Mercadante… de novo!

Quando um ministério como o da Educação vira prêmio de consolação de político que não se saiu bem, não há mais que se falar em uma eventual “pátria educadora”. Se é certo que o exemplo vem de cima, então está dado o recado.

Por Luiz Carlos de Freitas Do Avaliacão Educacional

Elza Fiuza/Agência Brasil

Não deu certo na Educação quando foi Ministro da pasta. Não deu certo na Casa Civil. Depois de dois fracassos, era de se esperar que o despachassem para São Paulo, de volta. Mas não: ganha o prêmio de administrar a Educação, de novo.

Para a educação é retrocesso. Como tem sido o governo Dilma em educação, desde o primeiro mandato. Não há que comparar Mercadante a Janine. Aliás, Janine não merecia isso. Foi convidado, acreditou, deu a cara a tapa e é dispensado meses depois.

Em um ano de desgoverno, este será o terceiro Ministro da Educação. Como ter projetos e programas contínuos se não se sabe quanto tempo dura um ministro. E quanto tempo fica Mercadante, sempre de olho em processos eleitorais.

Aliás, Mercadante na Casa Civil bloqueava as reformas no MEC que poderiam ter retirado de lá representantes dos reformadores empresariais da educação em alguns órgãos. Não há nada, portanto, que assinale que tais mudanças poderão ocorrer agora.

Mas poderíamos estar comemorando que o Ministério da Educação foi para o PT e não para o PMDB, por exemplo. Ledo engano: Mercadante é aquele que disse, quando Ministro da Educação da outra vez que: não importa se uma vaga na escola é pública ou privada, importa que exista.

De Ministro em Ministro, vamos perdendo a oportunidade de fazer a educação que precisamos: comprometida com a educação pública de qualidade, de gestão pública.

Qual é mesmo o projeto educativo deste governo? Três Ministros depois do início do governo, não sabemos. E não completamos um ano. Um caiu porque era “bocudo”, o outro por “conveniência alheia” e o terceiro retorna por “conveniência própria”. Ou não tem mais ninguém no PT para assumir a educação? O que esperar de um Ministro que já está, tanto dentro como fora do Ministério, desmoralizado? E ainda sem dinheiro! Muito pouco para o que a educação precisa.

+ sobre o tema

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem...

Candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no Enem

O ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou que todos...

Liberdade para Ensinar e Aprender: Pesquisa Nacional Analisa Violências Sofridas por Educadores/as no Brasil

O Observatório Nacional da Violência contra Educadoras/es (ONVE), sediado...

Taxa de alfabetização chega a 93% da população brasileira, revela IBGE

No Brasil, das 163 milhões de pessoas com idade...

para lembrar

Letramento racial – a saga! – Por: Cidinha da Silva

Escrever uma crônica é algo trabalhoso, pelo menos para...

A Literatura infantil contemporânea e a temática racial

A criança mistura-se com os personagens de maneira muito mais...

Inscrição para vestibular das Fatecs começa nesta sexta

  As inscrições para o processo seletivo das Faculdades de...
spot_imgspot_img

Projeto de escolas cívico-militares é aprovado na Alesp após estudantes serem agredidos por policiais

O projeto de lei que prevê a implementação das escolas cívico-militares na rede estadual e municipal de ensino foi aprovada na noite desta terça-feira (21) na...

Educação domiciliar e seus impactos para a convivência democrática

A educação domiciliar, também conhecida internacionalmente como homeschooling, tem sido objeto de debate em diversos contextos nacionais e internacionais, mobilizando famílias, a sociedade e...

Candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no Enem

O ministro da Educação, Camilo Santana, anunciou que todos os candidatos do Rio Grande do Sul terão isenção no pagamento da inscrição do Exame Nacional...
-+=