Médica da Marinha é promovida e se torna 1ª almirante negra da história

Militar é a terceira mulher a alcançar o posto na cúpula da força naval

A médica Maria Cecília Barbosa da Silva Conceição, 58, foi promovida pela Marinha ao posto de almirante, tornando-se a primeira mulher negra a alcançar o posto na história da Força.

A promoção foi definida em fevereiro pelo almirantado, e a nomeação foi confirmada na última semana.

Com 28 anos de Marinha, ela participou nesta terça-feira (4) da cerimônia em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cumprimentou os oficiais-generais recém-promovidos, no Palácio do Planalto.

“Eu estou bastante feliz, me sinto recompensada. Nossa carreira na Marinha do Brasil é cercada de momentos difíceis, momentos bons, e a instituição abre essa oportunidade para que as oficiais alcancem, por mérito próprio, postos mais elevados durante a carreira. Me sinto recompensada e feliz por estar fazendo parte do grupo de almirantes da Marinha”, disse Maria Cecília à Folha.

Com a promoção, a almirante ocupará o cargo de diretora do Departamento de Saúde e Assistência Social da Secretaria de Pessoal, Saúde, Desporto e Projetos Sociais do Ministério da Defesa.

“Acho que isso [promoção] tem que ser um estímulo para que mais mulheres entrem nas Forças Armadas porque ela pode atingir até o posto mais alto. As mulheres só começaram a ingressar na Marinha em 1981 e, a partir de agora, deve se tornar cada vez mais natural que nós consigamos atingir os altos níveis, estes postos de almirante”, disse.

Antes de Maria Cecília, somente duas outras mulheres haviam alcançado o posto de almirante —a cúpula da Marinha. A primeira foi a médica Dalva Maria Carvalho Mendes, em 2012. Ela entrou na Marinha em 1981, ano que a Força permitiu o ingresso de mulheres.

Em 2018, a Marinha promoveu ao posto de contra-almirante a engenheira Luciana Mascarenhas da Costa Marroni.

“Agora foi a minha vez. Acredito que daqui para frente outras almirantes vão surgir porque nos quadros já entram grande número de mulheres”, concluiu Maria Cecília.

A Marinha e a Aeronáutica já promoveram mulheres aos cargos de oficiais-generais na última década. O Exército foi o último a permitir que mulheres participassem de cursos preparatórios para o generalato, e a previsão é que as primeiras a chegarem ao posto alcancem o posto em 2027.

Para chegar ao cargo de general quatro estrelas, o mais alto da carreira, o militar precisa entrar no Exército pela Aman (Academia Militar das Agulhas Negras). A primeira turma com mulheres só finalizou o curso em 2021, após 210 anos de história da instituição.

A cerimônia de cumprimento dos oficiais-generais recém-promovidos foi realizada nesta terça no contexto em que as Forças Armadas e o presidente Lula ensaiam uma reaproximação, após período conturbado em que os militares misturaram-se à política na esteira do bolsonarismo.

O evento, no Palácio do Planalto, é o primeiro de uma série que o Exército prepara para este mês, com a expectativa de que Lula participe de alguns deles.

Em 19 de abril, Dia do Exército, o presidente deve participar da comemoração da data; um almoço entre o mandatário e os generais do Alto Comando da Força também deve ser realizado neste mês.

No período da transição de governo havia receio entre militares de que Lula pudesse encampar a ideia que cresceu no PT, em 2016, de alterar os critérios de promoção de oficiais.

Lula, porém, emitiu um recado por meio de interlocutores de que queria somente despolitizar as Forças Armadas e buscar aproximação por meio do aumento no investimento dos projetos estratégicos de defesa.

+ sobre o tema

Para todas as mulheres do mundo

Para todas as mulheres do mundo   Video de María Luisa Do...

‘Véu também é liberdade’: a vida de uma muçulmana feminista no Brasil

Dana Albalkhi, 27, veste uma jaqueta de couro, brincos...

Estudo sobre homicídio de mulheres coloca Brasil em 7º lugar no ranking mundial

Estados com maiores números de casos violentos foram Espírito...

para lembrar

Nem machistas, nem fascistas

Um coletivo de homens que questiona seus privilégios, levanta...

Uma a cada quatro mulheres no mundo sofreu violência por parceiro, diz estudo

Uma em cada quatro mulheres sofreu violência doméstica ao...

Adélia Sampaio: primeira negra a dirigir um longa-metragem no Brasil

Por Guilherme Prado e Catarina Pignato, do Nexo  Mais de...

Ser feminista é assumir uma postura incômoda, afirmam militantes

Debate do UM BRASIL conta com a escritora e...
spot_imgspot_img

Julho das Pretas: ‘Temos ainda como horizonte sermos livres das amarras históricas’, diz ativista

No dia 25 de julho será celebrado o Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha. E em alusão a data, o Julho das Pretas é realizado...

Meninas negras de até 13 anos são maiores vítimas de estupro no Brasil; crime cresceu 91,5% em 13 anos

O número de estupros no Brasil cresceu e atingiu mais um recorde. Em 2023, foram 83.988 casos registrados, um aumento de 6,5% em relação ao ano anterior....

Eugênio Bucci, Marilena Chaui e Sueli Carneiro são finalistas do Prêmio Jabuti Acadêmico; confira a lista completa

A Câmara Brasileira do Livro (CBL) anunciou, nesta quinta-feira (18), os finalistas do Prêmio Jabuti Acadêmico, que contempla obras científicas em 29 categorias, como Artes,...
-+=