Modelos plus size, albina e com vitiligo discutem inclusão na indústria

Fabiana Saba, Eliane Medeiro e Andreza Aguida falaram sobre autoestima

Por Luiza Barros  Do O Globo

A moda está ficando realmente mais inclusiva com o uso de modelos que fogem a um padrão de beleza? O que ainda falta para deixarmos de discriminar mulheres por sua aparência física? Fo ram essa s dúvida s que as modelos Fabiana Saba, Eliane Medeiro e Andreza Aguida levaram ao debate no ciclo de palestras “Elas por Elas”, no VillageMall. A conversa foi mediada pela editora do ELA, Renata Izaal.

— É muito difícil para uma mulher olhar para o espelho e gostar do que vê. Por isso, temos que fazer esse exercício, olhar e falar que gostamos do jeito que somos — aconselhou Fabiana, que fez sucesso nos anos 1990 e retornou à moda como plus size — Vestia 34 e agora visto 44. Tudo isso é parte de mim, e quero mostrar no Instagram. Quero mostrar minhas imperfeições.

Fabiana contou ainda sobre ter passado por um processo de aceitação que incluiu encontrar uma forma de lidar com os “haters” da internet:

— As pessoas comentavam na internet: “olha só a Fabiana Saba, como ficou gorda”. No começo isso me magoava, mas aí parei para pensar: “o que é beleza”? Feio é quem está falando isso, quem está impondo isso.

Idealizadora do grupo “Albinos do meu Brasil e do mundo” no Facebook, Andreza Aguida também falou sobre a perseguição na internet.

— Há anos, ainda no Orkut, procurei uma comunidade para albinos e o que encontrei no lugar foi uma comunidade chamada “Tenho medo e nojo de albinos” — observou Andreza, que também motivou os ouvintes a trabalharem a autoestima. — Em vez de falar se você tem cara de boneca, se pergunte: “por que não há bonecas com a minha cara?” — provocou a modelo.

+ sobre o tema

Câmara pretende ouvir Janot sobre equiparação de homofobia a racismo

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara...

Não entendemos errado, o que aconteceu com Angelo Assunção foi racismo

A sofisticação do racismo brasileiro está no fato de...

Candomblecista da Vila Autódromo Descreve o Terror do Processo de Remoção

Moradora removida da Vila Autódromo, Heloisa Helena Costa Berto,...

para lembrar

Solange Knowles foi homenageada no baile de gala da Parsons

A cantora usou peças assinadas por uma marca jovem...

Com perfis do acadêmico ao ativista, empreendedores africanos valorizam raízes na moda

As histórias de empreendedores africanos no Brasil têm origens tão diferentes...

Cartório para vítimas de homofobia e racismo vai ser inaugurado na segunda-feira

Canoas irá inaugurar nesta segunda-feira, 11, o Cartório Especializado...
spot_imgspot_img

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...

Em Paris para a alta-costura da Chanel, Xênia França fala sobre moda, música e reconhecimento internacional

Única celebridade brasileira convidada para o desfile de alta-costura da Chanel, em Paris, Xênia França vem colhendo os louros da longa carreira na indústria...

Intolerância religiosa representa um terço dos processos de racismo

A intolerância religiosa representa um terço (33%) dos processos por racismo em tramitação nos tribunais brasileiros, segundo levantamento da startup JusRacial. A organização identificou...
-+=