Ministério da Justiça propõe discussão sobre condenação por tráfico de drogas no Brasil

Fonte: Elaboração Legislativa

 

 

Brasília, 05/08/09 (MJ) – A maioria dos condenados por tráfico de drogas no Brasil são réus primários, foram presos sozinhos, com pouca quantidade de drogas e não tem associação com o crime organizado. Os dados fazem parte da pesquisa “Tráfico e Constituição, um estudo sobre a atuação da Justiça Criminal do Rio de Janeiro e do Distrito Federal no crime de drogas”, lançada nesta quarta-feira (5) na sede do Viva Rio, no Rio de Janeiro, pelo secretário de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça, Pedro Abramovay.

O estudo, inédito no Brasil, foi encomendado pelo ministério à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e à Universidade de Brasília (UnB) e realizado entre março de 2008 e julho de 2009. O levantamento permite o mapeamento das condenações judiciais por tráfico de drogas e dos efeitos da Lei 11343/06 que trata do tráfico e porte de entorpecentes.

“O Brasil está em um processo de amadurecimento da legislação sobre drogas. A lei de 2006 representou um avanço, mas temos que continuar debatendo e ver todas as falhas. O resultado da pesquisa mostra que há questões a serem aperfeiçoadas. Novos caminhos surgirão com muito debate”, destaca Pedro Abramovay.

Conforme levantamento do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), do Ministério da Justiça, os condenados por tráfico de drogas representam o segundo contingente do sistema carcerário brasileiro (são quase 70 mil pessoas), atrás apenas do crime de roubo qualificado com 79 mil presos.

O Ministério da Justiça quer promover o debate com o resultado da pesquisa e levá-lo ao Congresso Nacional. Dentre os questionamentos, o ministério quer levantar perguntas como, por exemplo, se é conveniente que este perfil de condenado receba a pena de prisão ou se não seria mais interessante a possibilidade de se aplicar penas alternativas, hoje vedada por lei.

Nos processos analisados no Superior Tribunal de Justiça, 67% dos réus estavam nas seguintes condições: a maioria é réu primário, com bons antecedentes, estava desarmada na ocasião da prisão em flagrante e não integrava organizações criminosas.

Segundo o levantamento, a nova legislação (Lei 11343/06) beneficia o usuário, mas propicia interpretações subjetivas da sua aplicação. A lei não define claramente as características que podem diferenciar o grande traficante de drogas do pequeno.

Sumário executivo, clique aqui.

Íntegra do estudo, clique aqui.


Algumas conclusões do estudo:

  • A pesquisa constatou que o Brasil é um país de trânsito de drogas para outros mercados. No Distrito Federal, há mais prisões em flagrante com maconha e merla. No Rio de Janeiro, as prisões por porte de cocaína.
  • Nas varas federais do RJ, 68,8% dos presos são estrangeiros (“mulas”) e, desses, 40,6% africanos.
  • Um dado chama atenção: nas varas criminais do DF, quase 70% dos processos referem-se a presos com quantias inferiores a 100 gramas de maconha. No Rio de Janeiro, 50% estavam com quantidade inferior a 100g e outros 50% superior.
Quantidade de droga % de condenações
Até 1 grama 0,9%
De 1 a 10g 13,9%
De 10 a 100g 53,9%
De 100g a 1 Kg 14,8%
De 1kg a 10 kg 8,7%
De 10 kg a 100 kg 7,8%
Mais de 100 kg 0,0%

 

Dados do Infopen/MJ revelam que o crime de tráfico de drogas é o de segunda maior incidência nos presídios.

 

Roubo qualificado (art. 157, § 2º) 79.599
Presos por tráfico de drogas (art. 157) 69.049
Roubo simples 35.721
Furto qualificado (art. 155, § 4º e § 5º) 33.374
Furto simples (art. 155, caput) 28.205
Total de crimes patrimoniais 207.572


 

 

 

 

 

 

Projeto Pensando O Direito

A Secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça (SAL) produz anualmente mais de 500 pareceres sobre os mais diversos temas jurídicos que instruem a elaboração de novos textos normativos, a posição do governo no Congresso, bem como a sanção ou veto presidencial.

Por conta da abrangência e complexidade dos temas analisados, a secretaria firmou um acordo de cooperação técnica com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que resultou no projeto Pensando o Direito – que possibilitou a execução da pesquisa sobre condenações por tráfico de drogas no Brasil.

O projeto seleciona e financia pesquisas na área legislativa sobre os mais diversos temas. Trata-se de um projeto para aproximar a SAL do mundo acadêmico e de especialistas nas diversas áreas do direito. Esses estudos vão instruir, por exemplo, a elaboração de textos normativos e a ajudar nas decisões do presidente da República sobre veto ou sanção aos projetos de lei.

  • Nas varas estaduais e federais do DF e RJ, 88,9% dos réus foram presos em flagrante.
  • No DF, a maior causa de aumento de pena (em 40,7% dos casos) foi o tráfico em estabelecimentos prisionais. No RJ, (61,6%) pela transnacionalidade do tráfico.
  • Nos tribunais do DF e RJ, em 36,7% dos casos houve redução de pena porque o réu é primário e não integra organização criminosa (art. 33, § 4º).
  • 83,6% dos acórdãos nos tribunais do DF e RJ são condenatórios.
  • O estudo também apontou um crescimento nas condenações de mulheres. Em 20,38% dos casos levados ao STJ há pessoas do sexo feminino como acusadas.
  • Em 37,86% dos casos no STJ, há atuação da defensoria pública.

Matéria original

+ sobre o tema

Câncer de mama: iluminação rosa sobre o Congresso marca mês de conscientização

Palácio do Congresso Nacional, Palácio do Planalto e Palácio...

Porto Alegre: Sem terra é executado com tiro nas costas pela polícia gaúcha

Por: Clarissa Pont   O agricultor sem terra Elton Brum, 44...

Dezembro vermelho: negros estão entre as principais vítimas do HIV no país

A colunista Isis Vergílio convida a amiga, a artista...

para lembrar

Negros são coadjuvantes em sua própria história na TV

Folhetins que retratam a escravidão ainda contam os fatos...

Senado abre consulta pública sobre legalização do aborto

O Senado Federal lançou uma consulta pública para saber...

Conheça sete problemas de saúde que dificultam a gravidez

Por: Maria Laura Albuquerque Antes de um casal tentar engravidar, é...

Entidades responsabilizam Estado Brasileiro por política de extermínio

Por: Patrícia Benvenuti e Tatiana Merlino Julgamento não-oficial...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=