, membro da Rede de Instituições do Borel,...

‘Reforma’ da Previdência agrava desigualdades contra mulheres negras

Proposta do governo Bolsonaro associada à "reforma" Trabalhista de...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=