‘Me joguei de um lance de escadas querendo fugir de tudo que eu estava passando’, relata vítima de Leandro Lehart

Enviado por / FonteG1

Rita de Cássia Corrêa aceitou contar ao Fantástico com exclusividade e deu detalhes de um crime hediondo. Leandro foi condenado a mais de 9 anos de prisão por estupro e cárcere privado e pode recorrer em liberdade. Ele nega as acusações.

Fantástico conversou com Rita de Cássia Corrêa, a mulher que denunciou o músico Leandro Lehart, do grupo Art Popular. Ela contou ao repórter Valmir Salaro que sofreu um abuso grotesco e repugnante, que destruiu a vida dela.

Leandro foi condenado a mais de 9 anos de prisão por estupro e cárcere privado e pode recorrer em liberdade. Ele nega as acusações.

Rita conversou com exclusividade com o repórter Valmir Salaro. Ela conta que começou a se aproximar do músico em 2017. Mas, em 2019, ela conta que passou por uma situação violenta e degradante, um trauma do qual até hoje não conseguiu se recuperar.

Ela conta que Leandro a deixou um bom tempo trancada no banheiro e que depois que foi solta, a conversa tomou outro rumo. Ela acusa Leandro Lehart de racismo.

“Ele disse: ‘Você acha que eu queria o quê? Relacionamento? O que você acha que eu gostaria de uma negrinha como você?’. Que não era para eu contar para ninguém, divulgar na mídia, procurar a polícia. Porque eu nem teria condições de pagar um advogado para me defender, que o dinheiro que ele tem, os advogados dele iam agir contra mim, que eu ia sair com uma aproveitadora”, conta.

Segundo ela, depois das humilhações e abusos, Leandro chamou um motorista de aplicativo e a deixou ir embora.

“Já fui direto para o banheiro. Já ali no chão mesmo, me despenquei a chorar e fiquei muito tempo ali tentando me higienizar, tentando tirar todo aquele cheiro horrível, aquele gosto, escovando meus dentes. Ali embaixo do chuveiro”, relembra Rita.

Desse dia em diante, a vida de Rita desandou. Ela convive com sérios problemas emocionais, perdeu o emprego de controladora de acesso no metrô de São Paulo, e até tentou o suicídio.

“Me joguei de um lance de escadas muito grande, ali no desespero. Querendo fugir de tudo que eu estava passando”, conta.

+ sobre o tema

Saúde: maternidade, aborto e violência sexual

A garantia de uma maternidade saudável e segura deve...

Mexeu com uma, mexeu com todas: atrizes apoiam estudante vítima de racismo

Depois de se unirem numa campanha contra o assédio,...

“Eu sei parir e meu filho sabe nascer”

A “epidemia de cesáreas” que acomete o Brasil deixa...

O que engenheiras ouvem todo dia? Alunas da Poli respondem

Mulheres representam menos de 30% dos ingressantes na Escola...

para lembrar

Mulheres também codam

“Vamos fazer um evento de tecnologia para mulheres, mas...

Dizer, Ouvir, Posicionar e Agir para combater o Racismo

“Eu sou uma mulher negra. Eu sou a mulher que,...

‘Nunca esteve tão atual’: Sueli Carneiro fala de livro sobre racialidade

Depois de 18 anos, a tese de doutorado defendida...

Mapa do Acolhimento

Nenhuma mulher deve sofrer sozinha Mexeu com uma, mexeu com...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=