Anielle Franco: brancos têm privilégios ‘desde que o mundo é mundo’. Assista

Enviado por / FonteRBA

No Entre Vistas, da TVT, ministra da Igualdade Racial afirma que, num país marcado pelo racismo, “é “impossível deixar de tratar das pautas identitárias”, e defende as cotas raciais

Em participação no Entre Vistas desta semana, programa da TVT comandado por Juca Kfouri, a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, defendeu a política de cotas raciais, tanto nas universidades, como no serviço público. Ao mesmo tempo, ela aposta na “transversalidade” da questão racial, trabalhando em parceria com outros ministérios para combater o preconceito, a desigualdade e a violência que afetam essa parcela, que é maioria da população brasileira.

Nesse sentido, Anielle defendeu políticas de inclusão para o povo negro como “reparação histórica”. Não apenas pelos mais de três séculos de escravidão, mas também pela falta de oportunidades iguais, que ainda persiste.

“Os brancos estão aí, desde que o mundo é mundo, tendo privilégios. Então é importante dizer que é reparação histórica. A gente pode citar Sueli Carneiro – filósofa, escritora e ativista antirracismo –, que fala que os brancos sempre tiveram cotas”, afirmou a ministra. “Nós somos 56% da população. E o que falta de verdade são oportunidades. Para que isso aconteça, a gente está dando um empurrãozinho”.

Nesse sentido, ela afirmou que “impossível” tratar das chamadas “pautas identitárias”, num país marcado pelo racismo. E lamentou que setores progressistas relativizem a importância da questão racial. “Temos muito o que caminhar, trocar, evoluir coletivamente”. Citando novamente Sueli Carneiro, Anielle afirmou que, “entre esquerda e direita, continuo preta”.

Marielle: democracia fragilizada

Anielle é irmã da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ), executada com 18 tiros, no Rio de Janeiro, em março de 2018. O motorista Anderson Gomes também morreu na emboscada. Os ex-policiais militares Ronnie Lessa e Elcio de Queiroz foram presos e são acusados como autores dos assassinatos. Mas, passados cinco anos, não se sabe quem foi o verdadeiro mandante.

Para a ministra, enquanto a morte da sua irmã não for devidamente solucionada, a democracia brasileira estará ameaçada. Ela relatou que, para a família e pessoas próximas, a perda de Marielle ainda representa um “buraco” muito grande.

“Toda vez que paro e penso por que a Mari, vêm muitas coisas na minha cabeça, muitas especulações. Mas o que eu sei é que, enquanto a gente não conseguir responder minimamente quem mandou matar Marielle e por que, a gente segue tendo violência política, segue tendo a nossa democracia fragilizada”. No mês passado, por ordem do Ministério da Justiça, a Polícia Federal (PF) abriu novo inquérito para auxiliar nas investigações.

Filhas da Maré

Anielle disse que a irmã “tinha uma missão”, e hoje serve de exemplo a muitas pessoas que lutam pelos direitos humanos. E conta que se emocionou quando presenciou uma multidão gritando o nome de Marielle, quando participou de um ato de campanha de Lula no Complexo do Alemão, em outubro passado.

“Fiquei muito emocionada, porque depois de tudo o que nós passamos, ver o Lula ali, numa favela do Rio de Janeiro, com aquelas pessoas, muitas mulheres negras faveladas, me deu esperança de dias melhores. Falei: ‘essa eleição é nossa’”.

Nesse sentido, Anielle afirma ter orgulho das suas raízes, fincadas noutro complexo de favelas do Rio de Janeiro, o da Maré. “A Maré forma gente, ensina a ter a sagacidade de viver, num país onde, infelizmente, ainda tem muitos jovens negros que morrem diariamente”.

Confira o Entre Vistas com Anielle Franco

+ sobre o tema

Passeio pela mostra “Um defeito de cor”, inspirada no livro de Ana Maria Gonçalves

"Eu era muito diferente do que imaginava, e durante...

Taís faz um debate sobre feminismo negro em Mister Brau

Fiquei muito feliz em poder trazer o feminismo negro...

Conheça a história de Shirley Chisholm, primeira mulher a ingressar na política americana

Tentativas de assassinato e preconceito marcaram a carreira da...

Roda de Conversa: Mulher, raça e afetividades

O grupo de pesquisa Corpus Dissidente promove a roda...

para lembrar

Controle de emissoras por políticos leva à falsificação da democracia

Ação no STF pede inconstitucionalidade de outorgas concedidas a...

Qual a cara da democracia brasileira?

Dos movimentos sociais a juristas, dos intelectuais a artistas,...

Pacto pela Democracia

  O Brasil vive um momento decisivo. Poucas vezes estivemos...

Atletas se unem em manifesto pela democracia e contra o racismo

Formado por atletas, ex-atletas, jornalistas esportivos, comentaristas e árbitros,...
spot_imgspot_img

Fórum da ONU em Genebra discute desenvolvimento econômico dos negros

No terceiro dia do 3º Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes, promovido pela ONU, em Genebra, a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, destacou a importância...

Ministério da Igualdade Racial lidera ações do governo brasileiro no Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU

Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, está na 3a sessão do Fórum Permanente de Afrodescendentes da ONU em Genebra, na Suíça, com três principais missões: avançar nos debates...

Foi a mobilização intensa da sociedade que manteve Brazão na prisão

Poucos episódios escancararam tanto a política fluminense quanto a votação na Câmara dos Deputados que selou a permanência na prisão de Chiquinho Brazão por suspeita do...
-+=