Ministério Público abre inquérito sobre ‘sexualização’ de MC Melody

O Ministério Público de São Paulo abriu nesta quinta-feira um inquérito para investigação sobre “forte conteúdo erótico e de apelos sexuais” em músicas e coreografias de crianças e adolescentes músicos.

Ricardo Senra no BBC

A cantora de funk conhecida como MC Melody, de oito anos, é um dos alvos da investigação, que suspeita de “violação ao direito ao respeito e à dignidade de crianças/adolescentes”. O caso está sendo investigado pela Promotoria de Justiça de Defesa dos Interesses Difusos e Coletivos da Infância e da Juventude da Capital.

Segundo uma das representações publicadas no inquérito, Mc Melody “canta músicas obscenas, com alto teor sexual e faz poses extremamente sensuais, bem como trabalha como vocalista musical em carreira solo, dirigida por seu genitor”.

Além dela, músicas e videoclipes de outros funkeiros-mirins como MCs Princesa e Plebéia, MC 2K, Mc Bin Laden, Mc Brinquedo e Mc Pikachu também são alvo da investigação do Ministério Público paulista.

A promotoria chama atenção para o “impacto nocivo no desenvolvimento do público infantil e de adolescentes, tanto de quem se exibe quanto daqueles que o acessam”.

Petição

ministerio_publico_mc_melody_ministeriopublicodesp

O inquérito, aberto pelo promotor Eduardo Dias de Souza Ferreira, é resultado de denúncias e representações encaminhadas pela Ouvidoria do Ministério Público e por cidadãos que pedem avaliação legal sobre a exposição dos funkeiros mirins.

O caso da MC Melody, que chegou a ser o assunto mais procurado por brasileiros no Google nesta quinta-feira (com mais de 50 mil buscas), gerou uma petição no site Avaaz que pede “intervenção e investigação de tutela” ao Conselho Tutelar de São Paulo.

O abaixo assinado alcançou mais de 23 mil assinaturas em quatro dias. A menina já chegou a ter seu perfil retirado do Facebook após denúncias de internautas sobre “sexualização” – ela aparece em fotos com roupas curtas e decotadas, dançando em bailes funks e em vídeos caseiros.

As críticas à exposição de MC Melody, no entanto, não são unânimes. Em seu blog, o jornalista musical André Forastieri publicou o texto “Chega de preconceito contra o funk. Deixa MC Melody ser funkeira e rebolar – mesmo que tenha 8 anos de idade”, onde afirma que “vinte anos atrás as menininhas dançavam na boquinha da garrafa ou queriam ser Paquitas”.

“A grita é que o pai está expondo a menina. Médio. O pai da menina é músico, não neurocirurgião. Era pagodeiro, virou MC Belinho, que funk é onde está a grana na periferia”, critica o jornalista, que acrescenta: “Fatura com a garota? Mathew Knowles botou a filhinha para cantar e dançar aos oito anos também. Produtor musical, com nove Beyoncé já estava no Destiny´s Child. Logo era um grupo de teenagers, requebrando com pouca roupa. Qual a diferença?”

No YouTube, dezenas de publicações feitas por anônimos criticam a exposição da menina – cujos vídeos acumulam milhões de visualizações no portal.

O pai de MC Melody – o também funkeiro MC Belinho – também é citado pelo inquérito do Ministério Público.

O texto afirma ser “dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do Poder Público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária”, conforme dispõe o artigo 4º do Estatuto da Criança e do Adolescente”.

A reportagem tentou contato com MC Belinho por telefone, mas não obteve sucesso. Em entrevistas anteriores, o pai de MC Melody se defende argumentando que existiria uma “perseguição ao funk” e que “não obriga sua filha a fazer nada”.

“Ela canta e dança assim porque gosta”, disse MC Belinho. “Entendemos quem não gostou ou ficou ofendido e estamos mudando a nossa postura por isso.”

+ sobre o tema

10 frases que parecem inofensivas, mas são muito gordofóbicas

Às vezes, na maior das boas intenções, as pessoas...

O feminismo político do século XX

Este artigo integra revista semestral Margem Esquerda – ensaios marxistas,...

Casadentro: outro olhar sobre a maternidade

Filme de estreia de cineasta peruana explora as pressões,...

para lembrar

27 secretários de Segurança se reúnem para discutir estupro: apenas um é mulher

O ministro interino da Justiça, Alexandre de Moraes, se...

Com campanha sexista, linha “Homens que Amamos” da Risqué gera polêmica

Com uma campanha recheada de machismo e sexismo, a...

Ser feminista negra é uma coisa.Ser feminista branca é outra coisa.

Pra quem não sabe, Eliane é esposa do Mano...

Suécia cria pronome de gênero neutro, para além do ‘ele’ e ‘ela’

Expressão ‘hen’ integrará novo dicionário oficial, atualizado a cada...
spot_imgspot_img

Cinco trabalhadores são resgatados em condições análogas à escravidão na serra gaúcha

Cinco trabalhadores foram resgatados em condições análogas à escravidão em uma propriedade rural no município de Farroupilha, na serra gaúcha, pelo Ministério do Trabalho...

Exploração sexual infantil na internet bate recorde em 2023

As denúncias da presença de imagens de abuso e exploração sexual infantil na internet bateram recorde em 2023 – resultado é o maior da...

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...
-+=