Mentira de nadadores norte-americanos toca em ferida aberta de brasileiros

Quando um grupo de brasileiros irritado vaiou os nadadores norte-americanos campeões olímpicos Gunnar Bentz e Jack Conger, os chamando de mentirosos e dando um peteleco na orelha de um deles, os jovens atletas pareceram chocados com a reação raivosa.

Por Daniel Flynn e Brad Brooks Do Extra

Do que eles pareceram não se dar conta foi que a história inventada sobre como eles e dois colegas de equipe haviam sido assaltados e ameaçados com um arma –supostamente contada para encobrir um ato de vandalismo em um posto de gasolina do Rio– tocou em uma ferida aberta no Brasil.

O brasileiro, apesar de profundamente orgulhoso do país, sabe perfeitamente dos seus problemas: corrupção, pobreza e violência, entre outros. E normalmente olha para os Estados Unidos com uma mistura de respeito, admiração, inveja e ressentimento.

A relação complicada já levou a episódios envolvendo norte-americanos que desafiaram a lei brasileira, provocando indignação. O escândalo dos nadadores se encaixa na visão típica brasileira dos “norte-americanos desagradáveis”.

“O Brasil é um país que já tem um complexo de inferioridade quando o assunto é os Estados Unidos”, afirmou Esther Solano, uma socióloga da Universidade Federal de São Paulo, em visita ao Rio para os Jogos.

“Então as pessoas se sentem vulneráveis e irritadas quando norte-americanos vêm aqui e agem como se pudessem fazer o que quisessem, sem respeito pelas leis ou pelas pessoas.”

Em 2009, quando o Brasil foi escolhido para sediar os Jogos, a economia estava indo muito bem. O então presidente, Luiz Inácio Lula da Silva, disse que o fato mostrava que o Brasil havia se tornado um país de “primeira classe”.

No entanto, os preparativos para os Jogos foram afetados por uma grave crise política e pela pior recessão econômica das últimas décadas, agravada pelas investigações de corrupção da operação Lava Jato, além das críticas sobre o fracasso em limpar a Baía de Guanabara.

Depois que alguns assaltos foram registrados durante os Jogos, inclusive a dois ministros de governos estrangeiros, atletas e turistas, e de longas filas nos estádios, as alegações dos nadadores norte-americanos pareceram ser a humilhação final.

Quando a mentira deles foi revelada, a reação imediata de muitos brasileiro foi: “Imagine o que aconteceria se um brasileiro fizesse isso nos EUA?”. Essa foi uma pergunta feita por legiões de brasileiros nas redes sociais nos últimos dias.

“A impressão que dá é que eles chegaram achando que aqui era uma terra sem lei, que iam fazer o que quisesse e que iam sair safos”, disse Marcelo Vieira, de 33 anos, no Parque Olímpico.

Ainda assim, os brasileiros também mostraram o seu bom humor. Memes envolvendo o nadador Ryan Lochte, acusado pela polícia de ser o protagonista do vandalismo e da invenção da história, inundaram o Facebook e o Twitter, muitos o mostrando como o boneco Pinóquio.

“A gente aqui do Rio está acostumado com tiro, assalto, com tudo que tem de ruim”, disse Paulo Henrique Cunha, um contador de 73 anos. “Mas aí vem os gringos e querem inventar que foram roubados? Aí não.”

+ sobre o tema

Bolsonarismo ataca democracia de todas as formas

O risco democrático que o bolsonarismo representa não se...

Peritos das Nações Unidas avaliam condições de vida dos africanos em Portugal

Por: António Pereira Neves Genebra, 14 mai...

O surgimento dos ‘coxinhas’ Por Sergio da Motta e Albuquerque

Os protestos iniciados em junho trouxeram com eles...

Senador republicano adere a Obama

Folha de São Paulo quarta-feira, 29 de abril de...

para lembrar

Até quando a sabotagem conservadora poderá resistir?

por Saul Leblon A Folha quer ser...

O país sul-americano que deve crescer 14 vezes mais que a China neste ano

A Guiana ganhou na loteria e está prestes a...

Rápido como uma bala

Rápido como uma bala. Sob o título "É um...

Sociedade brasileira é ‘racista’, afirma futuro presidente negro do TST

Primeiro negro eleito para presidir o Tribunal Superior do...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=