A mensagem por trás do novo comercial da Nike protagonizado por Colin Kaepernick

Estrelas da Nike protagonizam comercial comemorativo do slogan Just Do It

por LARISSA DAIM no Vavel

Foto: Reprodução/Nike Instagram

Saiu nesta quarta (05) o vídeo comemoração dos 30 anos do slogan Just Do It da Nike. Poderia ser qualquer comercial comemorativo, mas a ressignificação da motivação usada em todos os outros comerciais é especial. O vídeo tem um minuto de duração, com um texto forte sobre acreditar nos ideais “mesmo que isso signifique sacrificar tudo”, e Colin Kaepernick – ex quarterback do San Francisco 49ers, narrando.

O motivo é muito maior do que se imagina. A história por trás ultrapassa os limites do campo e passa a ser uma questão cultural do país conhecido como defensor da liberdade de expressão. Kaepernick, enquanto jogava nos 49ers, começou a se ajoelhar durante a execução do hino nacional antes das partidas começarem. Iniciou o processo durante a pré-temporada de 2016 após a eleição do atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. O ato era uma forma de protestar contra o tratamento que pessoas negras recebiam no país.

Outros jogadores passaram a usar o mesmo gesto para expressarem suas insatisfações com a situação cada vez mais grave depois de tantas violências policiais e declarações racistas do recém-eleito presidente. Até que o simples ato de Kaepernick tomou uma repercussão fora do campo. À época, Trump se manifestou no Twitter sobre boicotar a NFL (sugerindo que os torcedores abandonassem as idas aos estádios) e demitir seus jogadores que se “atravessem” a protestar, alegando ser uma falta de respeito com a bandeira do país. Tudo piorou. Alguns jogadores sequer compareceram à cerimônia do hino, cantores também fizeram o mesmo e até levantaram o punho.

É mais do que football, é cultural. Surgiram debates entre acadêmicos, jornalistas e outros formadores de opiniões sobre a interpretação da letra do hino nacional que supostamente sugeria racismo e escravidão. Não somente isso, Kaepernick desmascarou aqueles que tentavam cobrir a tensão racial nos Estados Unidos, a falta de segurança pública (visto que um dos maiores motivos do protesto é o tratamento da polícia para com os negros) e a falta de representatividade de jogadores negros no esporte.

Acreditar nos ideais custou caro ao jovem jogador. A NFL presa pelo comportamento extracampo de um atleta somando com o talento dentro dele. Atualmente Kaepernick está sem contrato e sendo praticamente ignorado pelas franquias, e acredite, algumas delas poderiam/pagariam (para) tê-lo no elenco. Mesmo assim deu as caras com sua causa no comercial da empresa distribuidora oficial dos produtos da Liga.

 

View this post on Instagram

 

Believe in something. Even if it means sacrificing everything. #JustDoIt

A post shared by colin kaepernick (@kaepernick7) on

A valorização de um sacrifício: Nike e Kaepernick

Após o anúncio de campanha, a Nike passou a sofrer boicotes com pessoas queimando e rasgando produtos da marca, suas ações caíram em 2% e ainda foram protagonistas das reclamações de Donald Trump no Twitter que falou sobre a “terrível mensagem” que o comercial oferece.

A NFL por sua vez demonstrou ter dado o aval para a campanha rolar após a declaração do porta-voz, Jocelyn Moore, dizendo que “as questões de justiça social que Colin e outros atletas profissionais defendem merecem nossa atenção e ação”. Muitos ativistas foram contrários aos sentimentos da liga e apesar de apoiarem a causa de Kaepernick antes repudiaram a atitude da Nike. Outros foram a favor da mensagem e significados impostos de uma só vez no comercial.

O vídeo vai ao ar amanhã (06) durante o intervalo da transmissão de Eagles @ Falcons no jogo que abrirá a temporada regular da NFL. Assista agora, na íntegra:

+ sobre o tema

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

Voto feminino faz 92 anos; ação de ativista alagoana marca luta

Homens observam uma mulher diante da urna. Ela, vestida...

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente...

para lembrar

(Des)igualdade e as práticas sociais

JOSÉ EDUARDO DA SILVA "Olha de novo: não existem...

Pichação racista é encontrada em banheiro do Mackenzie

Uma imagem que circula nas redes sociais mostra uma...

Grêmio entrega vídeo e quer punição a torcedor racista

Zagueiro Paulão, do Inter, foi vítima de racismo durante...

Polícia vai investigar crime de racismo contra Taís Araújo

Perfil da atriz em rede social recebeu comentários de...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

‘Fui um menino negro criado por avós supremacistas brancos que me ensinaram a saudação nazista’

Shane McCrae é um consagrado poeta norte-americano. Ele foi premiado diversas vezes, publicou uma dezena de livros e é professor de redação criativa da...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...
-+=