“Microcefalia nunca me limitou; quero dar aula para alunos com deficiência”

Logo quando nasci fui diagnosticada com microcefalia, meu crânio era menor do que a média e por isso os médicos chegaram a dizer para os meus pais que eu poderia não falar, andar ou me alimentar sozinha.

Com nove dias de vida fiz a minha primeira cirurgia para correção na face, porque nasci com um afundamento no rosto que prejudicava a minha respiração. Até os meus 12 anos – período de crescimento do crânio – foram sete cirurgias. Todos os procedimentos foram para correção do tamanho da minha cabeça para que o meu cérebro pudesse se desenvolver e não prejudicasse as minhas atividades motoras e intelectuais.

Comecei a frequentar a escola, em Campo Grande, ainda na pré-escola. Meus pais e professores sempre acompanharam o meu desenvolvimento de perto e me deram liberdade para que eu desenvolvesse a minha autonomia.

Desde pequena gostava muito de estudar e já no ensino fundamental eu adorava as disciplinas da área de humanas, como português e história, mas fazer contas sempre foi um desafio.

‘Fui vítima de preconceito e me isolei na escola’

Por ter cicatriz de uma cirurgia bem aparente na testa fui vítima de bullying e preconceito. Alguns colegas de sala me deixavam de lado e diziam que a minha doença, que na verdade é uma síndrome, era contagiosa.

Os olhares das pessoas me acuavam e cada vez mais fui me isolando do convívio com outros alunos e acabei não tendo muitos amigos nessa fase da vida. Devido à microcefalia, a minha saúde também exigia alguns cuidados. Até os 13 anos fiz acompanhamento com uma equipe multidisciplinar que acompanhava de perto o meu desenvolvimento. Também tive convulsões e até os 12 anos tomava remédios como Gardenal e Tegretol para controlá-las.

‘Na faculdade, decidi escrever um livro sobre a síndrome’

Quando terminei o ensino médio logo quis ingressar em uma faculdade. Escolhi estudar direito, mas não me adaptei e abandonei os estudos no primeiro ano. A paixão pela escrita e pela leitura me fez ingressar na faculdade de jornalismo em 2011. Escolhi este curso para dar voz a pessoas que, como eu, não se sentem representadas e por considerar que a informação liberta o ser humano.

Na faculdade os preconceitos acabaram. Muitos dos meus colegas de sala nem sabiam que eu tinha microcefalia. Grande parte deles descobriu minha síndrome apenas no último ano

Como não poderia ser diferente, resolvi trabalhar no trabalho final o tema que me acompanhou desde o meu nascimento: escrevi um livro sobre microcefalia. O resultado? Tirei 9,6 e fui aprovada como uma das maiores notas do curso.

Com dificuldades para conseguir um emprego na área, resolvi, em 2016, começar um novo curso, o de letras. No final de 2020 tive mais uma vitória: a segunda graduação.

‘Sonho em dar aula para crianças com deficiência’

Agora, como professora, vejo que por meio da educação posso realizar mais um sonho: dar aulas para crianças com deficiência ou algum transtorno e contribuir para o desenvolvimento delas, tanto na área da educação como também na questão pessoal e de auto-aceitação.

Agora faço pós-graduação em psicopedagogia e no próximo ano pretendo cursar psicologia. Estudar nunca é demais.

Agora me divido entre meu emprego no departamento de marketing de uma faculdade e começo este ano a trabalhar como auxiliar de sala, onde vou poder contribuir para que crianças com deficiência se desenvolvam, sem preconceitos ou até mesmo limitações.

Meu maior sonho é trabalhar exclusivamente com crianças com deficiência física, motora ou intelectual. Para isso quero ter uma escola voltada para elas e criar um espaço especializado e sem preconceitos.

 

+ sobre o tema

Como as desigualdades afetam a decisão das brasileiras em ter filhos

Mulheres com mais condições controlam sua reprodução, já as...

O machismo me cerca

O machismo me cerca. O machismo está em mim....

“Queremos disputar nossa própria agenda na política”, afirma ativista indígena equatoriana

Vereadora feminista, Paolina Vercoutere lembra participação de mulheres indígenas...

para lembrar

A chave das mulheres

Força de trabalho extremamente relevante, as mulheres do campo...

Editora abre chamada para escritoras negras de ficção científica

A editora Dame Blanche recebe, até o próximo dia 10 de...

Legado vivo: trançar o cabelo é mais do que um código estético

Para a população negra, trançar o cabelo é mais...

Descolonizar escola, nova batalha de bell hooks

Começar por sempre pensar no amor comouma ação, em...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=