Ministério da Igualdade Racial questiona autoridades do Rio de Janeiro sobre agressão racista contra entregador

Diretoria de Combate e Superação do Racismo oficiou cinco órgãos pedindo informações sobre o caso

O Ministério da Igualdade Racial enviou ofícios para cinco órgãos do Rio de Janeiro pedindo maiores informações sobre o caso de racismo de grande repercussão nacional envolvendo Sandra Mathias, moradora de São Conrado e o entregador de aplicativos Max Ângelo. Os documentos foram protocolados na última terça-feira (11).

Por meio da Diretoria de Combate e Superação do Racismo, foram enviados questionamentos ao Ministério Público do Rio de Janeiro, Coordenadoria Executiva Municipal de Promoção da Igualdade Racial, Subsecretaria de Promoção, Defesa e Garantia dos Direitos Humanos, do governo do estado, Presidente da Comissão de Combate às Discriminações e Preconceitos de Raça, Cor, Etnia, Religião e Procedência Nacional da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro e Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro.

Para a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, é fundamental que os diversos órgãos envolvidos na apuração do caso atuem de forma conjunta. “O Ministério da Igualdade Racial está à disposição de todos os órgãos envolvidos e queremos contribuir e entender como cada um, dentro de suas atribuições e competências pode ajudar na apuração do caso de maneira célere e séria”.

Durante sessão da Comissão de Direitos Humanos no Senado, nesta quarta-feira (12), a ministra relembrou a agressão sofrida por Max. “Se trata de uma senhora, uma ex-jogadora de vôlei, muito bem estudada, com condição financeira agrediu um entregador e não era a primeira vez que ela foi notificada por isso. Foi um ato gravíssimo e esse PL traz um reforço para que as pessoas entendam que qualquer tipo de racismo é crime”, disse a ministra, reforçando a importância da equiparação da injúria racial ao crime de racismo.

Após o recebimento das informações solicitadas, o MIR vai acompanhar o caso de perto para garantir que tenha o andamento devido e que as responsabilidades sejam apuradas e a lei devidamente aplicada.

+ sobre o tema

Cidinha da Silva e as urgências de Cronos em “Tecnologias Ancestrais de Produção de Infinitos”

Em outra oportunidade, dissemos que Cidinha da Silva é, assim...

Fiocruz alerta para aumento da taxa de suicídio entre criança e jovem

A taxa de suicídio entre jovens cresceu 6% por...

Voto feminino faz 92 anos; ação de ativista alagoana marca luta

Homens observam uma mulher diante da urna. Ela, vestida...

Como as escolas de samba nos ensinam sobre ancestralidade

Desde que foram criadas, escolas de samba têm sido...

para lembrar

A coleção africana do Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro

Ao acessar a plataforma virtual do Museu Nacional de...

“Quando nasce um filho ou uma filha, nasce uma mãe”

"Quando nasce um filho ou uma filha, nasce uma...
spot_imgspot_img

Esperança de justiça une mães de vítimas da violência policial no Rio

A longa espera por justiça é uma realidade presente entre as mães de vítimas da violência policial do Rio de Janeiro. Deise Silva de...

Enredo e Samba: Mangueira vai homenagear vida e obra de Alcione

A Estação Primeira de Mangueira virá para o carnaval de 2024 com um enredo que vai homenagear uma das torcedoras mais ilustres da escola: a cantora e compositora Alcione. Com...

Entenda a relação de racismo ambiental e enchentes no Rio de Janeiro

Os temporais no Rio de Janeiro causaram 12 mortes e deixaram mais de 9 mil desalojados, 300 pessoas desabrigadas, ruas alagadas e casas destruídas. A tragédia...
-+=