Mercadante costura apoio de 5 partidos em SP

Senador petista consegue o endosso de PC do B, PDT, PRB, PPL e PR para disputar o Palácio dos Bandeirantes e isola PSB na corrida estadual

O senador Aloizio Mercadante (PT-SP) arrematou ontem o apoio de cinco partidos para disputar o Palácio dos Bandeirantes na eleição de outubro. Poucas semanas depois de acertar com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sua entrada na corrida estadual, o senador organizou um almoço em sua casa, na capital paulista, para selar um acordo com PC do B, PDT, PRB, PPL e PR.

O primeiro contorno dado à chapa petista ajudou a empurrar o PSB para o isolamento. A sigla, que há poucas semanas era assediada pelo PT, tinha esperanças de atrair ao menos parte dessas legendas para a candidatura do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf. Entre os alvos da estratégia estavam PR, PRB e PC do B.

Num cenário com oito candidatos, entre eles Skaf e o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), essa coligação, acrescida do PT do B ? que também negocia com o PT ? renderia a Mercadante pouco mais de 4 minutos na propaganda partidária no rádio e na TV ? quase um quarto de cada bloco de 18 minutos reservado a candidatos a governador.

“Ainda vamos reunir nossa Executiva, mas demos um passo grande e o Mercadante está muito entusiasmado”, disse a presidente estadual do PC do B, Nádia Campeão, que foi vice do petista em 2006. Desta vez, porém, a vaga de vice deve ficar com o PDT. O PT queria o prefeito de Campinas, Dr. Hélio. Mas o PDT ofereceu o nome do prefeito de Indaiatuba, Reinaldo Nogueira.

A montagem da coligação tende a azedar ainda mais a relação entre PT e PSB, que começou a balançar desde que os dois partidos deram por enterrado o projeto de transformar o deputado Ciro Gomes (PSB) em candidato da base ao governo de São Paulo.

Oficialmente, o PT insiste no discurso de que não deixará de tratar o PSB como aliado. Nos bastidores, os dois lados admitem que um novo acordo é praticamente impossível. “Não vamos tratar Skaf e o PSB como nossos adversários. Vamos investir para manter o diálogo”, arriscou o presidente do PT-SP, Edinho Silva.

O PDT, porém, não disfarça que está por trás do veto a Skaf, o que ajudou a minar a aliança com o PSB. “Nossa posição aqui foi muito clara. Se o Paulo Skaf estiver em qualquer um dos quatro cargos principais da chapa ? governador, vice ou uma das vagas para o Senado ? o PDT está fora da aliança”, disse o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força Sindical (SP).

Fonte: Estadão

+ sobre o tema

Minha Casa, Minha Vida: Governo amplia limite de renda para compra da casa própria

Rendimento mensal máximo sobe de R$ 4.900 para R$...

O duplo desafio de Obama

- Fonte: O Estado de São Paulo - Conforme...

Eleição tem mais brancos que a proporção da população brasileira

A maioria dos candidatos das eleições deste ano se...

A antielitização latino-americanas

Por: Amílcar Salas Oroño     As elites latino-americanas enfrentam uma crise...

para lembrar

O cabelo dos meninos pretos – por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva Algo de sinistro acontecia com os...

Texto exemplar da Juíza Federal Raquel Domingues do Amaral

"Sabem do que são feitos os direitos, meus jovens? no...

É só alegria! Por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva Os dias eram pré-carnavalescos no Rio...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=