Maria da Penha recebe prêmio Franco-Alemão de Direitos Humanos

Brasileira está entre os homenageados em primeira edição da premiação, que acontece em Berlim.

Do G1

A Brasileira Maria da Penha, que cede seu nome à uma lei contra violência doméstica, recebe nesta quinta (1º) o Prêmio Franco-Alemão de Direitos Humanos. A cerimônia acontece em Berlim e a premiação será entregue pelos ministros das Relações Exteriores da França, Jean-Marc Ayrault, e Alemanha, Frank-Walter Steinmeier.

Maria da Penha foi escolhida como uma das personalidades estrangeiras que serão homenageadas logo na primeira edição do Prêmio. Ela foi selecionada por seu engajamento pessoal e pelo trabalho do Instituto Maria da Penha na luta pelo fim da violência contra mulheres.

Anualmente, de 10 a 15 pessoas que se destaquem na defesa e na promoção dos Direitos Humanos e do Estado de Direito serão premiadas, segundo a embaixada da Alemanha no Brasil.

Os demais ganhadores da edição 2016 do Prêmio Franco-Alemão de Direitos Humanos são: Wang Qiaoling (China), Eva Abou Halaweh (Jordânia), Tahmima Rahman (Bangladesh), Sarah Belal (Paquistão), Valentina Tcherevatienko (Rússia), Jacqueline Moudeïna (Chade), Thun Saray (Camboja), Sunitha Krishnan (Índia), Montserrat Solano Carboni (Costa Rica), Beverley K. Jacobs (Canadá), Pietro Bartolo (Itália), Maximilienne Ngo Mbe (Camarões), Oleg Goulak (Bielorússia), Mary Lawlor (Irlanda). Excepcionalmente, um prêmio especial será também concedido aos “capacetes brancos” sírios.

Lei Maria da Penha
Maria da Penha, de 71 anos, passou quase 20 anos lutando pela condenação de seu ex-marido, que a agredia e tentou matá-la duas vezes. Em um dos ataques, ela foi baleada e ficou paraplégica.

O caso chegou à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, da Organização dos Estados Americanos (OEA), que exigiu que o Brasil criasse uma legislação específica contra violência doméstica. A lei 11.340, sancionada em 7 de agosto de 2006 pelo então presidente Lula, recebeu seu nome como forma de homenagem.

+ sobre o tema

Um diálogo com Carolina Maria de Jesus

Saraus, Projeto Cine Viela e biblioteca comunitária com o...

O livro dos negros, Lawrence Hill

Obra de Lawrence Hill, vencedora do Prêmio Commonwealth Writers’...

Cidinha da Silva – Atotô

Agosto é mês de gosto. E das coisas que...

Lélia Gonzalez: Mulher Negra na História do Brasil

Neste ano de 2009, já contamos 15 anos que...

para lembrar

Marinha concede 1ª identidade militar a casal gay no Rio

Em agosto de 2011, logo após a decisão unânime...

Presidente Dilma terá encontro com mulheres ministras na África

A presidente Dilma Rousseff inicia no próximo domingo (16)...

Ministra Luiza Bairros rebate críticas e afirma dialogar com movimento negro

Reportagem do 'Estado' desta sexta-feira mostrou que Luiza Barros,...

Jacques Wagner homenageia líder religiosa Makota Valdina

O senador Jaques Wagner (PT-BA) homenageou a líder e...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=