Médica alerta para estupro de meninas silenciado por familiares

Especialista do Ministério da Saúde alerta que falta integração para combater os casos de violência

Do USP

Dados apresentados no evento Violência Sexual na Adolescência e Políticas Públicas no Brasil, da Faculdade de Saúde Pública da USP, apontam que o Departamento de Doenças Crônicas e Promoção da Saúde do Ministério da Saúde recebe, por ano, cerca de 50 mil denúncias de estupro de meninas entre 10 e 19 anos de idade. Dessas, 65% têm até 14 anos e os abusos acontecem dentro do núcleo familiar. O alerta é da diretora do órgão, Maria de Fátima Marinho. As informações partiram dos postos de saúde de todo o País.

A médica afirma que, de 2011 a 2015, 4.300 adolescentes tiveram um filho como resultado de estupro. Segundo ela, há resistência das famílias em denunciar os casos. Assim, a menina fica desprotegida e aparece nas unidades de saúde já grávida, num estágio sem quaisquer possibilidades de fazer alguma interrupção.

Manifestação na Avenida Paulista contra o estupro – Foto: Paulo Pinto/AGPT via Fotos Públicas

Maria de Fátima alerta que falta integração entre as instituições públicas para diminuir os casos. Segundo ela, o Ministério da Saúde alerta as promotorias e as Varas da Infância e da Juventude, mas o número de casos de gestações resultantes de estupros continua alto. A médica conta que deveria existir uma rede de proteção para retirar jovens da situação de violência por meio da interferência policial junto a uma assistente social. No entanto, ela explica que as equipes médicas notificam as autoridades sobre os casos de estupro e, posteriormente, lhes resta apenas fazer o parto da menina.

A médica aponta, ainda, que o preconceito com os casos gera menor oferta do serviço de aborto legal. Assim, muitas têm como única opção ser obrigadas a ter o filho.

O Jornal da USP, uma parceria do Instituto de Estudos Avançados, Faculdade de Medicina e Rádio USP, busca aprofundar temas nacionais e internacionais de maior repercussão e é veiculado de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.

Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

Você pode ouvir a entrevista completa no player acima.

+ sobre o tema

Mídia: Caso Eloá deve ser tratado como violência contra a mulher

Acontece desde o início da manhã desta segunda-feira (13),...

O tráfico de mulheres por meio de agências de modelos

PRDC move ação para que agências indenizem modelos vítimas...

Lei de combate à violência contra a mulher não impede crime

Apenas uma semana depois de ser solto, Jeffer Sandre...

para lembrar

Violência contra a Mulher: Aluna hostilizada por usar roupa curta na Uniban

'Eles estavam possuídos, fiquei com muito medo', afirmou estudante. Tumulto...

A lei “acariciou a onipotência” do goleiro Bruno

Por: FÁTIMA OLIVEIRA A personalidades delinquentes só a lei é...

Como resguardar as meninas da violência sexual dentro de casa?

Familiares que deveriam cuidar da integridade física e moral...
spot_imgspot_img

‘Não’ é ‘Não’, inclusive na igreja

No dia 29 de dezembro, o presidente Lula sancionou a lei do protocolo "Não é Não" (lei 14.786/2023), que combate violência e assédio sexual contra mulheres...

Lula sanciona lei que protege mulheres de violência em bares e shows

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a lei que cria o protocolo Não é Não, mecanismo de combate ao constrangimento e à...

Menina de 15 anos é vítima de estupro coletivo na noite de Natal; amigos são suspeitos, diz polícia

Uma adolescente, de 15 anos, foi estuprada na madrugada de Natal, 25 de dezembro, em Campo Grande (MS). De acordo com a polícia, os suspeitos...
-+=