Maria Clementina de Souza, 1ª delegada negra de São Paulo, morre aos 64 anos

Enviado por / FonteG1, por Kleber Tomaz

Maria Clementina de Souza, primeira delegada negra da história da Polícia Civil de São Paulo, morreu na madrugada desta sexta-feira (14), aos 64 anos, em razão de uma trombose, segundo familiares ouvidos pelo G1. Ela era conhecida por lutar pelos direitos dos negros.

De acordo com os parentes, Maria estava em casa quando teve uma trombose na perna, o coágulo subiu e causou uma embolia pulmonar. Ela ainda foi socorrida ao Hospital do Servidor Público Estadual (IAMSPE), mas não resistiu. Segundo a família, a morte não tem relação com a Covid-19, descartada com um teste, mas sim com problemas circulatórios que levaram à amputação de uma perna em 2018.

“Ela foi um exemplo para a família. Ela era ativista, era do conselho da comunidade negra, era atuante na OAB [Ordem dos Advogados do Brasil]. Ela tinha uma importância sumária”, diz à reportagem a escrivã Luana Alexandrina de Souza Nery, de 37 anos, sobrinha de Maria.

Luana contou que se tornou policial civil por causa da tia. “Ela sempre me inspirou e incentivou. Amava ser policial”, fala.

43 anos na polícia

Maria Clementina de Souza, delegada titular de delegacia de uma regiões mais violentas da cidade, na Zona Sul, é vista exercendo a função de policial com arma em punho. Foto de maio de 2003 — Foto: Agliberto Lima/Estadão Conteúdo/Arquivo

De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Civil, Maria começou a trabalhar na instituição em 1976, quando foi escriturária. Foram 43 anos na polícia.

Dois anos depois, se tornou operadora de telecomunicações. E após se formar na faculdade de direito, passou no concurso para delegada em 1982.

Em 1985, ela foi delegada-assistente na 1ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) do estado, na Sé, Centro da capital. Atualmente, essa delegacia mudou de endereço e funciona no Cambuci.

No tempo que trabalhou na Polícia Civil, Maria atuou também em delegacias nas cidades de Campinas, São Bernardo do Campo, Mauá e Guarulhos. Foi titular de algumas, como de outra DDM, anos mais tarde, da Delegacia do Idoso e também comandou alguns distritos policiais.

Ativista

Maria Clementina de Souza era engajada nas questões da participação do negro na sociedade — Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

Em 2008 ela viajou para os Estados Unidos a convite do governo americano para “participar do programa profissional a ser desenvolvido em várias localidades americanas, sobre a participação de afrodescendentes e de outros minorias no processo político dos EUA”.

Em 2018, Maria teve uma das pernas amputada por causa de um problema circulatório. Segundo a Polícia Civil, ela se aposentou em novembro de 2019.

Atuante nas questões sobre a participação do negro na sociedade, ela gostava de comentar diversos assuntos nas suas redes sociais.

Luana, a sobrinha de Maria, lembra que a última live da tia foi na quarta-feira (12), quando ela publicou um vídeo para falar do caso de uma juíza do Paraná que escreveu na sua sentença que “em razão da raça”, um negro era criminoso.

“Ela falava sobre o preconceito no mundo jurídico, citando essa decisão da juíza de Curitiba”, conta Luana. “Era uma ativista pelos direitos dos negros”.

Despedida

Maria Clementina de Souza, a primeira delegada negra do estado de São Paulo — Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

Segundo a família da delegada, Maria será velada nesta tarde numa cerimônia fechada para dez parentes no Cemitério Jardim da Colina, em São Bernardo do Campo.

“Posteriormente, ela será cremada, para que possamos levar as cinzas para a cidade onde ela nasceu, São Lourenço, em Minas Gerais”, diz Luana.

Divorciada, Maria deixa um filho de 25 anos que morava com ela.

Uma mulher que me inspirava, respirava liberdade, batalhadora sempre, levantando todos e todas do seu lado. Meu maior aprendizado foi a convivência com ela constantemente, que suas falas sempre foram aulas para mim. Mulher. Negra. Mãe. E uma inspiração para todas as gerações”, fala Arthur Quirino sobre sua mãe.

+ sobre o tema

para lembrar

Serena Williams protagoniza vídeo da Nike sobre empoderamento feminino

Vencedora de 23 Grand Slams, a tenista Serena Williams...

Precisamos reconhecer nossa palmitagem

Muito se tem discutido sobre a solidão da mulher...

Mulher negra sempre será subjugada, diz advogada Valéria dos Santos

Alvo de um episódio que causou revolta pelo racismo...

Um dia histórico para o Movimento das Mulheres

Ontem foi um dia histórico para o Movimento de...
spot_imgspot_img

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=